Conheça a arte do bonsai

Há séculos, os japoneses levaram à perfeição a arte do bonsai. A ideia dos bonsai lhes foi inspirada pelas árvores expostas ao vento e subalimentadas, que sobreviviam, talvez um século, nas falésias e montanhas da China e do Japão.

A finalidade dos japoneses sempre foi obter árvores miniaturizadas que reproduzissem perfeitamente as árvores majestosas de seu meio ambiente. Por incrível que pareça, com frequência eram bem sucedidos podando a árvore e suas raízes à medida que cresciam.

Os verdadeiros bonsai utilizam árvores que devem viver ao ar livre durante a maior parte do ano e que só toleram curtas permanências em apartamento. No Ocidente, há uma tendência a estender a arte do bonsai a plantas tropicais suscetíveis de serem cultivadas dentro de casa.

Existem diferentes métodos de cultivo dos bonsai. Com sorte, você poderá descobrir uma verdadeira árvore em miniatura no alto de uma montanha – aliás os japoneses consideram os espécimes anões naturais os mais belos. Mas também é possível plantar uma estaca de uma árvore adulta de tamanho normal ou comprar uma arvorezinha numa floricultura.

Em ambos os casos, você só irá fazer a tutoragem bonsai quando a árvore tiver desenvolvido um caule forte. O meio mais seguro- e mais custoso- é comprar uma árvore já formada e podada. Se a cultivar a partir de sementes, ficará a seu cargo “moldá-la”. A tutoragem fundamental ocorre nos quatro primeiros anos.

Os estilos clássicos de bonsai são os seguintes:

Chokan: Estilo ereto formal. Árvore com tronco reto, que vai diminuindo de espessura gradualmente, da base ao ápice. Os ramos devem ser simétricos e bem balanceados.

Moyogi: Estilo ereto informal. Tronco sinuoso, inclinando-se em mais de uma direção à medida que progride para o ápice, embora mantendo uma posição geral mais ou menos ereta. A árvore deve dar a impressão de um movimento gracioso.

Shakan: Estilo inclinado. Tronco reto ou ligeiramente sinuoso, inclinando-se predominantemente em uma direção.

Kengai: Estilo cascata. A árvore se dirige para fora da lateral do vaso e então se movimenta para baixo, na direção da base do vaso, ultrapassando a borda do mesmo. Os vasos nesse estilo são estreitos e profundos.

Han-kengai: Estilo semi-cascata. Semelhante ao anterior, com a árvore caindo a um nível abaixo da borda do vaso, mas não chega a altura da base do vaso.Fukinagashi: Varrido pelo vento. Árvore com ramo e tronco inclinados como que moldados pela força do vento.

Cozinha: adesivos para cobrir os azulejos

Nosso lar merece toda atenção, carinho e cuidado necessário, para que possamos desfrutá-lo com prazer e satisfação. De acordo com as possibilidades financeiras de cada pessoa, é possível, sim, deixar cada cantinho da casa muito agradável e aconchegante tanto para os seus moradores quanto para as visitas.

E a cozinha, claro, sendo um local especial da casa, onde preparamos nossos alimentos e, em muitos lares, considerada, ainda, como o local ideal para desfrutar de todas as refeições e estabelecer conversas e momentos de confraternização ao lado de parentes e amigos, merece investimentos que a deixem sempre convidativa.

Tendências atuais de decoração são os desenhos e materiais próprios para cobrir os azulejos da cozinha. Há desde estampas com apelo retrô até aquelas com imitações de ladrilho hidráulico.

As alternativas mais usadas para proteger e finalizar as paredes da cozinha continuam sendo o azulejo (ou porcelanato) e a tinta acrílica, que podem ser aplicados numa base de massa feita de cimento e areia (emboço) ou, no caso de reforma, na cerâmica existente.

