Melatonina e qualidade do sono

Diversas pessoas sofrem com a insônia e suas consequências. Em meio a tantos medicamentos e técnicas que prometem resolver o problema, encontramos os suplementos de melatonina. Uma das funções deste hormônio, produzido naturalmente por diversos animais e plantas, é a indução ao sono. Sua ação e eficácia fizeram com que indústrias farmacêuticas lançassem sua versão sintética, amplamente vendida como suplemento em outros países, como Estados Unidos e Europa.

Mas você deve estar se perguntando: “Se meu corpo produz naturalmente este hormônio, por que preciso me preocupar com isso?” Bem, devido a fatores como a idade avançada, o estresse, a ansiedade, dentre outros, algumas pessoas têm a produção da melatonina comprometida.

As doses indicadas de melatonina variam de 1 mg a 3 mg por dia, mas somente o médico estará apto, para indicar corretamente a dose necessária para cada caso. Por se tratar de um hormônio natural, a melatonina não induz à dependência e nem perde o efeito após uso prolongado.

O uso excessivo ou irregular do medicamento causa dor de cabeça, náuseas e mal estar, sendo que é melhor respeitar a dose correta do que desenvolver outros sintomas que não devem existir com a medicação correta.

É normal, entretanto, algum desconforto inicial nos primeiros dias, que não devem persistir durante o uso prolongado, e precisam ser comunicados ao médico em casos de efeitos colaterais indesejados.

Além do benefício em casos de insônias e problemas de sono, sua ação antioxidante ajuda na recuperação de neurônios que foram afetados com a Doença de Alzheimer e acidentes vasculares cerebrais. A melatonina também auxilia o sistema imunológico, prevenindo doenças, como o câncer, e evitando a perda de memória.

Luzes acesas diminuem o efeito da melatonina – tanto  a natural, como  a consumida através de suplemento. Assim, deve-se ingerir as cápsulas de melatonina e apagar as luzes, de forma que seu organismo possa relaxar e aproveitar ao máximo os efeitos desse hormônio. O mesmo vale para luzes de computadores, celular , televisões, etc.

Probióticos e Prebióticos para cuidar da saúde

Muita gente se confunde, mas probióticos e prebióticos são coisas diferentes, e ambos são vitais para a saúde. Graças a eles, podemos melhorar a digestão e fortalecer o sistema imunológico, para combater tanto as infecções, como muitos outros tipos de doenças.

Probióticos: A Organização Mundial da Saúde define probióticos como micro- organismos vivos que, quando administrados em quantidades adequadas, têm um efeito benéfico sobre a nossa saúde.

- Consumir probióticos como leites fermentados também nos protegem contra muitas doenças. No entanto, ressaltamos o termo “fermentado”. O leite natural pode ser, em muitos casos, mais tóxico do que benéfico ao nosso intestino, porque o que faz, muitas vezes, é “inflamá-lo”.

- Estes micro-organismos exercem também a função de mecanismo imunológico na mucosa intestinal. O que eles fazem é evitar que os microrganismos patogênicos prejudiciais cresçam e se desenvolvam.

- Você pode se assustar um pouco por pensar que o nosso sistema digestivo é “colonizado” por uma gama de bactérias. Isso é o que conhecemos como microbiota intestinal, que, além de vital para nossa saúde, é muito sensível ao tipo de alimento que comemos, bem como ao estresse, doenças e muitos tipos de medicamentos.

-São bactérias intestinais que nos permitem estimular os sucos digestivos e as enzimas naturais para obter uma boa digestão. Recomenda-se sempre comer alimentos probióticos orgânicos ou silvestres.

Prebióticos: Os prebióticos são um tipo de carboidrato que serve como substrato para os probióticos. Eles são componentes que nossos intestinos não digerem, mas que servem como uma base estrutural para fornecer a força para esses micro-organismos vivos que nos protegem contra os elementos nocivos.

- Sua função é estimular o sistema imunológico, favorecendo o desenvolvimento de bactérias benéficas na flora intestinal e impedindo o crescimento de patógenos.

