Enxaqueca: os alimentos que desencadeiam e os que previnem a dor

Muitos alimentos, aditivos e outros componentes alimentares podem causar enxaquecas, mas os fatores desencadeantes variam muito de uma pessoa para outra. Confira as causas mais comuns:

- Queijos envelhecidos, creme de leite e alguns derivados do leite.

- Alimentos fermentados, como picles, molho e pastas.

- Chocolate.

- Miúdos e carnes salgadas, secas, curadas, defumadas ou que contenham nitritos.

- Sardinha, anchova e arenque em conserva.

- Álcool, especialmente vinho tinto;

- Temperos e aromatizantes, principalmente adoçantes artificiais.

- Sulfitos usados como conservantes de vinhos e frutas secas.

- Glutamato Monossódico (GMS).

O que comer:

-Cenoura, gengibre, maçã e kiwi: alimentos antioxidantes que ajudam no bloqueio da síntese de prostaglandinas (substâncias responsáveis pelos processos inflamatórios).

-Arroz, frutas, nozes, queijo branco, iogurte, verduras, pães integrais, grãos e cereais, leite desnatado e carnes e peixes magros: proporcionam bem-estar, porque são fontes de carboidratos e triptofano, que estimulam a liberação de serotonina.

-Peixes de água fria, como salmão e sardinha: são ricos em ômega-3, substância que ajuda a evitar inflamações que provocam dores.

-Castanha-do-pará e amêndoa: ricas em selênio, atuam no sistema nervoso central e ajudam a diminuir a intensidade das crises.

-Ovo, espinafre, escarola, agrião, couve: alimentos ricos em vitaminas do complexo B, que são antioxidantes e favorecem as funções cerebrais.

-Aveia, feijão, batata, ervilha, sementes e tomate: possuem magnésio, substância que costuma faltar no organismo de quem tem enxaqueca.

Ervas para alívio da enxaqueca:

Tome uma ou duas cápsulas de camomila (matricária) para reduzir episódios de dores de cabeça. Doses regulares de camomila reduzem a frequência e a intensidade de enxaquecas e da náusea que a acompanha. Comece devagar, porque a camomila pode provocar reações alérgicas. Se você não tiver efeitos colaterais, pode seguir a ingestão indefinidamente.

APLV: alternativas para a fase de amamentação

A sigla APLV refere-se à alergia à proteína do leite de vaca. Assim como outras alergias alimentares, ela ocorre quando o sistema imunológico reage a proteínas presentes nos alimentos por considerá-las elementos estranhos. O organismo inicia a produção de células inflamatórias e/ou anticorpos específicos (IgE) para combater as moléculas invasoras, desencadeando um processo alérgico.

Entre os principais sinais desse tipo de alergia estão aqueles de ordem digestiva, a exemplo de falta de apetite, vômitos, diarreia e sangue nas fezes. Outros sintomas comuns são os cutâneos, que incluem urticária (placas vermelhas na pele), dermatite atópica, coceira e inchaço. Vale lembrar também dos problemas respiratórios que os pequenos alérgicos à proteína do leite de vaca costumam apresentar – entre eles estão chiado no peito, pneumonia e tosse.

Não há um medicamento específico que trate a APLV. A principal forma de aliviar os sintomas é seguir uma dieta livre dos itens que provocam a alergia. A boa notícia é que a maior parte dos casos tende a desaparecer até os 5 anos de idade.

Além de conhecer os derivados do leite, pais e mães de pequenos com essa alergia devem estar atentos a substâncias com nomes muitas vezes complicados e que contêm a proteína do leite de vaca. De acordo com a SBP, algumas das principais são: alfacaseína, betacaseína, caseinato, alfalactoalbumina, betalactoglobulina, alfalactoglobulina, aroma de queijo, lactulose e lactose presente em medicamentos.

Alternativas às mães que amamentam:

No blog de Katia Ouang (minhasdikas.com), a Nutricionista Mariana Del Bosco escreveu sobre  a Alergia a Proteína do Leite de Vaca. Dentre outras informações, a profissional em questão apresenta alternativas às mães que amamentam, oferecendo dicas importantes a respeito dos cuidados em relação à alimentação, para não prejudicar o bebê.

“É bem difícil seguir a dieta isenta de alimentos que contêm as proteínas do leite. O leite está amplamente distribuído em preparações culinárias e nos alimentos industrializados, sendo assim, além de cortar o leite e seus derivados da dieta é preciso cozinhar de forma segura e checar a rotulagem de todos os alimentos industrializados.

