Como tomar medicamentos corretamente

Não é apenas a “letra de médico” que traz dúvidas e confusão às pessoas de todas as idades. Muitas vezes, ficamos sem saber ao certo como usar os medicamentos prescritos. Pode cortar drágeas e comprimidos ao meio? É melhor ingerir o (s) comprimido (s) com água, suco ou leite? Saiba a resposta para estas e outras perguntas comumente feitas pelos pacientes:

Posso cortar drágeas e comprimidos ao meio?

Melhor não, pois nada garante que as duas metades ficarão iguais. Isso só está liberado para aqueles comprimidos que possuem um sulco no meio. A prática, porém, deve ser orientada pelo médico.

E abrir cápsulas?

As cápsulas nunca devem ser abertas. A capinha serve para evitar que a droga seja atacada pelo suco gástrico. Se você tem dificuldades de deglutir, veja se não há outras apresentações do mesmo princípio ativo.

Com que líquido devo engolir?

Com água. Existem compostos que são sensíveis à acidez da laranjada ou do leite, por exemplo, e acabam se deteriorando prematuramente.

Posso engolir a seco, sem nenhum líquido?

Por mais que algumas pessoas tenham facilidade, não é muito indicado fazer isso. Há o risco de o comprimido grudar no esôfago e provocar uma grave irritação na parede desse tubo.

Beber álcool corta o efeito?

Álcool e remédios podem levar a uma sobrecarga do fígado quando consumidos em conjunto. Além disso, alguns fármacos têm seus efeitos potencializados ou neutralizados pelos drinques.

Devo tomar em jejum ou de barriga cheia?

A recomendação está escrita na bula. Certos medicamentos precisam do estômago vazio para funcionarem, enquanto outros causam até gastrite se não forem ingeridos juntamente com algum alimento.

E se eu tomar fora de hora?

O ideal é sempre respeitar o tempo prescrito. Se você esquecer, tome assim que lembrar. Caso tenham se passado muitas horas, comece a contar um novo intervalo a partir dali.

Benefícios da geleia real

Produzida pelas abelhas operárias para alimentar a abelha rainha, a geleia real é rica em aminoácidos, lipídios, açúcares, vitaminas, minerais e proteínas. Enquanto as operárias vivem cerca de 5 semanas, a rainha tem uma vida muito mais longa: de seis anos, aproximadamente. Para os seres humanos, a geleia real é utilizada como um suplemento natural, oferecendo diversos benefícios para a saúde:

-aumenta a energia

-elimina a sensação de cansaço

reduz o estresse e melhora o sistema nervoso

-combate ansiedade, depressão e falta de memória

-excelente para a saúde do cérebro, ajudando no desempenho das funções cognitivas superiores, tais como aprendizagem e memória

-estimula o crescimento de células estaminais neurais e de células gliais do cérebro, prevenindo doenças como a Alzheimer e Parkinson

-bom para fertilidade, aumentando a libido e a capacidade reprodutiva

-propriedades anti-inflamatórias e cicatrizantes

-tem propriedades antibióticas, combatendo bactérias

-ajuda o sistema imunológico

-ação anti-oxidante, regenera as células e desacelera o envelhecimento precoce

-contém açúcar bom para o organismo, diminuindo o colesterol ruim

-alivia sintomas da menopausa

-ajuda no tratamento de cistos no ovário e endometriose

-ameniza a TPM

-ajuda no desequilíbrio hormonal

-combate úlcera e problemas digestivos

-torna o fígado mais saudável

-melhora o apetite (inclusive de crianças)

-bom para os dentes e desenvolvimento ósseo das crianças

-ajuda no tratamento de artrites

-excelente fonte de nutrientes para quem pratica exercícios físicos

-combate a anemia e anorexia

-auxilia no tratamento do câncer, além de ser preventivo

-ajuda na quimioterapia, aliviando náuseas, dores e mal estar.

Como usar:

A geleia real possui consistência pastosa, cor branca levemente amarelada e sabor ácido. Ela se conserva em temperaturas abaixo de 10º C, dentro da geladeira ou congelada, por no máximo 18 meses, e a sua ingestão em forma de cápsulas nunca deverá ser superior a 1g de geleia real pura, por dia. Para consumir a geleia real liofilizada, que é a em cápsulas, é indicado tomar 1 cápsula por dia juntamente com um pouco de água. Se preferir pela geleia real natural deve colocar uma pequena quantidade debaixo da língua para que ela seja melhor absorvida pelo corpo.

Hipoglicemia: sintomas e prevenção

A glicose, o açúcar do sangue, é a maior fonte de energia do corpo, além de ser a única forma de energia que o cérebro usa de forma eficaz. Durante a digestão e o metabolismo, o fígado converte todos os carboidratos e aproximadamente metade das proteínas de uma refeição em glicose, que é liberada no fluxo sanguíneo. Em resposta ao aumento dos níveis de glicose no sangue, o pâncreas secreta insulina adicional, que é o hormônio que capacita a célula a usar o açúcar para a produção de energia.