-Os prebióticos nos ajudam a absorver alguns minerais como o cálcio e o magnésio.

- Nos ajudam a reduzir os gases e facilitam o equilíbrio intestinal.

-Combatem a prisão de ventre e a doença inflamatória intestinal.

Os melhores probióticos que você pode consumir diariamente: 

- kefir

- chucrute

- iogurte

-sopa de missô

- chá de kombucha

- azeitonas

-chocolate escuro (cacau 70 % ou mais, ou o consumo de aproximadamente duas colheres de pó de cacau ou um quadrado da barra)

- ervilhas

- queijo cotagge

Melhores prebióticos:

-alcachofras

- raiz de chicória

-alho

- cebola

-alho-poro

-farelo de trigo

-farinha de trigo

-banana

Benefícios do óleo de coco

O óleo de coco emagrece, reduz o colesterol, acelera o metabolismo e controla diabetes. Descubra outros benefícios desta gordura do bem.

Aumenta o colesterol bom

O óleo de coco é eficaz para aumentar os níveis de colesterol HDL, que é conhecido como o colesterol “bom”. Pesquisas feitas com mulheres com obesidade abdominal mostraram que a HDL aumentou para aquelas que consumiram o óleo de coco. Em contraste, as mulheres que consomem óleo de soja apresentaram uma diminuição no colesterol HDL.

Diminui a sensação de fome:

Os triglicerídeos de cadeia média presentes no óleo de coco reduzem a sua sensação de fome, levando a uma redução espontânea da ingestão de calorias.

Faz bem para a pele:

Manter a pele hidratada faz parte de um dos benefícios do óleo de coco. Muitas mulheres já descobriram que ele é um hidratante maravilhoso para as pernas, braços e cotovelos. Você pode usá-lo em seu rosto também; embora isso não seja recomendado para pessoas com pele muito oleosa.

Ele também pode ajudar a reparar calcanhares rachados. Basta aplicar uma camada fina nos calcanhares na hora de dormir e calçar meias.

Combate infecções

O óleo de coco virgem tem fortes propriedades antibacterianas, que podem ajudar a combater infecções. Um estudo descobriu que ele ajuda a interromper o crescimento da bactéria intestinal Clostridium difficile, que é a responsável por causar diarreia grave.

Suas propriedades também são ótimas para combater várias outras bactérias e leveduras.

Cicatrização de feridas

Estudos feitos em ratos, cujas feridas foram tratadas com óleo de coco, mostraram uma redução dos marcadores inflamatórios, e o aumento da produção de colágeno, um componente importante da pele. Como resultado, as feridas foram curadas muito mais rápido.

Para acelerar a cicatrização de pequenos cortes ou arranhões, aplique um pouco de óleo de coco diretamente na ferida e cubra com uma bandagem.

Combate a candidíase

A Cândida albicans é um fungo responsável por infecções, que normalmente ocorrem em áreas quentes e úmidas do corpo, como a boca ou vagina.

O óleo de coco é um aliado ao combate da candidíase.

Melhora a saúde do fígado

A gordura saturada do óleo de coco protege o fígado de danos causados pelo álcool ou por toxinas.

Em uma pesquisa recente, observaram a diminuição nos marcadores inflamatórios do fígado, e um aumento da atividade das enzimas hepáticas benéficas. Por isso, tenha sempre ele por perto. 

Melhora a função cerebral

Os triglicerídeos de cadeia média (TCM) se transformam em cetonas, que podem atuar como uma fonte alternativa de energia para o seu cérebro.

Vários estudos têm encontrado benefícios impressionantes desse óleo para distúrbios cerebrais, incluindo epilepsia e doença de Alzheimer.

Protege o cabelo

Um estudo comparou os efeitos do óleo de coco, óleo mineral e óleo de girassol no cabelo. O óleo de coco pode ajudar a reduzir a perda de proteína do cabelo, quando aplicado antes ou após a lavagem. Este resultado ocorreu com os cabelos danificados e também saudáveis.

