Fatores psicológicos e bruxismo

Geralmente, o problema está relacionado a fatores psicológicos, como o alto nível de tensão emocional, que acaba gerando ou intensificando o ranger e o apertar dos dentes. Tal comportamento pode causar desgastes dentários exagerados, mobilidade dental e perda de estrutura óssea alveolar, responsável por manter os dentes em posição normal dentro do arco dentários. Em casos extremos, o bruxismo pode provocar perda prematura dos dentes.

Na maioria dos casos, a perda do controle de tais hábitos parafuncionais é notada por pessoas próximas, que ouvem o ruído à noite ou observam alguma anormalidade na fala do indivíduo.

Nesse caso, é bom procurar um dentista, que irá produzir uma peça muito simples para uso interno, removível, conhecida como placa de mordida. A peça é adaptada ao maxilar superior, sendo inserida na boca pelo próprio paciente apenas na hora de dormir, não representando qualquer incômodo. Quando a causa do bruxismo ocorre devido a questões emocionais sérias, o indicado é também um tratamento psicológico.

A princípio, o bruxismo pode se desenvolver em qualquer pessoa. Sua incidência é bem comum, atingindo cerca de 60% da população. Apesar de serem mais frequentes em jovens, os idosos também podem sofrer deste mal.

Óleo de prímula: controle da TPM

O óleo de prímula é um santo remédio para as mulheres que sofrem com a TPM (tensão pré-menstrual). Extraído das sementes da planta medicinal Oenothera biennis L. (Onagraceae), um arbusto originário da América do Norte, é rico em um tipo de ômega 6 – o ácido gama-linoléico (GLA)-, considerado um ácido graxo essencial, já que não é produzido normalmente pelo corpo. Por interferir na produção de prostaglandinas inflamatórias liberadas durante a menstruação, esse óleo diminui as cólicas menstruais.

Atribui-se ao óleo de prímula diversos benefícios à saúde, com aplicações antiinflamatórias, controle das alterações emocionais, artrite reumatóide, dor no peito, eczema, osteoporose, colite ulcerativa, diabetes, alívio dos sintomas da tensão pré-menstrual, manutenção da elasticidade da pele, influenciam na liberação de neurotransmissores cerebrais, atuam positivamente na recuperação do tecido hepático danificado pelo uso abusivo do álcool, etc. Mas de todos estes efeitos, sem dúvida, o auxílio no controle da Tensão Pré-Menstrual, merece grande destaque.

Geralmente, o óleo de prímula é encontrado em forma de cápsulas. A dose diária recomendada fica entre 500 mg a 1000 mg, mas pode variar de pessoa para pessoa. Ao tomar o óleo de prímula, seria bom incluir também o consumo do ômega-3. Antes do uso, é aconselhável procurar orientação de um nutricionista, para indicar a dose diária. 

Síndrome do Intestino Irritável

A Síndrome do Intestino Irritável aflige cerca de 20% dos adultos e, normalmente, se caracteriza por contrações musculares anormais no intestino, resultantes de um excesso ou de uma escassez de líquidos no cólon. Os sintomas variam de pessoa para pessoa. Algumas têm diarreia, enquanto outras sofrem de cólon espástico, com surtos alternados de diarreia e de prisão de ventre, além de dores abdominais, cãibras, inchaço abdominal, gases e náusea, principalmente após as refeições. 

É comum que o estresse e a ansiedade excessiva piorem os sintomas da síndrome do intestino irritável. Dessa forma, vale muito a pena investir em técnicas de relaxamento, como a meditação. Exercícios físicos também podem contribuir significativamente para amenizar as crises.

O primeiro passo para aprender a controlar os sintomas da SII é identificar as causas, ou seja, os alimentos prejudiciais, assim como as situações de estresse que desencadearam o problema. Procure fazer várias refeições pequenas por dia em vez de refeições grandes; coma devagar; beba muita água; evite alimentos gordurosos, o açúcar e o álcool. 

Há muito tempo, a hortelã é usada para acalmar o trato digestivo. Para aliviar a SII, os adeptos da medicina alternativa recomendam a ingestão de uma a duas cápsulas de óleo de hortelã entre as refeições. Contudo, esse tratamento não é recomendado às pessoas que sofrem com o refluxo ácido.

Alimentação que afeta o humor

Nossos pensamentos, emoções, humores e atitudes, assim como nossas funções nervosas e musculares estão centrados no cérebro. Os tipos de alimentos consumidos, a quantidade, assim como a hora em que você os ingere também afetam seu humor. Comer pouco, mas com frequência, ao longo do dia, pode manter mais constantes os níveis de energia e o humor.

Pular refeições pode ter efeitos negativos, assim como fazer refeições grandes pode provocar sonolência e cansaço. Alguns pesquisadores acreditam que, além da química, ainda há mais fatores que afetem a conexão entre humor e alimentação. Associações aprendidas e sentimentos conhecidos que você tenha ao comer determinado alimento também teriam considerável influência. 

A substância encontrada em alimentos mais conhecida por alterar o humor é a cafeína, um estimulante presente no café, no chá, nos refrigerantes de cola e no chocolate. Uma xícara de café, por exemplo, pode manter-nos acordados, mas o excesso de cafeína causa palpitações, insônia e ansiedade.

O álcool é a segunda substância mais usada para alterar o humor. É uma substância depressiva que retarda certos processos fisiológicos, como a respiração, diminuindo o fornecimento de oxigênio ao sistema nervoso central. Na verdade, o álcool pode causar depressão, além de interferir no sono, causando irritabilidade e ansiedade.