A hipoglicemia ( baixo nível de açúcar no sangue) ocorre quando a quantidade de insulina do sangue excede o que é necessário para o corpo metabolizar a glicose existente. Estes casos são comuns em diabéticos que tomam insulina demais, mas também ocorre em outras circunstâncias: excesso de consumo de álcool, ingestão exagerada de aspirina ou acetaminofena, betabloqueadores e algumas drogas antipsicóticas, ou então quando se desenvolvem tumores que secretam a insulina.

Dicas: 

-Consuma refeições pequenas que forneçam equilíbrio de proteína, de carboidrato e de gordura;

-controle refeições e petiscos que contenham somente carboidratos ( especialmente os açucarados);

-evite beber álcool sem comer;

-coma imediatamente um destes alimentos para elevar os níveis de glicose do sangue:

- 1/2 copo de qualquer suco de frutas;

- 1/2 copo de um refrigerante comum ( sem ser dietético);

- 1 copo de leite;

- 5 ou 6 balas;

- 1 ou 2 colheres de chá com açúcar ou mel.

Pós dia do lixo: alimentos anti-inflamatórios

Resultado de imagem para dia do lixo

Seguir uma dieta à risca não é nada fácil, até mesmo porque, diferentemente de atletas de alta performance e de algumas pessoas SUPER disciplinadas, temos vida social, participamos de confraternizações diversas, onde, muitas vezes, respeitar o regime alimentar é improvável.

O famoso “dia do lixo” é aquele momento em que muitos aproveitam para extravasar e comer de tudo. Há até quem defenda esse “ritual”, alegando que é benéfico para a dieta e para a saúde. Especulações à parte, vale a pena consumir certos alimentos para aliviar a inflamação e desintoxicar o organismo, no dia seguinte à “farra alimentar”. É o que explicam Rachita Reddy, MD, e Violet Santana, nutricionista e autora do Operation Cleanse.

Quinoa: “Os grãos integrais reduzem a gordura e diminuem centímetros da sua cintura porque são absorvidos na corrente sanguínea a um ritmo lento”, explica Reddy. Ela recomenda a ingestão de quinoa e outros grãos integrais como cevada, arroz integral, triguilho e aveia após uma refeição lixo, uma vez que todos eles têm fibra, o que evita a inflamação e um pico de açúcar. “Evitar picos de açúcar significa que o açúcar em seu corpo não será armazenado como gordura”.

Salmão: está no topo de qualquer lista de alimentos anti-inflamatórios. Os ácidos graxos ômega 3 neste peixe são aquilo que você pode chamar de “gorduras saudáveis” que contribuem para a função cerebral saudável e um menor risco de câncer e doenças crônicas, como a doença de Alzheimer, degeneração macular, esclerose múltipla e artrite reumatoide. Um estudo de 2013 no jornal Immunity descobriu que os ácidos graxos ômega-3 ajudam a bloquear a resposta inflamatória do corpo. Além disso, esse peixe rico em proteínas é rico em vitaminas e minerais como o potássio, o selênio e a vitamina B12.

Abacate: 

“Apesar de o abacate ser rico em gorduras saudáveis, ele não é tão rico em calorias como as pessoas pensam”, diz Santana. Ela recomenda comer esta fruta após refeições lixo, pois ela é naturalmente rica em gorduras insaturadas saudáveis para o coração, fibras, vitaminas A, C, E, K e B, potássio e antioxidantes. Os benefícios anti-inflamatórios dos abacates são tão fortes que podem até compensar as escolhas alimentares pouco saudáveis. Um estudo de 2013 descobriu que simplesmente adicionar um abacate a um hambúrguer poderia limitar a resposta inflamatória no corpo.

DPCO e tabagismo

A doença pulmonar obstrutiva crônica, ou DPOC, é a obstrução da passagem do ar pelos pulmões provocada geralmente pela fumaça do cigarro ou de outros compostos nocivos, como a poluição e substâncias químicas. A doença se instala, depois que há um quadro persistente de bronquite ou enfisema pulmonar. O primeiro causa um estado permanente de inflamação nos pulmões, enquanto o segundo destrói os alvéolos, estruturas que promovem trocas gasosas no órgão.

O quadro é perigoso porque, além do potencial para interromper a respiração de vez, diminui a circulação de oxigênio no sangue e dispara substâncias inflamatórias pelo corpo todo. O risco de infarto e AVC dobra. Os portadores podem ainda sofrer com fraqueza muscular, raciocínio prejudicado e até ficarem mais sujeitos à depressão.