Isso porque o ácido láurico, o ácido gordo principal do óleo de coco, consegue penetrar a haste do cabelo de modo que a maioria das outras gorduras não pode.

Vacina da gripe: quem pode tomar

No último dia 23 começou a Campanha Nacional de Vacinação contra o Influenza, estratégia do Ministério da Saúde para diminuir o impacto da gripe em todo o país. O Dia D, considerado a data mais importante de mobilização nacional, está marcado para o dia 12 de maio.

Se você faz parte dos grupos de risco para complicações da doença, sua participação é primordial. A escolha desses grupos se deve ao fato de eles serem mais vulneráveis aos efeitos da gripe e sofrerem mais com seus sintomas e desdobramentos. A lista inclui:

  • Crianças de 6 meses a 5 anos
  • Pessoas com mais de 60 anos
  • Gestantes
  • Mulheres que deram à luz nos últimos 45 dias
  • Profissionais da saúde
  • Professores da rede pública e particular
  • População indígena
  • Portadores de doenças crônicas, como diabetes, asma e artrite reumatoide
  • Indivíduos imunossuprimidos, como pacientes com câncer que fazem quimioterapia e radioterapia
  • Portadores de trissomias, como as síndromes de Down e de Klinefelter
  • Pessoas privadas de liberdade
  • Adolescentes internados em instituições socioeducativas, como a Fundação Casa

A gripe é uma doença séria, que mata mais de 650 mil pessoas todos os anos, de acordo com um recente levantamento da Organização Mundial da Saúde (OMS). Além de causar aqueles sintomas clássicos — febre alta, nariz entupido, cansaço e dor no corpo —, ela está por trás de complicações como pneumonia e infarto.

Por que investir na Auto Hemoterapia

Em um mundo onde a indústria farmacêutica lucra bilhões, falar de tratamentos alternativos pode gerar muitos ataques. Antiga, empregada pela primeira vez em 1911, a Auto Hemoterapia estimula o aumento dos macrófagos, fortalecendo o sistema imunológico. Trata-se de um recurso terapêutico simples, que se resume em retirar sangue de uma veia e aplicá-lo no músculo.

O sangue é retirado no momento em que será aplicado no paciente e não recebe nenhum tratamento. A quantidade de sangue a ser aplicada depende da doença que deve ser tratada e pode variar de 5 mililitros a 20 mililitros. Cada braço só pode receber até 5 mililitros e cada nádega até 10 mililitros, segundo Luiz Moura. Quando o organismo recebe o sangue no músculo, o reconhece como um corpo estranho que é rejeitado pelo Sistema Retículo Endotelial (conjunto de células que ajudam na formação do sangue e também nos mecanismos de defesa). Com isso, aumenta a produção dos macrófagos que tem taxa normal de 5% e, com a aplicação, sobe para 22%. Esta taxa mais alta permanece por cinco dias e começa a declinar novamente para os 5%, por isso, deve-se fazer uma nova aplicação após uma semana.

A auto-Hemoterapia começou a ser pesquisada no início do século passado, e foi particularmente usada durante a Primeira Guerra Mundial, quando ainda não existia a penicilina e os antibióticos, e os soldados morriam, em sua maioria, devido a infecções hospitalares. Foi então que os médicos começaram a aplicar a auto hemoterapia, que reduziu drasticamente a taxa de mortalidade, nesses casos.

No processo de Auto Hemoterapia, quando o sangue do paciente é reintroduzido em seu próprio músculo, o sistema de defesa irá atacar o sangue, porque ele carrega vestígios da doença que já está instalada no organismo da pessoa. Este aparecimento súbito de resistência impulsionado pelo próprio organismo seria o responsável por combater a própria doença.