Além dos fatores estéticos, a decisão sobre qual caminho seguir depende do orçamento e do tempo disponível para a obra. Se você optar por não remover o revestimento antigo, economizará a mão de obra de demolição e a retirada de entulho. Com o objetivo de evitar surpresas durante e após a reformulação, observe alguns cuidados.

Ao trocar os azulejos, verifique se a espessura do novo modelo é parecida com a do anterior para não haver necessidade de adaptar a guarnição das portas e janelas ou de substituir o acabamento dos registros hidráulicos. Já no caso de pintura ou sobreposição das peças cerâmicas, confira se a base está totalmente limpa e desengordurada.

Atenção: não pode existir infiltração ou vazamento de água, e convém retirar as unidades soltas e sem resistência mecânica (quebradiças ou com a superfície fraca).

 

Jardim de Inverno: decoração simples e elegante

Ter uma casa confortável e acolhedora exige empenho e bom gosto. Arrumar os móveis de forma harmoniosa, escolher as cores das paredes, objetos decorativos… E, às vezes, ainda falta algo mais. Não é raro que moradores de apartamentos ou casas pequenas reclamem da falta do verde no quintal. É nesse cenário que os delicados e encantadores jardins de inverno atuam, proporcionando luz e verde para cantinhos que antes não tinham vida.

Tal forma de jardinagem foi muito usada na Europa, no século XVII. O teto e as paredes do jardim eram de vidro, permitindo a entrada de luz, características que ainda são apresentadas nos projetos contemporâneos.

O objetivo do jardim de inverno é muito mais que mera decoração, ele torna o local agradável e aconchegante, ideal para bate-papo e descanso. Para que o jardim fique equilibrado, é interessante escolher plantas que floresçam mais de uma vez ao ano, e usar objetos que interajam com o aspecto natural como pedras brancas, bancos e vidros.

A maior qualidade do jardim de inverno é que ele pode ser implantado em áreas pequenas. Se a casa não tiver nenhum espaço livre, ele caberá até mesmo embaixo da escada, é só adequar as plantas ao local.

Essa é uma solução inspiradora e simples para quem quer uma casa menos impessoal e cheia de vida. O jardim pode ser de várias formas, não existem regras nem orçamentos fechados. Qualquer pessoa com um pouco de criatividade e dedicação pode deixar a casa mais charmosa e elegante.

Anote algumas dicas para fazer o seu próprio jardim.

- Plantas que florescem mais de uma vez por ano: Boca-de-Leão, Papoula, Amor Perfeito, Calêndula, Angélica e Petúnia;

- Tenha cuidado especial com a rega. Em dias chuvosos, as plantas do jardim de inverno não são regadas de forma natural, então é importante lembrar sempre dessa necessidade básica.

- Ilumine seu jardim. A luz dá um toque especial ao ambiente e pode torná-lo mais íntimo ou alegre.

Para o lar: crie um ponto focal poderoso em qualquer cômodo

 

O ponto focal de um cômodo é o primeiro elemento visual que atrai o olhar. Os cômodos que não têm esse ponto óbvio podem parecer sem graça, desorganizados e incompletos, apesar do estilo e da qualidade da decoração. Para dar graça a um ambiente sem foco, uma solução rápida e barata é usar o que você já tem.

Escolha o foco lógico de atenção, e vasculhe seus armários em busca de algo que você possa ter guardado e esquecido.

- Almofadas de cores vivas ou uma colcha colorida vão dar impacto a uma cama “apagada”;

 

- Emoldure um bonito lenço de seda ou um xale de renda que você não usa há anos e pendure a moldura na parede atrás da cama;

- Caso a sua lareira não atraia os olhares, use sobras de tinta para resolver isso. Crie um fundo de uma cor diferente do chão ao teto. Pendure um espelho grande ou disponha pratos que atraiam a atenção sobre o mantel;

- Livre-se da bagunça para atrair o olhar para um ponto focal: lembre-se de que menos é mais. Portanto, alterne a exposição de suas coleções em vez de exibir todos os seus “tesouros” ao mesmo tempo.