O sanduíche vai ser bem diferente do habitual.  A começar pelo pão. Não há garantias que o pão da padaria não tenha sido contaminado com algum produto com leite. Já houve caso de padaria que usa leite em pó na receita para que o pão fique mais macio. Pães industrializados, por serem processados em equipamentos que tem contato com lácteos, podem conter traços de leite. Cheque nos SACs das empresas, quais pães são seguros para consumo. Na wickbold, o pão australiano está liberado, assim como toda a linha Pinheirense. Sugiro adquirir a máquina de pão para fazer receitas absolutamente seguras, saudáveis e deliciosas.”

Por não serem industrializados, os pães PInheirense são indicados em casos de APLV.

Leia a matéria completa em: http://www.minhasdikas.com/2013/03/coluna-da-mari-aplv.html

Conheça benefícios da cúrcuma ( açafrão-da-terra)

A cúrcuma, também conhecida como açafrão-da-terra, açafroa, cúrcuma longa, gengibre amarelo, raiz de sol e turmerico, é uma planta herbácea da família do gengibre, originária da Ásia. Por possuir compostos com propriedades medicinais, oferece diversos benefícios à saúde. A curcumina é o ingrediente ativo principal da cúrcuma, que tem efeitos anti-inflamatórios, além de ser um antioxidante muito forte.

Por ser um poderoso anti-inflamatório, é muito efetiva para o tratamento de doenças inflamatórias como artrites, tendinites e machucados em geral. A planta também é um excelente purificador do sangue, ajudando a controlar o colesterol. Os chineses a usam nos seus tratamentos medicinais há mais de quatro mil anos e seu consumo é bastante seguro.

A maioria dos estudos sobre o açafrão mostra que seus benefícios à saúde ocorrem quando se consome uma dosagem superior a um grama por dia intercalado com as refeições. No entanto, é muito difícil chegar a este nível de consumo usando-o apenas como tempero dos alimentos.

Para obter seus efeitos completos, é preciso tomar um extrato que contenha quantidades significativas de curcumina. Já a absorção da mesma nos intestinos é potencializada ao ser consumida com pimenta do reino, gengibre ou azeite.

Pesquisas mostraram que o consumo diário de duas a três gramas de cúrcuma por um período de dois meses curou úlceras estomacais em até 75 por cento dos pacientes tratados.

Entre os principais benefícios da cúrcuma à saúde destacam-se:

- É um composto anti-inflamatório natural;

- aumenta drasticamente a capacidade antioxidante do organismo;

- reduz o risco de doença cardíaca;

- diminui os níveis de colesterol no organismo;

- melhora a função cerebral e diminui o risco de mal de Alzheimer;

- ajuda a prevenir e até mesmo a tratar alguns tipos de câncer;

- pacientes com artrite respondem muito bem à suplementação com curcumina;

- age na prevenção ao diabetes.

Sugestões de consumo: 

– Adicione cúrcuma ao ovo cozido da salada para dar-lhe uma cor amarela mais apetitosa;

– Misture o arroz integral com passas e castanha de caju e tempere com açafrão, cominho e coentro;

– Adicione a especiaria diretamente à couve-flor cozida no vapor, ou ainda faça um molho cremoso para acompanha-la adicionando açafrão e cebola seca a um pouco maionese, sal e pimenta.

– Cúrcuma é um ótimo tempero para incrementar as receitas que levam lentilhas.

– Dê aos molhos para salada um tom amarelo-alaranjado, adicionando um pouco de pó de açafrão a eles.

Dieta para tratar sinusite

Embora a nutrição não aja diretamente sobre a sinusite, algumas medidas alimentares podem ajudar bastante. Alguns pacientes com sinusite crônica dizem obter melhora após banirem laticínios de sua alimentação. As pessoas que desejarem experimentar essa abordagem devem consultar o médico, para saber se serão necessários suplementos ou um aumento de ingestão de alimentos ricos em cálcio, mas que não sejam derivados do leite.

Líquidos podem ajudar a diluir a secreção e estimular a drenagem: beba oito a dez copos de água; sucos, chás e sopas são ótimas pedidas.

Consuma muitas frutas, verduras e legumes frescos para obter vitamina C: frutas cítricas (além de seus sucos), uva e amora preta são úteis, já que também possuem bioflavonoides, pigmentos vegetais com propriedades anti-inflamatórias. Alimentos ricos em zinco estimulam o funcionamento imunológico e podem ter propriedades anti-inflamatórias: frutos do mar, carne, aves, leite, iogurte, feijão, nozes, sementes e grãos integrais.