Segundo especialistas e defensores da área, a Auto Hemoterapia é capaz de curar diversas doenças. Em uma pesquisa realizada em busca de pessoas que disseram ter sido curadas através da terapia, as que mais foram citadas entre os pacientes foram:

  • Acne
  • Asma, Rinite, Bronquite e alergias
  • Psoríase
  • Doença de Crohn
  • Lupus
  • Artrite reumatoide
  • Cistos
  • Hipertensão
  • Hepatite C
  • Acidente Vascular Cerebral (AVC)
  • Poliomiosite
  • Escaras
  • Depressão
  • Amigdalite
  • Febre reumática
  • Gota
  • Disritmia e convulsões (epilepsia)
  • Dores e processos inflamatórios
  • Herpes
  • Distúrbios circulatórios e processos inflamatórios
  • Úlceras
  • Diabete
  • Hipertensão
  • entre outros
Saiba mais em: http://www.autohemoterapiabrasil.com/

Sinais e sintomas de deficiência de Vitamina D

Aproximadamente 80% das pessoas que vivem em um ambiente urbano são carentes em vitamina D. Além de fundamental para a saúde dos ossos, essa substância também age no coração, cérebro e no mecanismo de proliferação e inibição das células. É eficaz no fortalecimento do sistema de defesa do organismo, auxiliando no combate de doenças, como diabetes, hipertensão, esclerose múltipla e doença de Crohn, pois tem o poder de modular o sistema imunológico.

Fatores de risco comuns para a deficiência de vitamina D:

  • Ter a pele escura e não passar um tempo bom sob o sol.
  • Estar acima do peso ou obeso.
  • Viver longe do equador, onde há pouco sol durante o ano.
  • Sempre usar protetor solar quando sair (sim, protetor solar interfere na síntese de Vitamina D).
  • Passar a maior parte do tempo dentro de ambientes fechados.

Sinais e sintomas de deficiência de Vitamina D

-ficar doente ou contrair infecções com frequência;

- fadiga e cansaço;

- dor nos ossos e nas costas;

- depressão;

- dificuldades de cicatrização;

- perda óssea;

- perda de cabelo;

- dor muscular.

Como obter a Vitamina D

Para evitar a carência da substância é importante tomar de 15 a 20 minutos de sol ao dia. Braços e pernas devem estar expostos, pois a quantidade de vitamina D que será absorvida é proporcional à quantidade de pele exposta.

Todos os alimentos fontes de vitamina D são de origem animal porque as fontes vegetais não conseguem sintetizar a vitamina da maneira como os alimentos provenientes de animais. Até mesmo o salmão, alimento com as maiores quantidades da substância, apresenta somente 6,85% das necessidades diária de vitamina D em uma porção de 100 gramas. Sendo assim, tomar sol é fundamental para evitar a carência do nutriente.

Os suplementos de vitamina D podem ser utilizados em casos de constatação de carência da substância ou no tratamento de algumas doenças. A falta do nutriente é constatada após exame de sangue.

 

Benefícios da clara de ovo

A clara de ovo é composta por 90% de água e 10% de proteínas. Cerca de 55% das proteínas da clara de ovo são formados pela albumina, que é considerada uma proteína de alto valor biológico (ou seja, é muito bem aproveitada pelo organismo), e que tem papel fundamental na reconstrução das fibras musculares. Confira os demais nutrientes:

-Selênio: uma única clara contém 9% das necessidades diárias;

-Potássio (2%);

-Magnésio (1%);

-Riboflavina (vitamina B2): 9% das necessidades diárias;

-Ácido pantotênico (B5): 1%;

-Colina;

-Betaína;

-Folato.

A clara de ovo é uma fonte de proteína barata, com teor quase zero de gordura e atua na reparação, manutenção e desenvolvimento da massa muscular. Além disso, por impulsionar a produção de colágeno no organismo, ela minimiza a flacidez da pele. O alto teor de proteínas da clara aumenta a saciedade e permite um consumo menor de calorias durante a refeição e ao longo do dia.

As claras também são uma alternativa saudável para quem adora ovo, mas está preocupado com os níveis de gordura da dieta.

Previna-se das infecções que mais ameaçam brasileiros em 2018

São seis as infecções que mais ameaçam os brasileiros em 2018: a febre amarela, dengue, zika e chikungunya, Hepatite A, sífilis, gripe e sarampo. Conheça as causas dessas doenças, e saiba como preveni-las:

Dengue, zika e chikungunya: devido a tamanha urbanização, de nada adianta tentar exterminar o mosquito transmissor dessas doenças – o Aedes aegypti. É importante combater a proliferação, descartando redutos de água parada, e minimizando o contato com o mosquito, por meio de repelentes e telas nas casas.

