Cozinha: cuidado com utensílios de madeira e plástico

Tanto a madeira quanto o plástico estão muito presentes em utensílios de cozinha-tábuas, colheres, moedores, soquetes etc. Porém, eles são, constantemente, condenados por serem nocivos à saúde.

madeira acumula grande quantidade de fungos e bactérias, e mesmo com uma boa higienização, esses germes continuarão vivos e se misturarão aos alimentos na primeira oportunidade. Por ser um material vivo, cheio de células, que, em contato com outro material orgânico, puxa os sulcos, a madeira, neste caso, oferece riscos à saúde. E não há uma metodologia correta, eficiente para a higienização. E por higienização, entende-se desinfecção e limpeza, que é o que deve ser feito com tudo que usamos na cozinha.

Ao saber dessa informação, muita gente pensa: “Bom, então o melhor a fazer é comprar utensílios de plástico!” Péssima ideia. Muitos tipos de plástico, como o PVC, podem lixiviar para alimentos e bebidas. A lixiviação aumenta quando o plástico entra em contato com alimentos oleosos e gordurosos – durante o aquecimento -, ou tem seu processo potencializado em plásticos velhos ou rachados, causando impactos negativos à saúde.

Além disso, a maioria dos plásticos precisam de aditivos e estabilizantes para tornarem-se utilizáveis. O chumbo, por exemplo, é muitas vezes adicionado para tornar o plástico mais resistente, enquanto plastificantes são agregados para dar maior flexibilidade ao material.

Além de todo o mal que fazem à saúde, esses aditivos tóxicos também contribuem para a poluição.

Se tanto utensílios de plástico quanto os de madeira são prejudiciais, o que fazer nesse caso? A resposta é bastante simples: bambu! Utilizado, há milênios, pelos asiáticos, o material vem se destacando e, pouco a pouco, começa a ser mais valorizado pelos brasileiros. Por não apresentarem poros, as fibras do bambu não acumulam resíduos, além de possuir ação bactericida natural. Diferente da madeira, que necessita do uso de bactericidas em sua composição, o bambu possui uma propriedade natural que elimina as bactérias.

Por serem leves e resistentes, os utensílios produzidos a partir do bambu são de fácil manuseio e longa durabilidade. Além disso, o seu preço também é muito acessível!

Em uma época onde se fala tanto em sustentabilidade, vale ressaltar que o bambu é um material 100% ecológico, uma vez que é renovável e não polui o meio ambiente.

A cada vez que um bambu é cortado, imediatamente um novo broto está nascendo para ser utilizado dali a 4 anos.

A adoção de utensílios de alumínio também é aconselhável. Escumadeiras, conchas e colheres de alumínio não oferecem riscos consideráveis à saúde, porque o tempo de contato com o alimento é curto. No entanto, armazenar comida em recipientes de alumínio por tempos longos não é indicado, já que os resíduos eliminados podem ser prejudiciais à saúde.

 

Benefícios do funcho

Você já ouviu falar em funcho? Esse alimento, parecido com o aipo e popularmente conhecido como erva-doce, é ideal para aqueles que desejam emagrecer. Mesmo apresentando baixo teor de calorias, o funcho é substancioso, uma boa fonte de betacaroteno e de vitamina C, além de potássio e de fibras.

Por possuir um sabor adocicado, o funcho combina muito bem com peixes. Vale destacar que todas as partes desse alimento são comestíveis, além de ser super versátil – acompanha várias receitas e ainda pode ser servido grelhado, refogado como acompanhamento e cru em saladas.

Os bulbos recheados são uma entrada muito apreciada, principalmente entre os vegetarianos, e as folhas picadas formam uma guarnição colorida e nutritiva para outros pratos de verduras.

Outros benefícios do funcho: ajuda a estimular a produção de leite na amamentação; auxilia a digestão e ajuda na prevenção do mau hálito; é receitado por muitos médicos para tratar pedras nos rins, gota, distúrbios do fígado e do pulmão.

