Ecoturismo: opção de lazer e alternativa de desenvolvimento sustentável

“Eu também quero a volta à natureza. Mas essa volta não significa ir para trás, e sim para a frente”. Este pensamento, do filósofo Friedrich Nietzche, poderia traduzir as propostas do ecoturismo, um segmento da atividade turística que preza pela integração e interação do homem com a natureza, de maneira harmoniosa e sustentável.

Para tanto, a educação ambiental é crucial para que os adeptos desta atividade causem o menor impacto possível ao meio ambiente e consigam, de forma responsável e consciente, interagir com os patrimônios naturais e culturais.

O ecoturismo preza pela prática sustentável, uma vez que este segmento demanda a conservação da biodiversidade e utiliza os recursos naturais, culturais e sociais de forma planejada e racional.

A correria, o estresse e o consumismo desenfreado são alguns exemplos que servem para ilustrar o modelo de vida atual. O ecoturismo surge como uma alternativa, uma fuga dessa realidade, que tem sido questionada por aqueles que se veem encurralados, sufocados, tamanho o vazio do cotidiano e a superficialidade das relações mantidas no dia-a-dia.

Através do ecoturismo, são transmitidas curiosidades e informações relacionadas à natureza, cultura e história local, proporcionando uma integração educativa e envolvente com a região visitada.

A expressão ecoturismo é nova, surgiu na década de oitenta e, desde então, tem chamado a atenção dos aspirantes a um estilo de vida mais saudável e dos interessados em manter uma atividade física junto à natureza. Além disso, empresários e profissionais do ramo de turismo perceberam as potencialidades desta atividade, que vem crescendo rapidamente em todo mundo.

Segundo a Organização Mundial do Turismo, enquanto o segmento cresce 7,5% ao ano, o ecoturismo cresce mais de 20% e, aos poucos, órgãos e instituições ligados ao setor foram criados.

O potencial de mercado do ecoturismo no Brasil é enorme e promissor, visto que o país é privilegiado pela riqueza de ecossistemas e de biodiversidade. Já foram identificados por aqui 96 polos de ecoturismo, distribuídos entre as cinco regiões brasileiras.

Tamanha generosidade natural proporciona múltiplas opções: caminhadas, cavalgadas, mergulhos, passeios de barco ou uma simples observação da natureza.

Quatro condições básicas são necessárias para que uma atividade se classifique como ecoturismo: respeito às comunidades locais; envolvimento econômico efetivo das comunidades locais; respeito às condições naturais e conservação do meio ambiente e interação educacional – garantia de que o turista incorpore para a sua vida o que aprendeu durante a visita, gerando consciência para a preservação da natureza e dos patrimônios histórico, cultural e étnico.

Semana Mundial do Meio Ambiente

Comemorada entre os dias 30 de maio e 5 de junho, a Semana Mundial do Meio Ambiente busca chamar atenção em relação à ação política dos povos e dos países para o aumento da preservação ambiental e da conscientização.

A ONU (Organização das Nações Unidas) almeja, nesse período, estabelecer e personalizar questões ambientais, possibilitando a cada indivíduo a percepção de sua responsabilidade e como se tornar um agente de mudança, apoiando formas de desenvolvimento justo e sustentável.

O meio ambiente engloba todas as cosias vivas e não vivas existentes na Terra, ou ainda em determinada região dela, que vem a afetar ecossistemas e a vida dos seres humanos. O meio ambiente é o conjunto de leis, condições, influências e da infraestrutura física, biológica e química que rege, abriga e permite a vida em todas as formas possíveis.

Objetivos:

- Redução da poluição;

- Redução do consumo de combustíveis não-renováveis pela sociedade;

- Desenvolvimento de fontes alternativas de energias, que são renováveis ou não poluem;

- Proteção de ecossistemas;

- Preservação de espécies em perigo de extinção;

- Estabelecimento de reservas naturais para proteção da biodiversidade e de ecossistemas dos quais a vida em nosso planeta depende;

- Conscientização para um consumo sustentável;

- Tratamento adequado de resíduos, por meio de reciclagem ou reaproveitamento.