• Evite deixar água parada em locais propícios para a multiplicação dos mosquitos, como latas, copos plásticos, pneus, vasos de plantas, garrafas ou caixa d’água.
• Não deixe que a água da chuva se acumule nestes locais.
• Lixos devem ficar bem tampados.
• O uso de repelenteé uma ótima forma de afastar as picadas.
• Instalar redes de proteção nas portas e janelas da sua casa também pode evitar a presença do mosquito transmissor.

No caso da zika, o tratamento é de acordo com os sintomas e baseado no uso de paracetamol para febre e dor, sob orientação médica. Em relação à chikungunya, além do uso de medicação para a febre (paracetamol), entram em cena os anti-inflamatórios, para controlar as dores articulares. Em ambos os casos, não é recomendado usar o ácido acetil salicílico (AAS), devido ao risco de hemorragia. E é preciso fazer repouso absoluto e beber líquidos em abundância.

Febre Amarela: doença infecciosa grave, causada por vírus e transmitida por vetores. Geralmente, quem contrai este vírus não chega a apresentar sintomas ou os mesmos são muito fracos. As primeiras manifestações da doença são repentinas: febre alta, calafrios, cansaço, dor de cabeça, dor muscular, náuseas e vômitos por cerca de três dias. A forma mais grave da doença é rara e costuma aparecer após um breve período de bem-estar (até dois dias), quando podem ocorrer insuficiências hepática e renal, icterícia (olhos e pele amarelados), manifestações hemorrágicas e cansaço intenso.

Prevenção: Como a transmissão urbana da febre amarela só é possível através da picada de mosquitos Aedes aegypti, a prevenção da doença deve ser feita evitando sua disseminação. Os mosquitos criam-se na água e proliferam-se dentro dos domicílios e suas adjacências. Qualquer recipiente como caixas d’água, latas e pneus contendo água limpa são ambientes ideais para que a fêmea do mosquito ponha seus ovos, de onde nascerão larvas que, após desenvolverem-se na água, se tornarão novos mosquitos.

Portanto, deve-se evitar o acúmulo de água parada em recipientes destampados. Para eliminar o mosquito adulto, em caso de epidemia de dengue ou febre amarela, deve-se fazer a aplicação de inseticida através do “fumacê”. Além disso, devem ser tomadas medidas de proteção individual, como a vacinação contra a febre amarela, especialmente para aqueles que moram ou vão viajar para áreas com indícios da doença. Outras medidas preventivas são o uso de repelente de insetos, mosquiteiros e roupas que cubram todo o corpo.

Hepatite A: O vírus da hepatite A é transmitido de pessoa doente para pessoa saudável, ou através de alimentos ou água contaminada. Por essa razão é mais comum em lugares com saneamento básico insuficiente. Com relação aos alimentos, os frutos do mar são especialmente propícios a transmitir a hepatte A, principalmente os moluscos que retém muita água e podem hospedar o vírus.

Existe vacinação contra a hepatite A, mas uma série de medidas, principalmente, de higiene são importantes formas de prevenção da doença. Entre elas, estão:

