Deficiência de vitamina C e infarto

A vitamina C é um antioxidante capaz de anular a ação dos radicais livres, protegendo o organismo da contaminação do meio ambiente, além de diminuir o envelhecimento precoce. Além disso, melhora a imunidade, traz benefícios à pele, fortalece os ossos, aumenta a absorção do Ferro, é um aliado no combate ao estresse, etc. 

Mas o que muita gente ainda desconhece é a relação da deficiência de vitamina C e infarto. Isso mesmo. A debilidade dos vasos sanguíneos e a deterioração das paredes arteriais são as principais causas das enfermidades cardiovasculares, e estudos recentes concluíram que a vitamina C fortalece, e muito, as paredes dos vasos sanguíneos!

As principais conclusões dos estudos a respeito deste tema são de que produzimos placas que provocam entupimentos nas artérias pelo fato de não conseguirmos produzir a vitamina C, ao contrário dos demais animais, além de, nos dias atuais, a carência dessa vitamina e de outros nutrientes na dieta diária aumentarem os riscos de infarto. 

E antes que você sai correndo rumo à farmácia mais próxima, para comprar algum suplemento de vitamina C, saiba que, provavelmente, estará jogando seu dinheiro no lixo e sobrecarregando os rins. 

A ingestão adicional do nutriente só é recomendada em casos especiais- fumantes, atletas, pessoas expostas a frio intenso e aquelas com saúde debilitada ou em pós-cirúrgico. Se você não se encaixa nesses casos, nem tem prescrição médica para isso, deixe comprimidos e efervescentes de lado e corra para o mercado ou para a feira.

Veja aqui alguns cuidados que você deve ter ao preparar frutas, legumes e verduras para o consumo:

Descasque com cuidado: Perde-se nutrientes ao se retirar uma casca muito grossa, já que debaixo da pele há mais vitaminas do que no centro. O mesmo acontece quando se eliminam as folhas exteriores de algumas hortaliças verdes.

Não deixe de molho por muito tempo: Prepare verduras e frutas com a menor antecedência possível. Ao mantê-las de molho por mais de meia hora, pode ocorrer perda de vitaminas.

Evite cortar ou partir: Não faça isso com muita antecedência, para não deixá-los expostos.

Cozinhando em água: Parte dos nutrientes fica na água do cozimento. Reduza as perdas colocando os alimentos em água fervendo. E aproveite o caldo para fazer sopa ou arroz.

Panela de pressão é melhor: Como o tempo de cozimento é menor, há maior aproveitamento nutritivo dos alimentos.

No vapor é melhor ainda: Aqui não há perda de sais minerais e se perde muito pouco de vitaminas.

Grelhar é boa opção: Nesse tipo de preparo, as proteínas superficiais coagulam rapidamente, evitando a saída de água do alimento e, consequentemente, dos nutrientes;

Óleo abaixo de 175ºC: Sempre que possível, evite frituras. Mas se optar por fritar, use óleo quente até 175ºC. Não reutilize o óleo escurecido, o que indica degradação (coloque-o em uma garrafa PET e destine-o à reciclagem).

Ao triturar, consumir rápido: Quando trituramos, há aumento na perda de vitaminas, porque uma grande quantidade de oxigênio entra no alimento. Por isso, consuma purês ou sucos de fruta logo após serem preparados. Já o suco de laranja pode ser mais bem armazenado.

Praticidade do micro-ondas: A rapidez com que os alimentos são cozidos no forno de micro-ondas permite que os valores nutricionais não sejam prejudicados. E a radiação não produz efeitos nocivos sobre os alimentos.

Proteína C reativa alta: causas e prevenção

Produzida no fígado quando parte do corpo está inflamada, a Proteína C-reativa (PCR), ao alcançar níveis altos, pode elevar o risco de doença cardíaca mesmo que os níveis de colesterol estejam saudáveis.

A PCR alta é sinal de alerta de acúmulo de placas nas paredes arteriais. Os altos índices dessa substância são provocados, em grande parte, por infecções leves no corpo, como doenças na gengiva e outras irritações que indiquem que seu sistema imunológico está em uma batalha permanente. Esse é o problema da “inflamação crônica”.

Como os níveis de proteína C-reativa no sangue podem ser aumentados por várias doenças inflamatórias, a medicação tem valor limitado para o prognóstico do risco de doença cardíaca. Contudo, estudos mostraram que a redução da PCR desacelera a evolução da arteriosclerose. Por isso, vale muito a pena manter os níveis baixos.

Confira as três principais maneiras de “domar” a sua PCR:

Escove os dentes, use fio dental e enxágue a boca: até pequenas áreas com gengivite provocam o aumento nos níveis de inflamação no corpo, aumentando as chances de infarto ou AVC. Estudos mostram que escovar os dentes com cuidado, usar bem o fio dental e bochechar com um enxaguante bucal ajudam a proteger também o sistema cardiovascular.

Prepare seus sanduíches com pão integral: a ingestão de 32 g de fibras por dia corta os níveis de PCR pela metade. Você também conseguirá isso se optar por cereais, feijões, lentilhas e macarrão integral, todos ricos em fibras.

Coma um punhado de nozes em vez de uma barra de chocolate: as nozes são ricas em fibras e “bons” ácidos graxos ômega-3, além de cortarem os níveis de PCR pela metade.

