Dias chuvosos: cuidados essenciais para dirigir com segurança

Em períodos chuvosos, a atenção dos motoristas deve ser redobrada. Vale, portanto, anotar algumas dicas para que seu veículo esteja em perfeito equilíbrio dinâmico na hora de pegar a estrada.

Começando pelos pneus, é crucial que eles estejam em bom estado, com as ranhuras profundas e bem definidas, além, é claro, de estarem sempre calibrados conforme a especificação do fabricante. O mesmo vale para o estepe. As rodas também devem estar alinhadas e balanceadas, para que o veículo aproveite ao máximo – e sem vibrações – o potencial de aderência dos pneus.

Observados estes procedimentos, é hora de verificar a cambagem e o caster de cada uma das rodas.

Camber é o ângulo vertical da roda quando o carro é observado pela frente ou por trás. Se a base das rodas estiver projetada para fora, o carro terá mais aderência para percorrer curvas e menos aderência para acelerar ou frear em linha reta. Se, por outro lado, os pneus estiverem perfeitamente perpendiculares ao piso, então o carro terá muita aderência para acelerações e frenagens, mas deverá se mostrar escorregadio em curvas. Aqui, mais uma vez o ideal é seguir a recomendação do fabricante, que para a maioria dos carros gira em torno de 1º de inclinação externa.

Já o caster se mede pela inclinação para frente ou para trás da linha central do pivô de sustentação da roda. Sua aferição rotineira é importante, porque ao subir em calçadas ou colher buracos em estradas, as rodas – principalmente as dianteiras – podem sofrer pequenos recuos, alterando negativamente o comportamento do carro. Se uma roda estiver mais recuada que a outra, a direção do veículo irá puxar para o lado mais recuado. E mesmo que as duas rodas estejam igualmente recuadas, ainda assim o carro irá perder estabilidade e sensibilidade.

Com estas questões resolvidas, vale observar também a distribuição de peso dentro do automóvel. Se possível, distribua os passageiros de maneira que um lado do carro não fique muito mais pesado que o outro. A distribuição da bagagem também pode ajudar nessa tarefa, e é sempre conveniente que as malas mais pesadas sejam colocadas ao fundo do porta-malas, próximas ao banco traseiro. Assim garante-se um comportamento mais neutro por parte do veículo quando percorrendo curvas acentuadas.

Por fim, tenha a certeza de que seu carro está freando de forma similar em todas as quatro rodas (experimente frear levemente numa linha reta e sem inclinações, para ver se ele guina ou puxa para algum dos lados), e jamais dirija próximo a outros veículos. Esteja atento a manchas de óleo ou à presença de lama na pista, avisando sempre a quem vem no sentido contrário, e às autoridades competentes sobre os riscos encontrados.

Seguindo estas medidas simples, e observando o estado de molas e amortecedores, você estará no caminho certo para curtir este e muitos outros feriados.

Combustível adulterado: como se proteger?

Dentre todos os problemas mecânicos aos quais um motorista pode vir a se sujeitar, o uso de combustível adulterado talvez seja o mais imprevisível e traiçoeiro, justamente por ser provocado deliberadamente pela má fé alheia. Ainda assim, algumas dicas podem ajudar a evitar ou minimizar os estragos causados por esta forma de corrupção que, infelizmente, se espalha por todo o território nacional.

Mantenha o tanque cheio

Problemas com combustível adulterado, na absoluta maioria dos casos, ocorrem quando o motorista se vê obrigado a abastecer fora de seu posto de confiança. Por isso, é interessante manter o tanque sempre cheio, especialmente antes de pegar a estrada. Na maioria dos casos será possível ir e voltar sem precisar abastecer. Já em viagens mais longas, procure evitar que o tanque fique abaixo da metade de sua capacidade. Assim, não apenas você terá maior autonomia para escolher o posto sem pressa, como também, em caso de adulteração, ainda poderá contar com meio tanque de combustível confiável, reduzindo possíveis danos à segurança.

Diga-me com quem andas…

Um local desconhecido, e nenhuma referência acerca de um posto confiável. E aí, como escolher um lugar seguro para abastecer?

Não há muito segredo aqui. O único jeito é prestar atenção à estrutura e, sobretudo, aos frequentadores do local. Postos de bandeira reconhecida são certamente uma boa referência, mas nem sempre representam uma garantia definitiva de qualidade. Na estrada, a presença e o fluxo de caminhoneiros geralmente é um bom sinal. Já em cidades, um bom movimento de carros com placas locais costuma ser um indicador bastante confiável.

Notou algo de estranho?

O carro vinha bem, mas pouco depois de abastecer começa a apresentar um comportamento estranho, fazendo barulho diferente, perdendo potência e funcionando de maneira irregular. O que fazer?

Bom, se você tinha ao menos meio tanque de combustível regularizado, então deverá ter condições de dirigir até o próximo ponto seguro para encostar o carro – e deve fazer isso o quanto antes. Diversas manipulações podem afetar o comportamento do carro. Desde a mais simples, adicionando álcool à gasolina, às mais prejudiciais, envolvendo a utilização de solventes e outras substâncias impróprias.

É importante parar o quanto antes, não apenas porque dependendo da contaminação o motor pode sofrer danos sérios em pouco tempo, mas também porque a diferença na densidade muitas vezes permite que os líquidos se separem dentro do tanque quando em repouso – facilitando tanto a eliminação das impurezas quanto o diagnóstico do problema.

Denuncie

Um bom mecânico saberá utilizar a mangueira de combustível para coletar uma amostra da gasolina. Na maioria das vezes, a manipulação é grosseira a ponto de ser vista a olho nu ou percebida pelo olfato. Nestes e em todos os casos em que haja certeza sobre o delito, é de suma importância que seja feita a denúncia junto aos órgãos competentes.