Decoração: como envelhecer móveis

Para quem curte o ar “desgastado chique” nos móveis, e não quer gastar muito dinheiro com isso, a opção é usar uma vela para reproduzir tal aparência em qualquer móvel de madeira, novo ou velho, que você queira pintar. Veja como:

Em primeiro lugar, prepare a peça pintando-a com uma cor de fundo ( como se ela já tivesse sido pintada com essa cor antes), e deixe a demão secar completamente.

Esfregue uma vela branca nas bordas e nos cantos, em volta de maçanetas e puxadores, e sobre os braços das cadeiras – onde quer que o acabamento do móvel possa ter se desgastado. Utilize a cera da vela generosamente, mas remova qualquer aspereza.

Pinte a peça com uma camada da cor principal, que não vai grudar na cera. Se precisar de uma nova camada da cor principal – o que pode acontecer se estiver pintando uma cor clara sobre uma cor escura -, esfregue um pouco mais da vela nas partes expostas.

Quando a peça estiver completamente seca, basta retirar a cera com um pano macio embebido em água quente.

Dicas de iluminação: use uma capa difusora de luz para fazer sombra

A beleza das luminárias se deve, muitas vezes, mais ao formato da cúpula do que à luz que projetam. Para suavizar o brilho da luz que atravessa uma cúpula de tecido ou de papel, experimente fazer uma capa franzida – é bem fácil se a cúpula for redonda.

Procure retalhos com tratamento antichama e vasculhe o armário de roupas de cama e mesa em busca de um tecido fino com uma cor ou estampa clara ou intermediária e de um pedaço de fita fina para franzi-lo.

1- Corte o material com cerca de duas vezes a largura da circunferência menor da cúpula ( mais para uma cúpula com um dos lados bem largo) e cerca de 5 cm maior do que a altura. Junte os tecidos se necessário, talvez alternando o pedaço liso com o estampado.

2- Costure os pedaços do tecido. Dobre e alinhave as bordas de cima e de baixo para fazer bainhas de 1 cm, deixando uma pequena abertura em cada lado. Agora pegue a fita e corte pedaços com o dobro do tamanho da circunferência das bordas de cima e de baixo e envolva firmemente cada uma das pontas com fita adesiva para ficarem iguais às pontas de um cadarço.

3- Enfie a fita na bainha, trabalhando o tecido para que o franzido fique distribuído de maneira uniforme. Amarre o que sobrar da fita em pequenos laços. Para fixar a capa, prenda-a com linha pelas bordas de cima e de baixo ou use fita adesiva de dupla face. A nova iluminação terá uma aparência tão suave e bonita quanto a luminária.

Cuidado: As lâmpadas halógenas esquentam muito. Portanto, use cúpulas resistentes ao calor para essas luminárias.

Jardim de inverno: invista na decoração natural dentro de casa

Ter uma casa confortável e acolhedora exige empenho e bom gosto. Arrumar os móveis de forma harmoniosa, escolher as cores das paredes, objetos decorativos… E, às vezes, ainda falta algo mais. Não é raro que moradores de apartamentos ou casas pequenas reclamem da falta do verde no quintal. É nesse cenário que os delicados e encantadores jardins de inverno atuam, proporcionando luz e verde para cantinhos que antes não tinham vida.

Tal forma de jardinagem foi muito usada na Europa, no século XVII. O teto e as paredes do jardim eram de vidro, permitindo a entrada de luz, características que ainda são apresentadas nos projetos contemporâneos.

O objetivo do jardim de inverno é muito mais que mera decoração, ele torna o local agradável e aconchegante, ideal para bate-papo e descanso. Para que o jardim fique equilibrado, é interessante escolher plantas que floresçam mais de uma vez ao ano, e usar objetos que interajam com o aspecto natural como pedras brancas, bancos e vidros.

A maior qualidade do jardim de inverno é que ele pode ser implantado em áreas pequenas. Se a casa não tiver nenhum espaço livre, ele caberá até mesmo embaixo da escada, é só adequar as plantas ao local.

