• O Início

    Foi uma história de amor que aproximou duas famílias de exímios padeiros! Dessa união nasceu a Pinheirense, empresa paulistana octogenária celebrada pela excepcional qualidade de seus pães artesanais, produzidos até hoje segundo receita europeia. Na década de 1930, o jovem padeiro austríaco Henrich Palme trabalhava na cozinha da Confeitaria Vienense, endereço histórico que marcou época nos anos dourados da capital paulista. Ali, ele conheceu o alemão Albert Neubauer, um experiente boulanger que antes de se mudar para o Brasil, durante a Primeira Guerra Mundial, teve durante muitos anos a própria padaria em Kiel. Os dois colegas tornaram-se amigos. Mais foi por causa da filha de Albert, a bela Else (outra funcionária da Vienense), que a amizade deles se estreitou. Henrich apaixonou-se por Else. Casaram-se, selando um matrimônio duplamente duradouro. De um lado, o amor entre homem e mulher. Do outro, a frutífera sociedade entre sogro e genro, que culminou com o nascimento da Pinheirense. Em 1937, surgia a Pinheirense, empresa paulistana fundada por talentosos imigrantes europeus, que encontraram no Brasil a oportunidade de lançar a seleta receita preservada até os dias atuais.

Uma receita de Amor

Hoje

Há mais de 80 anos, é mantida viva a tradição artesanal que garante a qualidade e sabor inconfundíveis de seus produtos. O sucesso e longevidade comprovam o diferencial dessa empresa familiar, preocupada em conceber produtos saborosos e saudáveis, livres de conservantes e produtos químicos. Aliados à produção artesanal, estão os grãos rigorosamente selecionados e ingredientes ricos em fibras e efeitos medicinais, como quinoa, semente de abóbora, semente de girassol, linhaça, castanha do Pará, castanha de caju, centeio, sarraceno, kümmel, gergelim, soja, aveia e alho. A Pinheirense está presente nos seguintes estados brasileiros: São Paulo; Rio de Janeiro, Santa Catarina; Brasília; Acre; Paraná; Goiás; Manaus. O tempo passou, mas a marca permanece fiel às suas raízes e, sobretudo, à qualidade. E a clientela, também! Ao longo de seus 82 anos, a Pinheirense se tornou um desses raros exemplos em que a tradição do antigo se renova no frescor de cada fornada.

Gostoso hoje, como sempre foi!