Fadiga crônica: sintomas e tratamento

A Síndrome da Fadiga Crônica apresenta sintomas semelhantes aos da gripe, não possui causa aparente e cura comprovada. Fadiga persistente e debilitante, dores de cabeça, gânglios linfáticos sensíveis, dores musculares e fraqueza, dores de garganta, nas articulações, sono não reparador, dificuldade de concentração, exaustão pós-exercício, que dura 24 horas, e problemas de memória passageiros estão entre as principais queixas daqueles que sofrem com o problema. Também pode haver febre crônica ou febre baixa e constante.

De acordo com o critério de diagnóstico estabelecido pelos Centros para Controle e Prevenção de Doenças, a fadiga crônica e pelo menos outros oito sintomas não específicos precisam perdurar por no mínimo seis meses. Alguns estudos sugerem que predisposição genética, doenças infecciosas prévias, faixa etária, estresse e fatores ambientais tenham influência na história natural da enfermidade. Condições como hipoglicemia, anemia, pressão arterial baixa ou viroses misteriosas também são lembradas, mas a verdade é que as causas da síndrome da fadiga crônica são desconhecidas.

A recomendação é a de que a pessoa coma bastante massas, arroz, cereais e pães integrais para obter carboidratos complexos; frutas, legumes e verduras por conterem vitamina C; alimentos ricos em ácidos graxos essenciais como peixe, linhaça, nozes e sementes, óleo de canola e germe de trigo; alimentos salgados ( se tiver pressão baixa).

Reduza: cafeína, especialmente antes de dormir. Evite o consumo de álcool. A prática de atividades físicas e a manutenção do equilíbrio emocional também podem ajudar bastante.

Relaxe para dormir bem

A insônia transformou-se em um dos grandes males do mundo contemporâneo. Para muitos, as tensões e pressões que caracterizam o dia não terminam quando o sol se põe, dando origem a um clima de desassossego durante a noite.

Nem um corpo tenso, e tampouco uma mente conturbada, hão de se render à autossugestão, ou mesmo a uma ordem de dormir, simplesmente porque chegou a hora de fazê-lo, pois as angústias e sofrimentos físicos desconhecem relógios ou horários.

Exercício de relaxamento total

Deite-se de costas no chão com os braços comodamente estendidos junto ao corpo. Afaste, um pouquinho, um pé do outro e relaxe-os. Em seguida, inspire e expire fundo diversas vezes, bem devagar. À medida que cada parte do corpo for mencionada, deixe-a descontrair-se. Não se precipite em momento algum. Concentre-se nas palavras conforme forem sendo ditas em voz alta, e obedeça-as.

Feche os olhos e relaxe o corpo, a partir dos dedos dos pés. Tente relaxar todo o rosto. Espere que os dedos dos pés se descontraiam. Permita que os pés se separem e encontrem uma posição confortável. Relaxe os tornozelos. Relaxe a barriga das pernas. Relaxe os joelhos. Relaxe as coxas. Relaxe os quadris. Relaxe a cintura. Relaxe o tórax.

Relaxe os ombros. Permita que os braços se descontraiam. Relaxe os cotovelos. Relaxe os pulsos. Deixe as mãos se relaxarem. Separe os dedos e relaxe-os. Relaxe as costas. Relaxe o pescoço. Relaxe a cabeça. Liberte o couro cabeludo e deixe-o relaxar. Relaxe a testa. Relaxe os olhos. Relaxe o nariz. Relaxe as bochechas.

Descerre ligeiramente os lábios e relaxe-os. Deixe o queixo relaxado. Deixe o corpo inteiro afundar-se no chão.

Deixe de lado todas as suas preocupações. Esqueça-se daquilo que você precisa fazer e daquilo que deseja fazer. Esses planos não fazem parte de você neste momento. Você está livre de todas as inquietações e ansiedades. Pense apenas na profunda paz e no relaxamento que está sentindo agora.

Devaneie desse modo durante alguns minutos. Então, espreguice o corpo inteiro, bem devagar. Depois, ainda sem se apressar, sente-se.

Esse exercício de relaxamento total prepara tanto o corpo quanto a mente para o sono.

Você sofre de bruxismo?

Geralmente, o problema está relacionado a fatores psicológicos, como o alto nível de tensão emocional, que acaba gerando ou intensificando o ranger e o apertar dos dentes. Tal comportamento pode causar desgastes dentários exagerados, mobilidade dental e perda de estrutura óssea alveolar, responsável por manter os dentes em posição normal dentro do arco dentários. Em casos extremos, o bruxismo pode provocar perda prematura dos dentes.

Na maioria dos casos, a perda do controle de tais hábitos parafuncionais é notada por pessoas próximas, que ouvem o ruído à noite ou observam alguma anormalidade na fala do indivíduo.

O bruxismo também causa fortes dores de cabeça.

Nesse caso, é bom procurar um dentista, que irá produzir uma peça muito simples para uso interno, removível, conhecida como placa de mordida. A peça é adaptada ao maxilar superior, sendo inserida na boca pelo próprio paciente apenas na hora de dormir, não representando qualquer incômodo. Quando a causa do bruxismo ocorre devido a questões emocionais sérias, o indicado é também um tratamento psicológico.

A princípio, o bruxismo pode se desenvolver em qualquer pessoa. Sua incidência é bem comum, atingindo cerca de 60% da população. Apesar de serem mais frequentes em jovens, os idosos também podem sofrer deste mal.