Conheça os benefícios do ipê roxo

Você já deve ter visto uma árvore de altura razoável e com flores de cor roxa ou rosa clara. Esse é o Ipê Roxo, uma planta típica da América Latina e que tem grande presença em nosso país.

Além de deixar a paisagem de qualquer lugar muito mais bonita, o Ipê Roxo possui incríveis propriedades medicinais e o seu chá é utilizado para tratar diversos problemas de saúde, como anemia, candidíase, úlceras, alergias, dor muscular, coceiras, etc. 

As propriedades do ipê roxo são: cicatrizante, adstringente, analgésico, antiblenorrágica, antimicrobiana, anti-inflamatória, anti-infecciosa, antitumoral, anti-sifilítica, antibactericida, antifungo, depurativa, diurético, além da sua potente ação antibiótica.

No extrato da entre casca é encontrada uma substância conhecida por lapachol. Essa substância tem o poder de inibir o crescimento de tumores malignos e, ao mesmo tempo, reduzir a dor. Desta forma, o ipê roxo pode ser indicado para dores musculares, artrites e artroses, tumores e alguns tipos de câncer e psoríase.

Para as mulheres, nos casos de cólicas menstruais, corrimentos, candidíases e vaginites, sendo empregado internamente e também na forma de banhos de assentos.

Da entrecasca, faz-se um chá que é usado no tratamento de várias formas de diabetes, gripes e depurativo do sangue. Sendo indicado também para:

  • Úlceras varicosas
  • Feridas de qualquer origem
  • Varizes
  • Hemorroidas
  • Reumatismo
  • Doenças da pele
  • Eczema
  • Gastrites
  • Inflamação intestinal
  • Cistite
  • Bronquite
  • Anemia

Poder de cura das ervas

Ao preparar uma refeição, acrescentar uma pitada de ervas pode significar mais do que dar um toque diferente e especial aos pratos. Diversas ervas usadas para fins culinários e medicinais têm um alto teor de antioxidantes-chave que podem prevenir infartos, alguns tipos de câncer e retardar o envelhecimento.

Dentre as ervas que se mostram boas fontes desses antioxidantes estão: a sálvia, o endro, a segurelha, o coentro, o tomilho, o alecrim e o orégano, sendo que este último é o que possui a maior atividade antioxidante.

Não só as propriedades antioxidantes em algumas dessas ervas foi maior do que os valores registrados de vitamina E, elas superaram em muito os teores de alimentos ricos em antioxidantes como as frutas silvestres e alguns legumes e verduras.

Acrescentar essas ervas em suas refeições diárias traz enormes benefícios para a sua saúde. Aproveite!

Benefícios das ervas culinárias

Ervas culinárias não são tão potentes quanto as medicinais, mas podem conferir algum benefício à saúde. Fornecem uma ampla variedade de substâncias fitoquímicas ativas que promovem a saúde e protegem contra doenças crônicas.

Alecrim: As folhas contêm um óleo usado em analgésicos tópicos para aliviar dores musculares. O chá alivia dores de cabeça.

Cebolinha: Estas pequenas parentes da cebola possuem compostos de enxofre que podem baixar a pressão sanguínea caso ingeridas em grande quantidade.

Coentro: Folhas muito frescas podem ser mastigadas para facilitar a digestão.

Endro: Muito usado em picles, molhos de saladas e pratos de peixe, o endro também é usado para aliviar gases intestinais e o seu chá pode aliviar cólicas em bebês.

Manjericão: Ingrediente básico de muitos pratos, ele também é usado como tônico e contra resfriado.

Menta: Mastigar as folhas pode refrescar o hálito. O chá de menta é um auxiliar digestivo.

Orégano: Cozido como chá, parece ajudar na digestão e aliviar a congestão.

Salsa: Quando consumida em porções de no mínimo 30 g, esta erva contém quantidades úteis de vitamina C (salsa fresca apenas), cálcio, ferro e potássio. Também é rica em bioflavonóides, monoterpenos e outros compostos anticancerígenos.

Sálvia: Seu chá pode ser usado como digestivo, desinfetante oral ou em gargarejos, a fim de aliviar aftas, dores na gengiva ou dores de garganta.

Tomilho: Cozido como chá, pode ser usado para restabelecer o intestino irritável, fazer gargarejos para dores de garganta ou como xarope para tosse ou congestão.

Ervas Culinárias

Ervas culinárias não são tão potentes quanto as medicinais, mas podem conferir algum benefício à saúde. Fornecem uma ampla variedade de substâncias fitoquímicas ativas que promovem a saúde e protegem contra doenças crônicas.

Alecrim: As folhas contêm um óleo usado em analgésicos tópicos para aliviar dores musculares. O chá alivia dores de cabeça.

Cebolinha: Estas pequenas parentes da cebola possuem compostos de enxofre que podem baixar a pressão sanguínea caso ingeridas em grande quantidade.

Coentro: Folhas muito frescas podem ser mastigadas para facilitar a digestão.

Endro: Muito usado em picles, molhos de saladas e pratos de peixe, o endro também é usado para aliviar gases intestinais e o seu chá pode aliviar cólicas em bebês.

Manjericão: Ingrediente básico de muitos pratos, ele também é usado como tônico e contra resfriado.

Menta: Mastigar as folhas pode refrescar o hálito. O chá de menta é um auxiliar digestivo.

Orégano: Cozido como chá, parece ajudar na digestão e aliviar a congestão.

Salsa: Quando consumida em porções de no mínimo 30 g, esta erva contém quantidades úteis de vitamina C (salsa fresca apenas), cálcio, ferro e potássio. Também é rica em bioflavonóides, monoterpenos e outros compostos anticancerígenos.

Sálvia: Seu chá pode ser usado como digestivo, desinfetante oral ou em gargarejos, a fim de aliviar aftas, dores na gengiva ou dores de garganta.

Tomilho: Cozido como chá, pode ser usado para restabelecer o intestino irritável, fazer gargarejos para dores de garganta ou como xarope para tosse ou congestão.