Esofagite: dieta é fundamental para tratar inflamação

O esôfago é um órgão condutor muscular, localizado entre o extremo inferior da laringo-faringe e o superior do estômago. Faz parte do aparelho digestório, unindo a faringe ao estômago. Sua principal função é conduzir os alimentos até o estômago.

A esofagite é a inflamação da mucosa do esôfago, e que causa sintomas como: azia ou queimação que começa no estômago e pode ir até a garganta; regurgitação; gosto amargo na boca; mau hálito; tosse seca; rouquidão; dor de garganta, pigarro e enjoo.

Essa inflamação ocorre quando o ácido do estômago, fundamental para a digestão dos alimentos, invade o esôfago. As principais causas que predispõem ao refluxo do conteúdo gástrico para o esôfago são: hérnia de hiato; incontinência do esfíncter (anel) inferior do esôfago; defeito no clareamento do esôfago (movimentos peristálticos).

Quando uma pessoa é diagnosticada com esofagite, muitas vezes precisa tomar medicamentos, como antifúngicos e antiácidos. Somente o médico poderá dar o diagnóstico e o tratamento adequado. Contudo, muitos pacientes só investem nos medicamentos, que sempre trazem efeitos colaterais, e esquecem de fazer uma reeducação alimentar, que é fundamental para desintoxicar o organismo, tirar a acidez do mesmo, eliminando fungos, bactérias, e bloqueando os efeitos do refluxo gastroesofágico.

Para começar, doces, frituras, café, chá preto, mate, leite, farinha branca, pimenta, bebidas alcoólicas e alimentos gordurosos deverão ser cortados. Aumente o consumo de frutas e legumes, prefira carnes magras e produtos integrais. É fundamental beber muita água. Existe um tratamento feito à base do limão (https://www.docelimao.com.br/site/limao/pratica/333-refluxo-esofagico-depoimento.html) que é incrível e surte resultados muito positivos.

Há vários relatos de pessoas que substituíram os medicamentos, como antiácidos, por essa fruta, que ajuda a alcalinizar o organismo. Abaixo, daremos dicas de como melhorar a alimentação e viver sem os sintomas da esofagite.

Mamão: Rico em enzimas proteolíticas, quimopapaína e papaína, um fitoquímico que também auxilia na digestão de proteínas e acaba diminuindo o refluxo.

Batata doce: Devido à ausência de gordura e açúcar, alimentos como legumes e verduras são eficazes na redução da quantidade de ácido gástrico produzido no estômago. Quase todas as cores e variedades são benéficas, mas batata-doce, folhas para saladas, cenoura, abóbora, feijão-verde e erva-doce são especialmente boas, por acalmarem o estômago e diminuírem seus níveis de acidez.

Aveia: Além de ser um alimento bastante nutritivo, acaba neutralizando o excesso de acidez no estômago, o que ajuda a reduzir os sintomas de refluxo. Também é uma excelente fonte de fibra, que deixa a digestão funcionando melhor e diminui as chances do problema aparecer.

Gengibre: Além de anti-inflamatório, também melhora o funcionamento intestinal e, por isso, é um grande fitoterápico digestivo. Acredita-se ainda que tem um efeito positivo sobre as enzimas que quebram gorduras e proteínas, facilitando o processo de digestão e diminuindo o refluxo.

Cominho: Amplamente utilizado para temperar alimentos, também possui propriedades antioxidantes e antimicrobianas. O timol, um fitoquímico presente no cominho, estimula a secreção de enzimas, ácidos e bílis para promover uma boa digestão. Além disso, óleos essenciais, sódio e magnésio presentes no tempero ajudam a deixar o refluxo bem longe.

Chá de boldo: As folhas contêm lactona, substância que possui gosto amargo, mas é muito eficaz na digestão de gorduras. Também têm diversos fitoquímicos, incluindo boldina, cânfora, limoneno, beta-pineno e cumarina, que são compostos antioxidantes. Só não exagere e tome uma xícara por dia, no máximo. Quando usado por longos períodos, pode causar irritação gástrica.

Azia: controle e prevenção

A maioria das pessoas como rápido demais e, ao fazer isso, absorve muito ar juntamente com o alimento, o que contribui para distender o estômago e gerar arrotos – que também forçam o estômago a jogar o conteúdo para cima.

Experimente comer bem devagar. Você irá ingerir menos calorias, pois o corpo terá mais tempo para se sentir satisfeito, mesmo que tenha ingerido menos comida. Embora o conselho tradicional seja cortar da dieta certos alimentos, como tomate, comidas picantes, frituras e álcool, não é o que costuma acontecer de fato. Sendo assim, aprenda quais alimentos contribuem para a sua azia. Pegue um caderno e, ao longo de uma semana, liste os alimentos consumidos a cada refeição. Depois, anote se houve azia e quanto tempo depois de comer ela começou.

Caminhe em vez de se deitar após as refeições; levante a cabeceira da cama com travesseiros para evitar o refluxo do ácido gástrico, e pense até em comer de pé se isso facilitar.

Quanto mais perto você estiver do peso saudável, menos de azia e DRGE (doença de refluxo gastroesofágico) apresentará. O peso extra aumenta a pressão no abdome. Pessoas acima do peso também são mais propensas a desenvolver hérnia de hiato, que ocorre quando a parte superior do estômago se projeta para cima, atravessando o diafragma e indo para a cavidade torácica, aumentando o refluxo. 

Descobriu-se que as bebidas gaseificadas e os benzodiazepínicos, prescritos para ansiedade e ou insônia, podem causar azia à noite, interrompendo o sono.

Experimente a acupuntura: estímulos leves no punho reduzem o relaxamento na porção inferior do esôfago.

Consulte um especialista do sono: o tratamento se chama pressão positiva contínua nas vias respiratórias. O paciente dorme com uma máscara sobre o nariz, conectada a uma máquina que libera ar pressurizado, para manter as vias respiratórias abertas. Funciona por meio do aumento de pressão na parte de trás da garganta, evitando que o conteúdo do estômago suba em direção ao esôfago. Visto que, em geral, a DRGE e a apneia obstrutiva do sono ocorrem juntas, uma ida a um especialista do sono pode valer a pena.

Alivie efeitos da hérnia de hiato

Em circunstâncias normais, o hiato é uma pequena abertura no músculo do diafragma, lugar em que o esôfago e o estômago se encontram. Uma hérnia de hiato desenvolve-se quando esta abertura aumenta e permite que a parte superior do estômago se projete por esse hiato.

Dicas para aliviar os efeitos da Hérnia de hiato:

-Não se deite após fazer uma refeição. Procure esperar pelo menos duas horas para dormir ( à tarde ou à noite);

-Não pratique exercícios físicos logo depois de comer. Andar não faz mal, mas espere de duas a três horas para praticar exercícios mais intensos;

-Não vista roupas apertadas, pois exercem pressão adicional sobre o estômago;

-Relaxe. O estresse desacelera a digestão, o que piora o refluxo do ácido estomacal. Experimente a técnica de respiração profunda, a ioga ou a meditação para controlar o estresse diário.

-Coma refeições pequenas e frequentes;

-Invista em alimentos ricos em fibras, como cereais e pães integrais, frutas secas, saladas e legumes crus ou levemente cozidos.