Prevenção

Pare de fumar: os cigarros são, sem dúvida, a principal causa da DPOC.

Siga a dieta mediterrânea: essa abordagem alimentar, com ênfase em frutas, hortaliças, óleos saudáveis, peixes e grãos integrais, pode reduzir em 25% as chances de você ter DPOC.

Resultado de imagem para dieta mediterranea

Mexa-se: a atividade física, em especial exercícios aeróbicos, como caminhar, pedalar e nadar, contribui para que os pulmões se tornem mais eficientes ao fornecer ao corpo o oxigênio necessário. Se você perde o fôlego com facilidade, está na hora de exercitar-se.

Respire de modo saudável: aprenda a respirar de forma mais profunda e menos frequente, usando principalmente o diafragma. Inspire pelo nariz, lenta e completamente. Grande parte do movimento deve vir do abdome; se apenas o tórax se mexer, a respiração está superficial demais. A expiração deve demorar o dobro do tempo da inspiração, e quanto mais você esvaziar os pulmões com expirações fortes, mais saudáveis e completas serão suas inspirações. A respiração profunda não só melhora o funcionamento do pulmão como também pode baixar a pressão arterial e promover o relaxamento, mesmo em tempos de estresse.

Pães integrais e artesanais com linhaça

Além de não utilizar conservantes e produtos químicos em seus produtos, a Pinheirense faz uso de combinações variadas de sementes, aumentando o poder nutritivo dos pães e seus benefícios à saúde. O pão de forma integral com linhaça e o pão tipo sueco com linhaça fazem parte da nossa linha de produtos integrais, artesanais e sem conservantes.

Por ser uma rica fonte de fibras solúveis, a linhaça auxilia na redução dos níveis de colesterol, combatendo doenças cardíacas. Também é comprovado que as fibras insolúveis dessa semente contribuem para evitar a prisão de ventre.

Fonte de ácido alfa-linoléico (ALA) – um ácido graxo essencial considerado como uma gordura “boa para o coração”-, ajuda a afinar o sangue. Os ácidos graxos ômega-3 não são produzidos pelo organismo, precisam ser adquiridos por meio de alimentos, como a linhaça.  Eles reduzem a tendência das plaquetas de se agruparem, formando coágulos.

As lignanas, que compõem a semente de linhaça, convertem-se em compostos similares ao estrogênio do próprio organismo, mas com menor atividade. Possuem a capacidade de ocupar os receptores de estrogênio nas células e bloquear os efeitos de estrógenos mais fortes. Devido a esse fator, diversas pesquisas estudam o papel da linhaça na prevenção de alguns tipos de câncer vinculados a hormônios, como o câncer de mama e de cólon.

Pães com aveia: benefícios

O Pão de Trigo Integral com Aveia e o Pão Tipo Sueco com Aveia fazem parte da linha de produtos artesanais e sem conservantes produzidos pela Pinheirense. Além de saborosos, os nossos pães são saudáveis e possuem combinações variadas de sementes, que trazem inúmeros benefícios à saúde.

Benefícios da aveia:

A aveia apresenta efeitos benéficos sobre o colesterol, pressão arterial, níveis de açúcar no sangue, saciedade e saúde gastrointestinal. Excelente fonte de fibra solúvel, cálcio, ferro, manganês, folacina, vitamina E, tiamina, niacina, riboflavina e outras vitaminas do grupo B, ajuda na redução tanto do nível de açúcar no sangue quanto dos níveis de insulina, um fator importante no controle do diabetes.

O farelo de aveia é rico em betaglucano, o que ajuda a reduzir os níveis de colesterol, diminuindo os riscos de infartos. Alguns estudos demonstram que a aveia não apenas diminui o colesterol LDL, mas também aumenta os níveis do bom colesterol – o HDL.

Por possuir um valor elevado de saciedade, o que significa que leva um longo tempo para ser digerida, a sensação de fastio é mais duradoura. Acredita-se que tanto a proteína como as fibras de aveia contribuem para esse efeito.

Benefícios e propriedades da canela

A canela já foi considerada mais valiosa que o ouro e, na Antiguidade, era símbolo de sabedoria para gregos, romanos e hebreus. Com o passar do tempo, os benefícios dessa especiaria à saúde só foram ratificados: possui propriedades antimicrobianas, anti-inflamatórias, anti-infecciosas e anticoagulantes. Confira os principais benefícios da canela e suas propriedades:

- Ajudar a controlar a diabetes porque melhora a utilização do açúcar;

-melhora transtornos digestivos como gases, problemas espasmódicos e ajuda a tratar a diarreia, devido ao seu efeito antibacteriano, antiespasmódico e anti-inflamatório;

-combate as infeções das vias respiratórias, pois tem um efeito secante nas mucosas e é um expectorante natural;