  1. Lavar bem as mãos antes e depois de usar o banheiro e ao cozinhar.
  2. Lavar os alimentos, antes do consumo.
  3. Cozinhar bem os frutos do mar e evitar comê-los crus ou mal cozidos.
  4. As medidas de higiene devem ser redobradas, caso existam infectados morando na mesma residência e também em ambientes como creches, escolas, restaurantes, etc.
  5. Só consumir água filtrada, fervida ou mineral (em garrafa).
  6. Evitar exposição à águas potencialmente contaminadas, como riachos, valões, ou lugares com esgoto à céu aberto.
  7. Evitar comer em ambientes nos quais não se sabe a procedência e modo de preparo dos alimentos.
  8. Conferir se os salões de beleza estão esterilizando os kits de manicure, antes de fazer qualquer procedimento, ou leve os próprios instrumentais.
Sífilis: Lesões duras, mas nem sempre doloridas nos órgãos genitais são o primeiro sintoma da sífilis. Chamadas de cancros, elas geralmente aparecem nos genitais, mas podem ocorrer também no ânus, na pele, na gengiva, na palma das mãos e na planta dos pés. Mesmo sem tratamento, essas lesões costumam desaparecer em alguns dias, mas a doença continua ativa no organismo e pode provocar outros sintomas: manchas avermelhadas na pele e nas mucosas (sífilis secundária) e alterações no sistema nervoso central (sífilis terciária).
A sífilis é uma doença infectocontagiosa, sexualmente transmissível, causada pela bactéria Treponema pallidum. Pode também ser transmitida verticalmente, ou seja, da mãe para o feto, por transfusão de sangue ou por contato direto com sangue contaminado. Se não for tratada precocemente, pode comprometer vários órgãos como olhos, pele, ossos, coração, cérebro e sistema nervoso.
Prevenção: O uso de preservativos durante as relações sexuais é a única maneira de prevenir a doença.
Gripe: o vírus da gripe H3N2 já é o de maior circulação nos EUA, em 2018. Esse subtipo do vírus é particularmente perverso e já está amplamente difundido. E as atuais vacinas contra a gripe parecem incompatíveis a ele. Na Austrália, por exemplo, onde a temporada de gripe começa mais cedo, estima-se que as vacinas foram eficazes em apenas 10% dos casos.
A circulação global de pessoas é uma das hipóteses para explicar as quase 2 mil mortes em 2016 por H1N1, um subtipo do Influenza A, no nosso país. Esse agente teria pegado carona em viajantes no início daquele ano, e alastrando-se antes da campanha de vacinação, provocou um ataque-surpresa.
Além da vacina contra a gripe, há medidas de prevenção que podem e devem ser seguidas:
- Proteja o nariz e a boca. Cubra-os enquanto espirra ou tosse e use lenços descartáveis.
- Evite tocar a boca e o nariz.
- Lave as mãos com água e sabão e use álcool gel 70% regularmente, especialmente depois de tocar o nariz e a boca ou superfícies que possam estar contaminadas.
- Melhore a circulação de ar abrindo as janelas.
- Evite ficar por muito tempo em locais com grande aglomeração de pessoas.
- Mantenha hábitos saudáveis: coma bem, durma bem e faça exercícios.
Sarampo: Primeira do mundo a ser declarada livre do sarampo, a América agora tem oito países com notificação da doença. Em 2017, eram quatro. Foram 185 casos só nos três primeiros meses de 2018, diz a Organização Mundial de Saúde. No mesmo período de 2017, a OMS registrava 22 casos (mais muitos casos na Venezuela ainda não tinham sido confirmados). Nesse ano, a Venezuela apresenta a maioria das notificações – 159. Em seguida, estão os Estados Unidos, com 11 casos. Depois, vem o Brasil, com oito casos importados da Venezuela. Os outros 5 países com casos são: Antígua e Barbuda (1 caso), Canadá (3), Guatemala (1), México (1) e Peru (1).
A transmissão ocorre diretamente, de pessoa a pessoa, geralmente por tosse, espirros, fala ou respiração, por isso a facilidade de contágio da doença. Além de secreções respiratórias ou da boca, também é possível se contaminar através da dispersão de gotículas com partículas virais no ar, que podem perdurar por tempo relativamente longo no ambiente, especialmente em locais fechados como escolas e clínicas. A doença é transmitida na fase em que a pessoa apresenta febre alta, mal-estar, coriza, irritação ocular, tosse e falta de apetite e dura até quatro dias após o aparecimento das manchas vermelhas.
A suscetibilidade ao vírus do sarampo é geral e a única forma de prevenção é a vacinação. Apenas os lactentes cujas mães já tiveram sarampo ou foram vacinadas possuem, temporariamente, anticorpos transmitidos pela placenta, que conferem imunidade geralmente ao longo do primeiro ano de vida (o que pode interferir na resposta à vacinação). As crianças devem tomar duas doses da vacina combinada contra rubéolasarampo e caxumba (tríplice viral): a primeira, com um ano de idade; a segunda dose, entre quatro e seis anos. Os adolescentes, adultos (homens e mulheres) e, principalmente, no contexto atual do risco de importação de casos, os pertencentes ao grupo de risco, também devem tomar a vacina tríplice viral ou dupla viral (contra sarampo e rubéola).