Combate a insônia e a ansiedade

Este é o benefício mais conhecido, devido as propriedades calmantes desta planta.

Alívio de cólicas e diarreia

E serve tanto para as menstruais, quanto intestinais. No primeiro caso, atua como regulador do ciclo e ameniza os desconfortos. Já no segundo caso, as fibras da planta contribuem para um bom funcionamento do intestino e pode, até mesmo, combater e previnir infecções nesta região. Neste sentido, como regulador de funções gastrointestinais, previne diarreias.

Abranda o inchaço

Também possui efeitos diuréticos e auxilia nos problemas de retenção de líquido no organismo, principalmente, na região do abdômen.

Prevenção de problemas cardíacos

O funcho também é rico em potássio, o que favorece no equilíbrio da pressão arterial. Um ótimo ativo na prevenção de ataques cardíacos e AVC.

Potencializador das atividades cerebrais

Estimula o fluxo de oxigênio e favorece as funções cognitivas.

Prevenção de câncer

Estudiosos da Universidade do Texas, nos Estados Unidos, conseguiram comprovar que o funcho foi o responsável por inibir o crescimento do tumor mamário.

Refresca o hálito

Não só o hálito como também a respiração. E é por isso que recomenda-se beber o chá de erva-doce logo após as refeições (evitando assim o mau hálito).

Auxilia na digestão e no emagrecimento

As propriedades relaxantes do funcho contribuem para o bom desempenho da digestão. Também ajuda a eliminar toxinas nocivas ao organismo, como, por exemplo, a gordura e o açúcar do sangue.

Combate colesterol ruim

As fibras do funcho combatem o LDL, conhecido como colesterol ruim.

Benefícios das ervas aromáticas

Além de incrementarem o prato com aquele aroma especial, as ervas aromáticas conferem ainda mais sabor aos alimentos, além de trazerem diversos benefícios à saúde. Por fornecerem uma ampla variedade de substâncias fitoquímicas ativas, ajudam a proteger o organismo contra doenças crônicas. Confira os benefícios de alguns temperos naturais:

Alecrim: As folhas contêm um óleo usado em analgésicos tópicos para aliviar dores musculares. O chá alivia dores de cabeça.

Cebolinha: Estas pequenas parentes da cebola possuem compostos de enxofre que podem baixar a pressão sanguínea caso ingeridas em grande quantidade.

Coentro: Folhas muito frescas podem ser mastigadas para facilitar a digestão.

Endro: Muito usado em picles, molhos de saladas e pratos de peixe, o endro também é usado para aliviar gases intestinais e o seu chá pode aliviar cólicas em bebês.

Manjericão: Ingrediente básico de muitos pratos, ele também é usado como tônico e contra resfriado.

Menta: Mastigar as folhas pode refrescar o hálito. O chá de menta é um auxiliar digestivo.

Orégano: Cozido como chá, parece ajudar na digestão e aliviar a congestão.

Salsa: Quando consumida em porções de no mínimo 30 g, esta erva contém quantidades úteis de vitamina C (salsa fresca apenas), cálcio, ferro e potássio. Também é rica em bioflavonóides, monoterpenos e outros compostos anticancerígenos.

Sálvia: Seu chá pode ser usado como digestivo, desinfetante oral ou em gargarejos, a fim de aliviar aftas, dores na gengiva ou dores de garganta.

Tomilho: Cozido como chá, pode ser usado para restabelecer o intestino irritável, fazer gargarejos para dores de garganta ou como xarope para tosse ou congestão.

Canjica diet para a Páscoa

Muitas famílias mantêm a tradição de consumir canjica na Sexta-feira Santa. Essa sobremesa típica da culinária brasileira é rica em fibras e minerais, fornecendo muita energia ao organismo. Selecionamos uma deliciosa receita de canjica diet, para que você possa saborear esse doce, sem culpa.