Alguns alimentos são descongestionantes nasais naturais: entre eles estão o alho, a cebola, a pimenta e a raiz-forte. Ervas e temperos descongestionantes incluem gengibre, tomilho, cominho, cravo e canela.

Para alívio rápido, inale vapor ou cubra o rosto com toalhas quentes e úmidas, a fim de promover a drenagem e aumentar o fluxo sanguíneo na área. Chá quente ajuda a reduzir a congestão, pois contém teofilina, um composto que facilita a respiração, já que relaxa os músculos lisos das paredes do trato respiratório.

Ômega-3 não protege o coração

Ao contrário do que muitos de nós imaginávamos, as cápsulas de ômega-3, um dos suplementos mais procurados e vendidos sem prescrição médica, não trazem benefícios ao sistema cardiovascular.

O Instituto Cochrane, responsável pela investigação, aponta que não há evidências suficientes de que a ingestão de alimentos ricos em ômega-3, ou de suplementos desse ácido graxo essencial, faça bem ao coração. Em contrapartida, o ácido alfa-linolênico (ALA), tipo de ômega-3 encontrado nas sementes de chia e linhaça, é o único que pode atenuar os riscos de doenças cardiovasculares e arritmia cardíaca.

Apesar dessa nova revelação acerca do ômega-3, o seu consumo traz muitos outros benefícios à saúde, e não deve ficar de fora da sua dieta. O ômega-3 é um tipo de gordura poli-insaturada, muito benéfica ao organismo. É essencial, ou seja, o corpo não consegue produzi-la, devendo ser obtida por meio da alimentação ou de suplementos especializados.

As gorduras são importantes fontes de energia, conferem sabor aos alimentos e são primordiais para a absorção, no intestino, das vitaminas lipossolúveis- vitamina A, vitamina D, vitamina E e vitamina K.

Benefícios:

  • Tem ação anti-inflamatória.
  • Fortalece o sistema imunológico.
  • Contribui para uma pele saudável.
  • Auxilia no controle da pressão arterial.
  • Possui efeito antitrombótico, ou seja, inibe a agregação plaquetária, além de estimular a vasodilatação.
  • Protege a retina.
  • Melhora o desempenho cognitivo.
  • Auxilia no tratamento da depressão.
  • Ajuda a reduzir os níveis de colesterol e triglicérides no sangue.

Inverno: cuidados com a pele do bebê

Durante o inverno, muitos pais se perguntam como cuidar adequadamente da pele do bebê, que costuma ficar ressecada devido a diferentes fatores, e não somente à temperatura mais fria.

Bebês e crianças podem ter crises da chamada dermatite atópica, que se manifesta em qualquer parte do corpo e, principalmente, nas dobras do pescoço, joelhos e cotovelos, através de placas vermelhas e coceira. 

Nos recém-nascidos, a camada mais externa da pele – extrato córneo- é bastante sensível, e precisa ser protegida do frio intenso, da água muito quente e de certos tecidos e produtos.

Na hora do banho, os responsáveis devem evitar esfregar a pele do bebê e usar água muito quente. O uso de sabonetes antissépticos e de esponjas ou buchas vegetais também não é recomendado. O ideal é dar preferência a sabonetes cremosos, lavando principalmente axilas, genitais e pés, sendo que as outras áreas devem ser lavadas apenas com a espuma de outros locais do corpo. Além disso, é essencial usar produtos hidratantes específicos para a idade, mas não sem antes consultar o pediatra.

Usar roupas de algodão, em detrimento das de lã, sobretudo na primeira camada, que fica em contato direto com a pele, também ajuda a evitar o problema, bem como não descuidar da hidratação da criança.

Para evitar o ressecamento da pele, algumas crianças, principalmente as com eczema atópico, precisam ainda usar emolientes após o banho.

Nos primeiros meses de vida, o ideal é não usar nenhum shampoo ou creme na pele do bebê. A espuma de banho da Cetaphil, por exemplo, é indicada, e pode ser usada da cabeça aos pés. Além disso, o creme, também da Cetaphil Dermopediatrics, é indicado para hidratação do rosto e corpo, e pode ser utilizado desde o primeiro dia de vida.