 

Benefícios da batata yacon

A batata yacon, que pode ser encontrada nas feiras e supermercados de todo o Brasil, apresenta diversos benefícios para a saúde. E um deles é contribuir no controle da diabetes. Mas como isso acontece?

O tubérculo é rico em um carboidrato chamado frutooligossacárico, que funciona em nosso organismo de forma parecida com as fibras. Em suma, as moléculas desse carboidrato não são “quebradas” com facilidade pelo nosso organismo. Sendo assim, sua absorção é mais lenta, o que resulta na liberação do açúcar no sangue em baixas quantidades, equilibrando, dessa forma, as taxas de glicose do organismo.

Selecionamos algumas receitas, que irão ajudá-lo (a) a incluir a batata yacon em sua dieta diária:

Batata de Yacon Sauté

Ingredientes: 1 batata yacon; 1 a 2 dentes de alho amassados ou picados; Fio de azeite.

Modo de Preparo:

Descasque as batatas yacon e, em seguida, corte em cubos médios; deixe tudo mergulhado na água. Esquente a frigideira e adicione fios de azeite. Coloque as batatas e o alho e deixe dourar. Polvilhe uma pitada de gersal por cima e sirva com azeite de hortelã ou outro de sua preferência.

Salada de batata yacon

Ingredientes: 400 gramas de Yacon; 300 gramas de alface americana cortada; 2 unidades de pepino japonês; 300 gramas de agrião; 12 unidades de tomate uva ou sweet grape; 10 unidades de azeitona preta sem caroço (opcional).

Modo de Preparo:

Higienize o yacon, os pepinos, a alface, os tomates e o agrião. Descasque o yacon e corte-o em quadrados pequenos. Reserve. Descasque os pepinos, fatie, reserve. Separe as folhas da alface americana e corte-as, reserve. Separe as folhas dos caules do agrião e reserve. Mantenha a salada na geladeira até a hora de servir.

Suco com batata yacon

Ingredientes: 1 batata yacon pequena ( 100 g) sem casca; 1 kiwi; suco de 2 laranjas.

Modo de preparo: 
Retire a casca da yacon somente na hora de preparar o suco, pois ela escurece rapidamente. No liquidificador, bata a batata com os demais ingredientes. Coe (se preferir) e beba em seguida.

Cuidado: muitos pães contêm azodicarbonamida

O título da matéria publicada na revista “Super Interessante” já denuncia: “Você está comendo sola de sapato no hambúrguer”. Isso porque muitas empresas utilizam uma substância chamada azodicarbonamida na fabricação de pães. Não por acaso, os sanduíches de muitos fast foods, por exemplo, têm gosto e cheiro estranhos. Link para a matéria completa: https://goo.gl/1muWbc

“O nome da substância responsável pela textura esponjosa é tão obscuro quanto sua utilização na indústria alimentícia: azodicarbonamida. O composto químico é um condicionador de massas e branqueador de farinhas que também é empregado na fabricação de tapetes de yoga, borracha para sola de sapatos, isopor e chinelos. É ele que dá resistência e leveza aos materiais.”

Ao comprar pães e sanduíches, tome cuidado, e certifique-se de que não está ingerindo essa substância, tão danosa para a saúde. Dê preferência aos produtos artesanais e isentos de conservantes e outros produtos químicos, como os da Pinheirense. Conheça os nossos produtos – pães integrais de forma e pães tipo Sueco. A receita original, da década de 1930, é mantida até os dias de hoje.