Ingredientes para a canjica: 1 e ½ xícara (chá) de milho para canjica (320 g); 5 cravos-da-índia; 1 pau de canela; canela para polvilhar.

Ingredientes para o leite condensado: 1 xícara (chá) de leite em pó desnatado (116 g); ½ xícara (chá) de adoçante (16 g); 1 colher (chá) de margarina light (10 g).

Como fazer:  

Faça o leite condensado: coloque todos os ingredientes no liquidificador, acrescente ½ xícara (chá) de água fervente e bata por 5 minutos. Passe para uma vasilha com tampa e deixe na  geladeira até o momento de usar.

Prepare a canjica: na véspera, coloque o milho para canjica de molho em uma tigela com água. No dia seguinte, escorra o milho, passe-o para uma panela de pressão, acrescente 6 xícaras (chá) de água (1,2 litros) e cozinhe por 40 minutos. Desligue o fogo, deixe esfriar até poder abrir a panela, e verifique se o milho está macio. Se não estiver, acrescente um pouco mais de água e deixe cozinhar por mais alguns minutos.

Em seguida, acrescente a receita de leite condensado, os cravos, o pau de canela e, se necessário, um pouco mais de adoçante. Mexa e deixe ferver por aproximadamente 5 minutos.

Rendimento: 10 porções.

Tempo de preparo: 30 minutos.

Antepasto de berinjela e Pão Sueco

Selecionamos uma receita de antepasto de berinjela que cai super bem com o pão sueco da Pinheirense. Prática, saudável e saborosa. Experimente!

Anote aí:

Ingredientes: 3 berinjelas grandes cortadas em tirinhas; 1 pimentão verde cortado em tirinhas; 1 pimentão amarelo cortado em tirinhas; 1 pimentão vermelho cortado em tirinhas; 2 cebolas grandes cortada em tirinhas; 250 ml de azeite; 1 xícara de vinagre de vinho tinto; orégano a gosto; 1 vidro pequeno de azeitonas sem caroço; sal a gosto.

Modo de preparo:

- Corte as berinjelas, os pimentões e as cebolas. Arrume em camadas a berinjela, o pimentão e por cima a cebola, em placa de alumínio;

- Coloque por cima o azeite, o vinagre, o sal, o orégano, cubra com papel alumínio e leve ao forno pré-aquecido bem quente (mais ou menos 150º graus) por 15 minuto;

- Tire do forno, acrescente as azeitonas fatiadas, dê uma ligeira misturada e leve novamente ao forno (continua com o papel alumínio) até que a berinjela seque e fique escura (mais ou menos 1 hora e meia);

- Tire do forno, espere esfriar e leve à geladeira;

- Se puder esperar que fique marinando 2 ou 3 dias na geladeira, fica bem mais gostoso;

- Sirva com pão tipo sueco Pinheirense e, se quiser, com carnes.

A “cartilha” do cogumelo

Com pouquíssimas calorias, os cogumelos praticamente não têm gordura e são boas fontes de fibra alimentar. Oferecem quantidades consideráveis de potássio, selênio, riboflavona, tiamina, ácido fólico, B6 e zinco. Os cogumelos também são uma das melhores fontes vegetais de niacina. Confira dicas importantes de conservação e preparo desse alimento:

-Ao comprar cogumelos, procure os mais durinhos sem nenhum amassado. Todos os cogumelos são colhidos naturalmente, mas amassam com facilidade. Manuseie-os com cuidado;

-O sabor se desenvolve com o crescimento. Logo, os cogumelos maiores são os mais saborosos;

-Não guarde os cogumelos embrulhados em papel filme ou em plásticos. Guarde-os em bolsas de papel, na gaveta de legumes da geladeira;

-Cinco dias é o tempo máximo de conservação dos cogumelos na geladeira;

-Lave os cogumelos pouco antes de usá-los, mas não descasque ou remova os talos. A parte nutritiva do cogumelo está bem abaixo da pele e será perdida se forem descascados. Apenas pique ou corte sem mexer na casca;

-Cozinhe os cogumelos rapidamente. Se for usá-los em um prato de preparo lento, como em um ensopado, acrescente-os apenas nos últimos vinte minutos.