Essa é uma solução inspiradora e simples para quem quer uma casa menos impessoal e cheia de vida. O jardim pode ser de várias formas, não existem regras nem orçamentos fechados. Qualquer pessoa com um pouco de criatividade e dedicação pode deixar a casa mais charmosa e elegante.

Anote algumas dicas para fazer o seu próprio jardim.

- Plantas que florescem mais de uma vez por ano: Boca-de-Leão, Papoula, Amor Perfeito, Calêndula, Angélica e Petúnia;

- Tenha cuidado especial com a rega. Em dias chuvosos, as plantas do jardim de inverno não são regadas de forma natural, então é importante lembrar sempre dessa necessidade básica.

- Ilumine seu jardim. A luz dá um toque especial ao ambiente e pode torná-lo mais íntimo ou alegre.

Decoração: tendências de cores para 2013

 

Efeito Óptico: Verde-amarelado ou amarelo-esverdeado? Batizado de Verde-limão, este tom fica, propositalmente, em cima do muro. O Verde-limão se encaixa na onda do entre cores. A característica desse grupo é oscilar de acordo com a luz do ambiente, proporcionando uma experiência óptica. Energético, ele incita a velocidade, a inquietação e o frescor, valores identificados não apenas no mercado de decoração como também na moda e no design.

Sempre o azul: Violeta Inspirado, um índigo profundo e arroxeado, é uma das tendências de cores para 2013. Este tom expressa o desejo contemporâneo de desconexão – pelo menos no momento em que voltamos para casa.

À frente  do setor GHomeBuildLife da WSN – centro internacional de pesquisa de tendências de moda e estilo –, a norte-americana Lisa White  apontou o azul, de maneira geral, como a cor predominante nos próximos anos. Na opinião da arquiteta Nara Grossi, deve-se tomar cuidado com os azuis fechados, pois eles podem dar ao ambiente um efeito melancólico. “Sugiro o amarelo para iluminar e alegrar o grupo”, diz Nara.

Aprenda a retirar de forma simples e segura o papel de parede

Não é necessário alugar uma máquina comercial para a limpeza a vapor ou usar substâncias tóxicas para retirar o papel de parede velho. Confira dois métodos fáceis que não só são atóxicos, mas também muito baratos.

- Encha um frasco borrifador com 2 partes de água quente para 1 parte de amaciante de roupas. Borrife uma área do papel de parede até encharcá-lo. Deixe a solução agir por 15 a 30 minutos, descasque ou raspe o papel e repita. Mantenha o frasco aquecido, colocando-o em uma panela com água quente entre as etapas.

- Use um borrifador de plantas ou um rolo de pintura para aplicar uma solução de vinagre branco e água quente em partes iguais. Encharque uma área do papel de parede, aguarde 10 minutos e depois descasque. Se o trabalho for grande, mantenha a janela aberta: o vinagre não é tóxico, mas tem um cheiro forte.

Transforme cadeiras em móveis novos

Muitos lares têm cadeiras sobrando, que podem ser transformadas em algo mais útil, como em móveis novos.

Na maioria dos casos, é mais fácil trabalhar com as cadeiras sem braços de espaldar reto, com assentos duros e retos.

- Pinte duas cadeiras de modelos diferentes para fazer um par de “mesas” de cabeceira.

- Pinte uma cadeira de braços com espaldar reto e coloque-a na entrada para apoiar bolsas.

Faça um móvel para substituir a mesinha de centro com duas ou três cadeiras de madeira; elas não precisam combinar contanto que os assentos tenham aproximadamente a mesma altura e suas formas encaixem. Serre os encostos de cada uma das cadeiras na altura dos assentos e lixe bem.

Talvez, você precise aparar algumas protuberâncias nos cantos, logo acima do nível do assento. Para protegê-las de manchas, pinte-as com um verniz à prova d’água. Quando a tinta secar, arrume as mesinhas formando uma única e prática mesa de centro.