Reduza, reutilize, recicle

Reduza, reutilize e recicle: adote essa abordagem tríplice e se surpreenda com a economia que fará. 

A preferência por produtos que precisam de pouca ou nenhuma embalagem é um modo fácil de reduzir o que entra em sua casa e o que acaba no aterro sanitário. Reutilizar em vez de jogar fora é econômico – além de ser divertido inventar maneiras criativas para reaproveitar artigos domésticos. E tudo o que você encaminhar para a reciclagem, retornará em outros produtos.

Dicas para reduzir o lixo:

-Experimente usar sacos de papel, em vez de plástico, para embalar frutas e legumes no mercado.

-Leve sacolas reutilizáveis com você quando fizer compras.

- Prefira produtos que venham com o mínimo de embalagem, que usem embalagens recicláveis ou que venham em recipientes recarregáveis e/ou retornáveis. Algumas lojas de produtos naturais até incentivam os clientes a levarem seus próprios recipientes.

-Prefira produtos que podem ser reutilizados, como baterias recarregáveis, em vez das opções descartáveis.

Lista de reciclagem

Podem ser reciclados:

-garrafas e potes de vidro: remova as tampas;

- Papéis: jornais, revistas, catálogos de telefone, envelopes, embalagens, papelão, caixas de pizza;

-Latas de aço;

-Latas de aço de aerossol;

-Tampas de aço de potes de geleia;

-Tampas de metal de garrafas;

-Latas de alumínio;

-Embalagens de leite e suco;

- Garrafas PET;

-Lixo de jardinagem ( primeiro, use como adubo).

Semana Mundial do Meio Ambiente

O Dia Mundial do Meio Ambiente, comemorado no dia 5 de junho, será lembrado em São Paulo com programação especial até o dia 7 de junho. A iniciativa inclui com destaque as cinco diretrizes de gestão na Secretaria do Meio Ambiente: conservação ambiental e restauração ecológica; redução da pegada ambiental: da produção e consumo sustentáveis à gestão eficiente de resíduos sólidos; vulnerabilidade ambiental e mudanças climáticas; gestão e conservação da fauna silvestre e licenciamento ambiental.

Confira a programação desta terça-feira, 02 de junho:

Diálogos de Educação Ambiental – Coordenadoria de Educação Ambiental

Ampliar a reflexão sobre Educação Ambiental no Sistema Ambiental Paulista e oportunizar momentos de diálogo com a academia (universidades).
Horário: 8h30 às 12h30
Local: Auditório Augusto Ruschi – SMA
Av. Professor Frederico Hermann Jr., 345 - Pinheiros
São Paulo – SP

Gincana nos Parques – Coordenadoria de Educação Ambiental

Intervenção no espaço, tendo em vista a melhoria da experiência de educação ambiental que o parque possibilita.
Temas abordados: Mobilização e intervenção no espaço
Local: Parque Polo Ecocultural Pedra Branca – SP
Av. Santa Inês, 3321, Jardim Peri
São Paulo – SP
Local: Parque da Juventude
Av. Cruzeiro do Sul, 2630 (ao lado do metrô Carandiru), Santana
São Paulo – SP

Cetesb

Inaugurações de Estações Automáticas de Monitoramento da Qualidade do Ar

João do Pulo e Vista Verde: instaladas em cumprimento à exigência do licenciamento ambiental de ampliação da PETROBRAS – REVAP.
Local: São José dos Campos – SP

Instituto de Botânica e Jardim Botânico

Programa Portas Abertas (Exposições)

A entrada do Jardim Botânico será gratuita neste dia e haverá programação especial com as seguintes atividades.
Abertura da exposição permanente: “A História do Botânico no Brasil.”
Local: Museu Botânico Dr. João Barbosa Rodrigues
Exposição “Água um bem precioso”
Local: Jardim Botânico – SP
Av. Miguel Stéfano, 3.031 - Água Funda
São Paulo – SP
Entrada gratuita

Instituto Florestal

SIMA – Semana Integrada do Meio Ambiente

Estação Experimental de São José do Rio Preto contribui na organização do evento e participará com um estande no dia 2 de junho, para divulgação das atividades e da missão do Instituto Florestal no estado, na região e no município.
Local: Praça Rui Barbosa – Centro
São José do Rio Preto – SP