Os cogumelos crescem como mágica!

Se não forem colhidos, os cogumelos-paris dobram de tamanho a cada 24 horas. Primeiro, é um cogumelo com a calota fechada. Depois a calota se abre, revelando suas lamelas marrons. Quando não é colhido, cresce e se transforma em um cogumelo grande e chato com lamelas abertas. Quanto maior o cogumelo, melhor o seu sabor.

Ideal para festas: salada asiática de vitela com creme picante

Cada porção fornece: 270 kcal, 24 g de proteínas, 17 g de gordura, 5 g de carboidratos.

Tempo de preparo: 30 minutos

Sirva com Pão tipo Sueco da Pinheirense.

Ingredientes ( para 4 porções):

400 g de vitela cozida

200 g de couve-chinesa

200 g de broto de bambu ou de feijão ( em conserva)

100 g de vagem-macarrão

2 colheres (sopa) de óleo de girassol

1/2 colher (chá) de óleo de gergelim

2-3 colheres (chá) de vinagre de arroz

2 colheres (sopa) de molho de soja (shoyu)

1-2 pitadas de açúcar mascavo

1 raiz de gengibre freco (3 cm)

1 molho de capim-limão

sal

2 colheres (sopa) de sementes de gergelim

1/2 molho de cebolinha

2 colheres (sopa) de creme de leite

1 colher (chá) de molho sambal ( ou outro molho de pimenta).

Modo de preparo:

- Corte a vitela cozida em tiras finas e coloque-as numa tigela. Lave a couve-chinesa e agite as folhas para que sequem. Em seguida, corte-as em tiras finas.

- Escorra os brotos de bambu e corte-os em tiras finas. Lave as vagens, retire os fiapos e corte-as diagonalmente em tiras. Misture as verduras com a carne.

- Coloque numa tigela os óleos de girassol e de gergelim, 2 colheres (sopa) do vinagre, o molho de soja e o açúcar. Descasque o pedaço de gengibre e pique-o bem. Descarte as partes duras do capim-limão e pique as partes macias.

- Junte o gengibre e o capim-limão à tigela. Misture tudo e, se preciso, tempere o vinagrete com um pouco de sal. Derrame sobre os ingredientes da salada e misture com cuidado.

- Torre levemente as sementes de gergelim em uma frigideira sem óleo. Coloque num prato e deixe esfriar. Lave e seque a cebolinha e corte-a em pequenos anéis. Para fazer o creme, misture o creme de leite com o sambal ou molho de pimenta e tempere com sal.

- Se quiser, tempere a salada com mais sal, açúcar e vinagre. Distribua em pequenas tigelas. No meio de cada porção, sirva um pouco de creme e polvilhe com as sementes de gergelim e a cebolinha.

Como preparar o capim-limão

- Descarte a raiz e as camadas externas, fibrosas, do talo de capim-limão.

- Corte também as pontas fibrosas dos talos, pois não são comestíveis. Lave o talo de capim-limão e seque com papel-toalha.

- Pique ou corte as partes internas macias e suculentas em pequenos pedaços. Quem preferir, pode triturá-las num pilão até formar uma pasta.

Caviar de berinjela servido com Pão Sueco

Foto: Alessandra Pimentel

Rende 20 porções

Ingredientes:

2 berinjelas;

1 dente de alho picadinho;

limão siciliano (somente o suco);

2 colheres de azeite;

1 colher de sopa de iogurte Grego;

Sal e pimenta cayenne;

20 folhas de menta;

1 colher de chá de páprica;

Pão Sueco Pinheirense

Preparo: Com um garfo, fure várias vezes as berinjelas e coloque-as no forno, até que seu interior fique macio. Espere esfriar e, em seguida, retire sua polpa. Tente tirar o máximo de líquido, espremendo com as mãos; coloque a berinjela, o alho, limão, azeite e o iogurte no processador, até que se obtenha um patê. Adicione sal e pimenta a gosto. Decore com a menta e a páprica e sirva com o Pão tipo Sueco Pinheirense.