Amendoim: aliado da dieta e do coração

Ao contrário do que muitos imaginam, o amendoim não é da família da amêndoa, mas uma leguminosa de origem vegetal que traz diversos benefícios para a saúde. É uma fonte de proteína e rico em gorduras monoinsaturadas, que ajudam a reduzir o “mau colesterol” (LDL).

Uma porção de 30 g de amendoim contém 40 mcg (microgramas) de ácido fólico, ou 16% da Ingestão Diária Recomendada, além de boas quantidades de potássio, tiamina, niacina, vitamina E, fósforo, magnésio, cobre, selênio e zinco. O amendoim também possui resveratrol (a substância encontrada no vinho tinto), além de outros flavonoides e antioxidantes.

Status de Superalimento 

Quando consumido regularmente, o amendoim pode reduzir tanto o risco de doenças do coração quanto o de diabetes tipo 2 nas mulheres. Para as pessoas que desejam emagrecer, esse alimento também é um bom aliado, pois ajuda a saciar a fome, proporcionando uma sensação de saciedade por mais tempo do que alimentos à base de carboidratos.

Pão Pinheirense e pasta de amendoim integral

A pasta de amendoim é uma opção prática, saudável e saborosa que combina com diferentes alimentos. É muito consumida por atletas, pois apresenta uma boa concentração de proteína, gorduras boas, fibras, vitaminas, minerais e zero de açúcar! Ela pode ser usada tanto como um hipercalórico natural para auxiliar na hipertrofia, ou como supressor natural de apetite (em quantidades menores) para quem está em fase de definição.

Experimente o Pão Integral Pinheirense com pasta de amendoim! Você vai ter energia de sobra para o seu treino! Todos os produtos da Pinheirense são integrais, artesanais e isentos de conservantes.

Mais saúde: maximize a regeneração

Existem quatro estratégias para nutrir o sistema de reparo do corpo, ou seja, para rejuvenescê-lo e protegê-lo contra doenças. A saúde está em primeiro lugar, e quanto mais cedo nos conscientizamos e tomamos as medidas necessárias para preservá-la, melhor.

1ª estratégia – Mexa-se: Uma caminhada diária mais três sessões de treinamentos de força toda semana: a nova fonte da juventude. A atividade física liga o interruptor da juventude, sinalizando para o seu corpo ficar mais jovem enquanto repara, mantém e regenera. Os principais sistemas corporais beneficiados são: músculos, cérebro, coração, ossos.

2ª estratégia – livre-se do estresse: o cérebro das pessoas está programado para viver em grupo. Então, quando estamos isolados, nossos níveis de estresse aumentam. Para o nosso subconsciente, longos períodos de isolamento não são seguros nem naturais. Por isso, livre-se do estresse, conecte-se.

3ª estratégia – “Você é o que você come”: O seu corpo não conseguirá se regenerar com os alimentos errados. Toda vez que você come fast-food, açúcares, grãos refinados (pão branco, gordura trans e alimentos processados), está fazendo muito mal ao seu organismo, acelerando o envelhecimento do corpo e ficando mais vulnerável a diversas doenças. Dê preferência às proteínas magras, nozes, peixes e, em especial, às frutas e hortaliças ricas em antioxidantes.

4ª estratégia – livre-se do que te atrapalha: fumo, fumo passivo e excesso de bebida frustram a regeneração do corpo. Mas estudos provam que o sistema de reparação volta a funcionar na hora em que se cortam esses hábitos. Em minutos após parar de fumar, os pulmões e o sistema cardiovascular começam a reparar-se. A pressão arterial fica mais próxima do saudável em 8 horas. Em 24 horas, o risco de infarto começa a diminuir. Em um mês, os pulmões funcionam melhor. Mude seus hábitos. Respeite a sua saúde! É o bem mais valioso que possui.

Entenda as medidas de Pressão Arterial

O sangue não corre no corpo em fluxos contínuos, mas em jatos. Portanto, a pressão arterial é apresentada em dois números, como, por exemplo, 120/80. O número mais alto indica a pressão sistólica, a força máxima em que o coração contrai e bombeia uma certa quantidade de sangue na circulação.

O número mais baixo, a leitura diastólica, mede a pressão nas artérias nos momentos em que o coração está relaxado entre os batimentos. As unidades de medida de pressão arterial são em milímetros de mercúrio; isso mede basicamente o quanto a pressão do sangue consegue empurrar uma coluna de mercúrio em um tubo vertical.

Em geral, o médico usa um estetoscópio e um esfigmomanômetro para medir a pressão arterial. O manguito envolve o braço e é insuflado até interromper o fluxo sanguíneo. À medida que se libera a pressão, o médico ouve o som que indica as pressões sistólica e diastólica.

Caso a sua pressão em repouso seja consistentemente 140/90 ou mais alta, você tem pressão alta. A pressão arterial normal dos adultos é 120/80 ou abaixo disso. A hipertensão é classificada da seguinte forma:

Sistólica                                      Diastólica

Normal:                                   Inferior a 120                                  Inferior a 80

Pré-hipertensão:                           120 a 139                                       80 a 89

Estágio 1 da hipertensão:           140 a 159                                      90 a 99

Estágio 2 da hipertensão:          Superior a 160                           Superior a 100