Ambiente cultural

Local: Biblioteca Municipal
Rua Minas Gerais, 279  - Centro Avareense de Integração Social
Avaré – SP

Trilha “A cultura no ambiente”

Local: Horto Florestal
Rua Pernambuco, s/n – Ipiranga
Avaré – SP

Visita ao Aterro Sanitário Municipal

Local: Aterro Sanitário Municipal
Avaré/SP

Oficina pedagógica para professores “Por dentro da microbacia”

Local: E.E. Dona Benê de Andrade
Av. Paranapanema, 150 – São Luiz
Avaré – SP

Atendimento às escolas de educação infantil dando inicio ao Projeto Trilha do Beija-Flor

Local: Estação Ecológica Itirapina (214 km de SP, perto de Rio Claro)
Rua 8, s/n° – Santa Cruz
Itirapina – SP

Gincanas Ecológicas, oficinas de ecobrinquedos e plantio de mudas com as três escolas municipais e uma escola estadual situadas nas proximidades do Viveiro

Horário: das 8h às 17h
Local: Viveiro Florestal de Taubaté
Rod. Oswaldo Cruz – Km 14
Taubaté – SP

Zoo-SP (Fundação Parque Zoológico de São Paulo)

As apresentações didáticas e as apresentações no espaço “Vida de Bicho”

Apresentações em que educadores conversam sobre animais com o público. Durante esta semana, o tema abordado será “Meio Ambiente”.
Apresentações didáticas: 10h30, 11h30, 13h30 e 14h30.
Vida de Bicho: 11h e 14h.
Local: Zoológico de São Paulo
Av. Miguel Stéfano, 4.241 – Água Funda
São Paulo – SP

Fundação Florestal

Participação da UC no Festival da Mata Atlântica, com palestras, exposições, ações de limpeza da praia

Organização: Prefeitura de Ubatuba – Secretaria de Turismo
Local: APA Marinha Litoral Norte / Área de Relevante Interesse Ecológico (ARIE-SS)
Rua Esteves da Silva, 510 – Centro
Ubatuba – SP

Participação no Festival da Mata Atlântica, com palestras e trilhas

Local: PESM – Núcleo Picinguaba – Litoral Norte
Rua Esteves da Silva, 510 – Centro
Ubatuba – SP

Semana de diversas atividades com crianças, jovens e adultos. As atividades estão relacionadas com sensibilização para conservação e preservação da natureza

Local: PE Ilhabela (PEIb)
Praça Coronel Julião de Moura Negrão, 115 – Vila Centro
Ilhabela – SP

Palestras em escolas dos municípios abrangidos pela UC (Cananeia, Iguape, Ilha Comprida) com foco na preservação dos oceanos, oficina de mosaico de lixo.

Local: APA Marinha Litoral Sul
Rua Vladimir Besnard, s/n - Morro São João
Cananéia – SP

Palestra sobre a UC, sobre as bacias hidrográficas e visita a uma bacia.

Local: PE Restinga de Bertioga
Rua Gonçalo Da Costa, 140 – Centro
Bertioga – SP

Visita à estação de tratamento SABESP, plantio de espécies nativas, trilha da Água Branca, teatro de fantoches, exposição “Água e Vida”

Local: PE Ilhabela (PEIb)
Praça Coronel Julião de Moura Negrão, 115 – Vila Centro
Ilhabela – SP

Palestras; vídeos; trilha da Bica; trilha até o Mirante; atividades ao ar livre; dinâmicas

Local: PESM Curucutu
Rua Dom Sebastião Leme, 135 - Jardim Ivoty
Itanhaém – SP

Palestras sobre temas ambientais

Local: PESM Itariru
Estrada do Caracol , 410 - Caracol
Pedro de Toledo – SP

Exposição “ÁGUA”, circuito de atividades lúdicas/dinâmicas para escolas agendadas

Local: PE Cantareira – Núcleo Engordador
Av. Cel. Sezefredo Fagundes, (altura do nº 19.100) – Jardim Cachoeira
São Paulo – SP

Reduza o lixo!

