APLV: alternativas para a fase de amamentação

A sigla APLV refere-se à alergia à proteína do leite de vaca. Assim como outras alergias alimentares, ela ocorre quando o sistema imunológico reage a proteínas presentes nos alimentos por considerá-las elementos estranhos. O organismo inicia a produção de células inflamatórias e/ou anticorpos específicos (IgE) para combater as moléculas invasoras, desencadeando um processo alérgico.

Entre os principais sinais desse tipo de alergia estão aqueles de ordem digestiva, a exemplo de falta de apetite, vômitos, diarreia e sangue nas fezes. Outros sintomas comuns são os cutâneos, que incluem urticária (placas vermelhas na pele), dermatite atópica, coceira e inchaço. Vale lembrar também dos problemas respiratórios que os pequenos alérgicos à proteína do leite de vaca costumam apresentar – entre eles estão chiado no peito, pneumonia e tosse.

Não há um medicamento específico que trate a APLV. A principal forma de aliviar os sintomas é seguir uma dieta livre dos itens que provocam a alergia. A boa notícia é que a maior parte dos casos tende a desaparecer até os 5 anos de idade.

Além de conhecer os derivados do leite, pais e mães de pequenos com essa alergia devem estar atentos a substâncias com nomes muitas vezes complicados e que contêm a proteína do leite de vaca. De acordo com a SBP, algumas das principais são: alfacaseína, betacaseína, caseinato, alfalactoalbumina, betalactoglobulina, alfalactoglobulina, aroma de queijo, lactulose e lactose presente em medicamentos.

Alternativas às mães que amamentam:

No blog de Katia Ouang (minhasdikas.com), a Nutricionista Mariana Del Bosco escreveu sobre  a Alergia a Proteína do Leite de Vaca. Dentre outras informações, a profissional em questão apresenta alternativas às mães que amamentam, oferecendo dicas importantes a respeito dos cuidados em relação à alimentação, para não prejudicar o bebê.

“É bem difícil seguir a dieta isenta de alimentos que contêm as proteínas do leite. O leite está amplamente distribuído em preparações culinárias e nos alimentos industrializados, sendo assim, além de cortar o leite e seus derivados da dieta é preciso cozinhar de forma segura e checar a rotulagem de todos os alimentos industrializados.

O sanduíche vai ser bem diferente do habitual.  A começar pelo pão. Não há garantias que o pão da padaria não tenha sido contaminado com algum produto com leite. Já houve caso de padaria que usa leite em pó na receita para que o pão fique mais macio. Pães industrializados, por serem processados em equipamentos que tem contato com lácteos, podem conter traços de leite. Cheque nos SACs das empresas, quais pães são seguros para consumo. Na wickbold, o pão australiano está liberado, assim como toda a linha Pinheirense. Sugiro adquirir a máquina de pão para fazer receitas absolutamente seguras, saudáveis e deliciosas.”

Por não serem industrializados, os pães PInheirense são indicados em casos de APLV.

Leia a matéria completa em: http://www.minhasdikas.com/2013/03/coluna-da-mari-aplv.html

Superalimentos com proteínas

Um suculento peito de frango assado. Um ensopado com pedaços de carne magra. Bife de peru com legumes quentes. Esses pratos ricos em proteínas não apenas dão água na boca, como também ajudam a manter os músculos e a imunidade fortes. Ricos em vitaminas e minerais essenciais, que, com o passar dos anos, tornam-se ainda mais importantes para a boa saúde, também promovem a saciedade, reduzindo o apetite por mais tempo.

Encontradas em grande quantidade especialmente em alimentos de origem animal, como carne, ovos, leite ou queijo, as proteínas são moléculas formadas em decorrência da ligação dos aminoácidos, macronutriente fundamental na alimentação de pessoas de qualquer idade, especialmente para as crianças e pessoas que praticam muitas atividades físicas. Esse nutriente ajuda na correta contração dos músculos, no fortalecimento do sistema imunológico, evita alterações hormonais e auxilia na transformação dos alimentos ingeridos.

Além disso, ao lado dos carboidratos e gorduras, a proteína integra os três nutrientes principais que o organismo necessita para gerar energia e funcionar adequadamente.

Um peito de frango assado sem pele, por exemplo, tem entre 120 e 140 calorias, e vem com toda a proteína que você pode querer com menos da metade da gordura de um bife. É versátil e pode ser o ingrediente principal de tudo- desde uma canja de galinha no almoço até um frango assado no jantar de domingo.

Uma porção de 115 g de peito de peru fornece 60% da proteína de que você precisa por dia, sem a gordura que existe em muitos cortes de carne bovina e suína. Já a carne vermelha é mais saudável do que se pode imaginar. Cortes magros como a chuleta e o filé mignon têm pouca gordura. Metade dos ácidos graxos presentes em uma porção de carne magra é do tipo monoinsaturado, o mesmo encontrado no azeite de oliva.

Segundo pesquisadores, esses ácidos graxos são benéficos ao coração e baixam o colesterol. Melhor ainda: 1/3 da gordura saturada da carne é um ácido graxo singular chamado ácido esteárico, que tem efeito redutor ou neutro sobre o colesterol.

Uma porção de carne bovina é uma excelente fonte de cinco nutrientes essenciais: proteína, zinco, vitamina B12, selênio e fósforo, e uma boa fonte de outros quatro- niacina, vitamina B6, ferro e riboflavina.

É a mesma história com a carne de porco: o lombinho é magro, suculento e totalmente saudável em porções moderadas.