Como a caminhada aperfeiçoa a memória

Não é segredo que a prática de atividades físicas traz inúmeros benefícios à saúde e à qualidade de vida, certo? O hábito de caminhar, por exemplo, reduz o inchaço das pernas e tornozelos, previne a obesidade e ajuda a emagrecer, melhora a circulação sanguínea, fortalece todos os músculos do corpo, melhora a ansiedade e o estresse, previne complicações cardiovasculares, etc. São muitos os motivos para aderir à essa prática.

Recentemente, uma nova pesquisa realizada em conjunto pela Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos, e a Universidade de Tsukuba, no Japão, provou que até exercícios de baixa intensidade e executados por um curto período de tempo podem contribuir para melhorar a capacidade cerebral. Isso mesmo!

Os neurocientistas pediram a 26 voluntários saudáveis, com pouco mais de 20 anos, que fizessem exercícios leves por 10 minutos, como ioga ou caminhada, antes de passarem por um teste de memória, que foi então repetido nos mesmos voluntários, sem o exercício.

Pelo monitoramento das atividades cerebrais dos participantes, descobriram que após a atividade física, o hipocampo — região importante no armazenamento da memória — e as regiões cerebrais envolvidas na lembrança vívida das memória, estavam com seu funcionamento aguçado.

Que tal começar o ano com o pé direito? Ou melhor, com os dois pés no chão? Bastam dez minutinhos de caminhada por dia para o seu corpo e sua memória sentirem os benefícios!

Pratique a caminhada nórdica

Se você quer fazer um exercício completo enquanto caminha, pense em praticar a caminhada nórdica, que usa bastões parecidos com os de esqui. Um esporte relativamente novo, criado no fim da década de 1990 como uma forma para treinar esquiadores finlandeses.

Usar os bastões é simples. Coloque um bastão no chão e impulsione o corpo com o bastão do mesmo lado. Quando for pisar com a perna esquerda, coloque o bastão do lado direito no chão e use o pé direito para impulsionar o corpo.

Estudos mostram que caminhar com bastões queima até 50% mais calorias do que as caminhadas rápidas normais, além de exercitar 90% dos músculos do corpo, graças à força abdominal e da parte superior do corpo exigida para baixar e levantar os bastões.

Uma vantagem para pessoas com dores nos joelhos e quadris é que parte da força da caminhada é transferida para os bastões e não para as articulações.

 

A caminhada contra o estresse

O título deste post ficou ambíguo, mas não por acaso… A caminhada contra o estresse é árdua e requer muito esforço, força de vontade e disciplina. Não basta colocar na cabeça que se quer levar uma vida sem estresse ou com o mínimo de aborrecimento possível. Transformar uma ideia, um ideal, em um hábito, colocá-los em prática, certamente, é a parte mais difícil.

Hoje, nos detemos a falar sobre o quanto a caminhada contribui para a redução e controle do estresse.

Uma vez irritado (a), aborrecido (a), todo esse estresse ativa uma enxurrada de compostos químicos projetados para você correr. O coração bate mais rápido e com mais força, os pulmões absorvem mais oxigênio, o fígado libera mais glicose para dar energia aos músculos e o sistema imune se prepara para possíveis lesões.

Ao ficar sentado, toda a energia fisiológica fica retida, sem ter para onde ir, o que causa danos a sistemas corporais importantes, prejudicando o sistema imune; contribuindo para a perda óssea, o enfraquecimento dos músculos e a arteriosclerose e, ainda, aumentar o nível de insulina, o que pode elevar o nível de gordura abdominal.

Mexa-se! Apenas 20 minutos de corrida ou step aliviam mais a ansiedade causada pelo estresse do que ficar sentado em um lugar silencioso durante o mesmo período de tempo.

A atividade física não somente reduz a ansiedade, mas ter um bom condicionamento atua como proteção contra os efeitos danosos do estresse, como a pressão alta.