Inverno 2018: prevenção e tratamento de alergias

Quem sofre com alergias típicas do inverno está familiarizado com sintomas como coriza, olhos inchados, coceira nasal, dentre outros. Saiba como prevenir e tratar esses incômodos recorrentes, através de métodos naturais: 

Inale os vapores do eucalipto: Ferva folhas secas de Eucalyptus globulus amassadas; deixe descansar de 4 a 5 horas e coe os pedacinhos de folhas antes de aquecer o líquido para ser inalado. Você também pode adicionar de 5 a 10 gotas de óleo de eucalipto à água fumegante.

Coloque o recipiente na ponta de uma mesa, sente-se, incline a cabeça sobre ele e cubra-a com uma toalha para formar uma “tenda”. Respire a fumaça por cerca de 10 minutos, tomando cuidado para não ficar perto demais do vapor. Seus pulmões ficarão limpos e você ainda ganha um tratamento facial de bônus.

Contra a bronquite: O aroma penetrante da raiz-forte ralada, acompanhado do cheiro ácido do limão, ajuda a dissolver o muco nos canais dos seios da face e dos brônquios. Para fazer um xarope para tosse, rale um pedaço de raiz-forte sem casca em um recipiente ( ou use-a já preparada). Em seguida, transfira 50 g da raiz-forte ralada para um recipiente menor. Junte 80 ml de suco de limão e misture bem. Beba 1/2 colher de chá da mistura de duas a três vezes ao dia. A ação expectorante deve provocar a tosse depois de cada dose, ajudando seus pulmões a se livrarem do muco.

Chá antialérgico: Para um chá antialérgico, esmague 2 a 3 colheres de chá de flores de camomila alemã, despeje 240 ml de água fervente, deixe descansar por 10 minutos, coe e beba de três a quatro vezes ao dia.

Cuidado: embora a camomila seja uma erva tradicional no combate à febre, ela pode agravar os sintomas de qualquer pessoa alérgica à tasna, também conhecida como erva-de-santiago, uma prima da camomila. Para as demais pessoas, o azuleno contido na camomila contém propriedades anti-inflamatórias, indicadas no tratamento de infecções do trato respiratório e alergias.

Rinite: Caso consiga urtiga fresca ( uma erva daninha comum em jardins), use luvas quando a colher e ao lavar as folhas. Adicione 120 g da folha a 6 xícaras de água fervente, reduza o fogo e cozinhe até a água ficar verde. Coe o líquido em peneira fina para um bule de chá grande.

Em épocas de rinite alérgica, beba uma xícara do chá de urtiga pela manhã e outra à tarde. Pode adoçar com mel.

Formas naturais para controlar a pressão alta

Hipertensão é uma doença democrática que acomete crianças, adultos e idosos, homens e mulheres de todas as classes sociais e condições financeiras. Popularmente conhecida como “pressão alta”, está relacionada com a força que o sangue faz contra as paredes das artérias para conseguir circular por todo o corpo. O estreitamento das artérias aumenta a necessidade de o coração bombear com mais força para impulsionar o sangue e recebê-lo de volta. Como conseqüência, a hipertensão dilata o coração e danifica as artérias.

Há quem pense que basta tomar os remédios para resolver o problema de pressão arterial elevada, contudo, promover algumas mudanças no estilo de vida é fundamental. Existem formas naturais que ajudam, e muito, no controle da pressão alta:

Alho: com ação analgésica, antibacteriana e expectorante, o alho consegue tratar aquela hipertensão arterial leve. Ele vem sendo usado desde a antiguidade por suas propriedades antimicrobianas e pelos efeitos benéficos ao coração e circulação.

Alimentos ricos em potássio: o potássio é um excelente diminuidor da pressão arterial, por ajudar a mandar o sódio embora do corpo. E há muitas formas de consumi-lo, já que está presente na abóbora, cenoura, feijão preto, inhame, lentilha, chicória, espinafre, vagem, abacate, rabanete, couve-flor, banana, laranja, maracujá, mamão e ameixa. Quando o potássio entra nas células, o sódio sai. Essa dinâmica garante o equilíbrio hidroelétrico do corpo.

Quem é adepto do sal light ou sal sem sódio (só com potássio) deve ficar atento. Médicos explicam que ele pode fazer muito mal para os que tomam remédios para controlar a pressão que são poupadores de potássio. O potássio em excesso faz com que os músculos percam a força e, como o coração é um músculo, pode causar batidas descompassadas ou até mesmo fazê-lo parar. O ideal é consumir o potássio por meio de alimentos naturais.