Reduza, reutilize e recicle: adote essa abordagem tríplice e se surpreenda com a economia que fará. 

A preferência por produtos que precisam de pouca ou nenhuma embalagem é um modo fácil de reduzir o que entra em sua casa e o que acaba no aterro sanitário. Reutilizar em vez de jogar fora é econômico – além de ser divertido inventar maneiras criativas para reaproveitar artigos domésticos. E tudo o que você encaminhar para a reciclagem, retornará em outros produtos.

Dicas para reduzir o lixo:

-Experimente usar sacos de papel, em vez de plástico, para embalar frutas e legumes no mercado.

-Leve sacolas reutilizáveis com você quando fizer compras.

- Prefira produtos que venham com o mínimo de embalagem, que usem embalagens recicláveis ou que venham em recipientes recarregáveis e/ou retornáveis. Algumas lojas de produtos naturais até incentivam os clientes a levarem seus próprios recipientes.

-Prefira produtos que podem ser reutilizados, como baterias recarregáveis, em vez das opções descartáveis.

Lista de reciclagem

Podem ser reciclados:

-garrafas e potes de vidro: remova as tampas;

- Papéis: jornais, revistas, catálogos de telefone, envelopes, embalagens, papelão, caixas de pizza;

-Latas de aço;

-Latas de aço de aerossol;

-Tampas de aço de potes de geleia;

-Tampas de metal de garrafas;

-Latas de alumínio;

-Embalagens de leite e suco;

- Garrafas PET;

-Lixo de jardinagem ( primeiro, use como adubo).

 

Caixas de papelão: use e reuse

Os chineses inventaram o papelão no começo do século XV, prevendo, assim, há centenas de anos, a demanda de caixas para comida chinesa. Em 1871, o nova-iorquino Albert Jones patenteou a ideia de colar papel corrugado entre dois papelões para criar um material rígido o suficiente para ser usado na remessa de mercadorias.

Mas foi apenas em 1890 que outro americano, Robert Gair, inventou a caixa de papelão corrugado. As caixas eram pedaços planos de papelão previamente cortados e que se dobravam, transformando-se em caixas, exatamente como as caixas de papelão que conhecemos hoje.

Antes de dispensar caixas de papelão, pense em como elas ainda podem ser úteis e reutilizadas. Confira algumas dicas:

Proteção contra a poeira: mantenha a poeira longe de pequenos utensílios, ferramentas elétricas ou teclados, por exemplo. Corte as abas de uma caixa de papelão de modo que a mesma fique sobre o objeto, adorne-a ou cubra-a com papel adesivo e use-a como proteção contra poeira.

Faça um jogo americano de mesa: corte vários pedaços de 30 cm x 45 cm de papelão e cubra-os com papel adesivo colorido.

Armazene os enfeites de Natal: quando desmontar a árvore de Natal, embrulhe os enfeites em jornal ou papel de seda e guarde-os numa caixa de papelão vazia ou numa caixa de bebidas alcoólicas com divisórias. Neste caso, cada segmento da caixa tem capacidade para armazenar vários enfeites.

Garagem para carros de brinquedo: Vire de lado uma caixa de papelão grande e deixe as crianças usarem-na como “garagem” para seus veículos de brinquedo. Elas também podem usar caixas menores como garagem de carros, ônibus e caminhões em miniatura.

Faça um relógio de sol com papelão: é uma ótima maneira de mostrar às crianças a mudança da órbita solar com o passar dos dias. Pegue um pedaço de 10 x 10 cm de papelão e finque uma haste ao meio. Se necessário, aparafuse ou pregue uma tábua pequena à ponta da haste, para mantê-la na vertical. Coloque o relógio num local ensolarado. De hora em hora, peça às crianças que marquem onde a sombra da haste aparece no papelão. Verifique novamente no dia seguinte, e o relógio de sol parecerá preciso. Mas verifique uma semana depois, e as sombras não se alinharão às marcas nas horas certas. Quando, curiosas, as crianças tentarem descobrir o motivo, d ê a elas uma pista: a Terra está inclinada sobre seu eixo.