Faça você mesmo: vinagres de framboesa, de ervas e de flor de sabugueiro

Desde os primórdios da civilização, o vinagre já era usado como conservante e tempero de alimentos e, ainda, como remédio para diversos males. Em sua produção, líquidos fermentados e açucarados, como o vinho ou a sidra, “estragam” ( bactérias presentes nesses líquidos transformam o álcool em ácido acético).

Para a produção de vinagres de qualidade, são indispensáveis excelentes ingredientes e um longo tempo de maturação. O vinagre confere à salada, em combinação com o óleo certo, um sabor especial.

Faça você mesmo alguns tipos especiais de vinagres:

Vinagre de framboesa: 250 g mais um punhado de framboesas frescas; 1 litro de vinagre de champanhe ou de vinho branco com teor de acidez de 7%; 1 colher (sopa) de mel.

Lave e seque os 250 g de framboesas; coloque-as em uma panela e amasse-as levemente. Adicione o vinagre e o mel e aqueça a 40°C. Ponha a mistura em um copo ou garrafa grande de vidro e vede com um tampão feito de gaze. Reserve por 14 dias em local escuro e não muito frio, agitando de vez em quando. Passe a mistura primeiramente por uma peneira bem fina e, em seguida, filtre em uma toalha de musselina. Coloque em um frasco e, antes de fechá-lo, adicione o punhado de framboesas frescas bem lavadas. Guarde em local fresco e escuro.

Vinagre de ervas: 3 ramos de manjericão; 2 ramos de tomilho; 3 ramos de manjerona; 1 ramo pequeno de alecrim; 3 ramos de salsa; 1 ramo de tomilho-limão; 1 colher (sopa) de grãos de mostarda; 6 grãos de pimenta-do-reino; 1 litro de vinagre de vinho tinto ou branco ( 7% de acidez).

Lave as ervas e seque cuidadosamente com papel-toalha. Coloque-as com os grãos de mostarda e pimenta-do-reino em um ou mais frascos bem lavados. Cubra com o vinagre e feche bem o frasco. Guarde em local escuro e não muito frio por 3 a 4 semanas.

Vinagre de flor de sabugueiro: 8 flores de sabugueiro; sal; 1 litro de vinagre de vinho branco; 250 ml de vinho branco; 100 g de açúcar.

Mergulhe as flores de sabugueiro em água com bastante sal por 3 a 4 minutos. Retire-as, lave-as e deixe secar sobre papel-toalha. Aqueça o vinagre, o vinho branco e o açúcar em uma panela grande. Coloque as flores de sabugueiro em um frasco e cubra-as com a mistura do vinagre. Feche bem o frasco e reserve por, no mínimo, 2 semanas.

Receita: bife grelhado com salsa verde

Foto: Alessandra Pimentel

Ingredientes: Pão tipo Sueco Pinheirense; 15 g de salsa; 10 folhas de manjericão; 10 folhas de menta; 1 dente de alho picado; 1 colher de chá de mostarda Dijon; 1 colher de sopa de alcaparras; 2 filés de anchovas ( sem óleo); 2 colheres de azeite; sal e pimenta-do-reino a gosto; 350 g de filet mignon, com 1,5 cm de grossura; usar simples cortadores de pastelaria.

Preparo: 

Salsa verde: colocar todos os ingredientes em um processador e pulsar até obter uma consistência de purê.

Cortar o bife na espessura de 1,5 cm, adicionar sal e pimenta a gosto; grelhar cada lado da carne durante 3 minutos.

Coloque o bife no topo do pão tipo Sueco da Pinheirense, adicione a salsa e sirva imediatamente.