Como a caminhada aperfeiçoa a memória

Não é segredo que a prática de atividades físicas traz inúmeros benefícios à saúde e à qualidade de vida, certo? O hábito de caminhar, por exemplo, reduz o inchaço das pernas e tornozelos, previne a obesidade e ajuda a emagrecer, melhora a circulação sanguínea, fortalece todos os músculos do corpo, melhora a ansiedade e o estresse, previne complicações cardiovasculares, etc. São muitos os motivos para aderir à essa prática.

Recentemente, uma nova pesquisa realizada em conjunto pela Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos, e a Universidade de Tsukuba, no Japão, provou que até exercícios de baixa intensidade e executados por um curto período de tempo podem contribuir para melhorar a capacidade cerebral. Isso mesmo!

Os neurocientistas pediram a 26 voluntários saudáveis, com pouco mais de 20 anos, que fizessem exercícios leves por 10 minutos, como ioga ou caminhada, antes de passarem por um teste de memória, que foi então repetido nos mesmos voluntários, sem o exercício.

Pelo monitoramento das atividades cerebrais dos participantes, descobriram que após a atividade física, o hipocampo — região importante no armazenamento da memória — e as regiões cerebrais envolvidas na lembrança vívida das memória, estavam com seu funcionamento aguçado.

Que tal começar o ano com o pé direito? Ou melhor, com os dois pés no chão? Bastam dez minutinhos de caminhada por dia para o seu corpo e sua memória sentirem os benefícios!

Mantenha a mente saudável

Caso você pense que fadiga mental, esquecimento e doenças de Alzheimer são inevitáveis, a ciência do envelhecimento tem novidades: ao exercitar a mente de forma produtiva, é possível diminuir o risco de declínio mental. E não é necessário um sofisticado programa de computador ou coisa do tipo. A saída é a “calistenia cerebral” simples (um cientista a chama de neuróbica – aeróbica para as células cerebrais), que envolve novas maneiras de fazer as tarefas do dia a dia.

Essa ideia provém de uma notável descoberta. Em necropsias de 137 residentes de asilos cujo estado mental havia sido avaliado durante a vida, descobriu-se que dez deles possuíam as clássicas alterações cerebrais da doença de Alzheimer, apesar de terem apresentado poucos sinais desse mal durante a vida – seus desempenhos mentais foram tão bons quanto os de residentes cujos cérebros não apresentaram alterações após a morte.

Os cientistas encontraram uma explicação possível: o cérebro desses pacientes pesava mais e tinha mais neurônios do que o de residentes da mesma idade sem as alterações cerebrais da doença de Alzheimer. Outra razão possível: as pessoas tinham uma “reserva cognitiva” maior – uma “poupança” de vias extras que lhes permitia contrabalançar as mudanças e funcionar bem por mais tempo. Desde então, estudos sugerem que até 20% das pessoas que não tinham sinais de Alzheimer apresentavam na necropsia alterações cerebrais características da doença.

Neurocientistas também descobriram que quem usa o cérebro com mais frequência parece ter essas reservas salvadoras. E eles acreditam que exercitar o cérebro de modo parecido com que exercitamos os músculos durante os exercícios pode torná-lo mais forte e flexível.

Semana de Valorização do Patrimônio Histórico e Cultural da Cidade de São Paulo

Parque Jardim da Luz

A Semana de Valorização do Patrimônio Histórico e Cultural integra o calendário de atividades da Cidade de São Paulo, e é promovida pelo Departamento do Patrimônio Histórico (DPH) da Secretaria Municipal de Cultura (SMC).

O evento de 2012 enfoca os temas da urbanidade e da memória. Através da apropriação dos espaços públicos – e, portanto, do acolhimento da cidade e da construção de uma identidade e de uma memória –, busca-se a valorização do patrimônio cultural.

Turismo cultural, arte pública e cidadania, e memória urbana serão os objetos de discussões de palestras e mesas redondas que ocorrerão nos dias 29, 30 e 31 de outubro, no Auditório da Biblioteca Mário de Andrade (Rua da Consolação, 94). As atividades culturais programadas para o evento deste ano incluem visitas monitoradas ao centro histórico, edifícios, parques, obras de arte e ao Cemitério da Consolação.

Biblioteca Mário de Andrade

As inscrições serão feitas durante o evento, a cada dia, na recepção da Biblioteca Mário de Andrade, sempre a partir das 13h, e permanecerão abertas até a lotação completa do auditório. Ao final de cada dia, serão distribuídos os certificados.

Confira a programação do evento e mais informações.