- diminui a fadiga e melhora o estado de ânimo porque aumenta a resistência ao stress;

-ajuda a combater o colesterol pela presença de antioxidantes;

- ajuda na digestão, principalmente quando misturada ao mel – este tem enzimas que facilitam a digestão. A canela possui efeito antibacteriano, antiespasmódico e anti-inflamatório;

-combate infeções das vias respiratórias, por possuir um efeito secante nas mucosas e é ser um expectorante natural;

-diminui o apetite, pois é rica em fibras;

-reduz o acúmulo de gordura porque melhora a sensibilidade dos tecidos à ação da insulina;

-afrodisíaca, ainda melhora a circulação sanguínea, aumentando a sensibilidade e o prazer, o que também favorece o contato sexual.

Quantidade recomendada: entre 1 e 6 gramas, o equivalente a meia ou até uma colher de chá, ao dia. Como estes valores mudam muito, é interessante consultar um médico ou nutricionista sobre a melhor porção do alimento para cada pessoa.

Como consumir a canela: Não há diferenças nutricionais entre a ingestão da canela em pó ou em pau. Essa especiaria pode ser consumida polvilhada sobre frutas, legumes e carnes e também pode ser incluída em chás e sucos. O alimento também fica muito bem polvilhado sobre doces, como arroz doce, mingau d aveia, dentre outros. 

Insuficiência renal: causas e prevenção

A insuficiência renal pode ser uma reação temporária a um choque agudo ou ferimento, ou, ainda, um problema crônico, que requer tratamento imediato. Já a insuficiência renal aguda pode ter como causas infecções graves, queimaduras, diarreia ou vômito, envenenamento (incluindo efeitos colaterais de remédios ou suas interações), cirurgias ou danos e ferimentos nos rins.

A partir do momento em que o problema é resolvido, o funcionamento dos rins quase sempre se normaliza. A insuficiência renal crônica é uma consequência da hipertensão não tratada, diabetes mal controlado, ou da má-formação congênita. A insuficiência renal grave crônica ou em um estágio terminal requer diálise regular – tratamento no qual uma máquina retira as impurezas do sangue – ou sempre que possível um transplante de rim.

A relevância da alimentação na monitoração da insuficiência renal

As recomendações gerais envolvem a restrição de fósforo, potássio, proteínas e sal. A ingestão de líquidos precisa ser monitorada. Com pouco líquido, os eletrólitos acabam ficando desequilibrados; com líquido em excesso, a retenção provoca edema e problemas eletrolíticos, e contribui para a hipertensão, e até para a insuficiência cardíaca congestiva. As proteínas devem ser ajustadas conforme mudam a função renal, diálise ou níveis de estresse.

Estudos demonstram que se as proteínas são limitadas a aproximadamente 1 g por quilo de peso corporal por dia, o paciente em diálise receberá os aminoácidos essenciais, mas terá menor risco de danos futuros.

Benefícios das ervas aromáticas

Além de incrementarem o prato com aquele aroma especial, as ervas aromáticas conferem ainda mais sabor aos alimentos, além de trazerem diversos benefícios à saúde. Por fornecerem uma ampla variedade de substâncias fitoquímicas ativas, ajudam a proteger o organismo contra doenças crônicas. Confira os benefícios de alguns temperos naturais:

Alecrim: As folhas contêm um óleo usado em analgésicos tópicos para aliviar dores musculares. O chá alivia dores de cabeça.

Cebolinha: Estas pequenas parentes da cebola possuem compostos de enxofre que podem baixar a pressão sanguínea caso ingeridas em grande quantidade.

Coentro: Folhas muito frescas podem ser mastigadas para facilitar a digestão.

Endro: Muito usado em picles, molhos de saladas e pratos de peixe, o endro também é usado para aliviar gases intestinais e o seu chá pode aliviar cólicas em bebês.

Manjericão: Ingrediente básico de muitos pratos, ele também é usado como tônico e contra resfriado.

Menta: Mastigar as folhas pode refrescar o hálito. O chá de menta é um auxiliar digestivo.

Orégano: Cozido como chá, parece ajudar na digestão e aliviar a congestão.

Salsa: Quando consumida em porções de no mínimo 30 g, esta erva contém quantidades úteis de vitamina C (salsa fresca apenas), cálcio, ferro e potássio. Também é rica em bioflavonóides, monoterpenos e outros compostos anticancerígenos.

Sálvia: Seu chá pode ser usado como digestivo, desinfetante oral ou em gargarejos, a fim de aliviar aftas, dores na gengiva ou dores de garganta.

Tomilho: Cozido como chá, pode ser usado para restabelecer o intestino irritável, fazer gargarejos para dores de garganta ou como xarope para tosse ou congestão.