Alimentos com ômega 3 e 6: o brasileiro tem hábito de comer pouco peixe. Mas o salmão, arenque, cavala, atum e sardinha carregam ômega 3 e 6, que ajudam a retirar o excesso de gordura ruim do sangue. Com isso, a circulação flui melhor, ajudando a controlar a pressão arterial. Linhaça e chia também contêm esses ômegas. Lembrar de ingerir um pouco por dia faz bem à saúde.

Evite gorduras ruins da carne vermelha: não é preciso parar de consumir carne vermelha, mas prefira os cortes magros e os prepare grelhados, assados ou cozidos, já que gordura em excesso pode aumentar o colesterol e causar entupimento nos vasos, dificultando a circulação do sangue e aumentando a pressão arterial.

Use ervas para substituir o sal: que o sal dá um sabor especial a qualquer preparação é fato, mas ele também é o vilão para aumentar a pressão. Colocar menos sal e preencher essa lacuna com outros temperos como a cebola, salsa, coentro, orégano, cebolinha, louro ou limão ajudam a dar sabor à preparação. Experimente reduzir a quantidade de sal gradativamente. A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda que se ingira menos de cinco gramas de sal, o que equivale a menos de duas gramas de sódio. Fique atento aos rótulos dos alimentos ultra-processados.

Diga não a alimentos industrializados e dietéticos: embutidos, enlatados, salgados e refrigerantes sem açúcar costumam conter muito sódio, que aumenta a pressão por causa da retenção de líquidos.

Cistos mamários: tratamento e prevenção

Embora sejam comumente confundidos com tumores, de modo geral, os cistos não têm necessariamente relação com o câncer de mama. Os cistos simples são estruturas ovaladas ou arredondadas que apresentam líquido em seu interior e podem se apresentar em tamanhos diferentes.

Há cistos muito pequenos e praticamente imperceptíveis ao toque e, alguns, muito grandes, dolorosos, que chegam a causar uma diferença na superfície da mama. Nesses casos, é mais difícil diferenciá-los dos nódulos sólidos com base somente no exame clínico.

Em resumo, o cisto simples na mama pode ser definido como um caroço que não caracteriza o câncer de mama, nem aumenta o risco do seu aparecimento no futuro. É uma alteração mamária benigna, que acomete a maior parte das mulheres em idade reprodutiva e, geralmente, não apresenta sintomas, não sendo necessário nenhum tipo de tratamento específico.

Do ponto de vista oncológico (risco de ser câncer) apenas os cistos com conteúdo sólido podem ser preocupantes. Os cistos simples devem ser manejados de forma rotineira em relação à realização de mamografia e ultrassonografia mamária no que se refere ao rastreamento do câncer de mama, isto é, devem ser feitos anualmente. No entanto, podem necessitar de punção de agulha fina para evacuar o líquido, quando são muito grandes e se tornam perceptíveis, ou quando causam dor (também em função do grande volume).

Prevenção

Fibras: Os alimentos ricos em fibras não devem faltar em nenhum plano de alimentação, já que têm muitos benefícios para o corpo. Dentre os recomendados para prevenir o desenvolvimento de cistos nos seios estão:

  • Aveia
  • Leguminosas
  • Abacate
  • Pera
  • Maçã
  • Brócolis
  • Arroz integral
  • Pães integrais
Vegetais crucíferos: Esse tipo de verdura contém um composto chamado indol 3-carbinol, que pode contribuir para reduzir a capacidade dos estrogênios de se colar ao tecido mamário. Você pode escolher as seguintes:

  • Couve
  • Couve-de-bruxelas
  • Brócolis
  • Couve-flor
  • Nabo
  • Rabanete
  • Extrato de chá verde

Seu alto teor de antioxidantes contribui para combater a ação dos radicais livres que se acumulam no corpo e que estão associados ao desenvolvimento de tumores benignos e malignos.

É recomendável tomar uma xícara de chá verde por dia como um remédio natural para prevenir o câncer de mama.

Diminua o consumo de carboidratos:

Os tecidos mamários são sensíveis aos alimentos ricos em gordura e carboidratos refinados, já que os mesmos aumentam o estrogênio.

Ao produzir esses hormônios em excesso o tecido mamário se estimula e aumenta o risco de sentirmos dor, sofrermos de inflamações, cistos ou tumores.

Os alimentos que devemos evitar são:

  • Carnes processadas
  • Carnes vermelhas
  • Laticínios
  • Frituras e doces
  • Pão branco
  • Xarope de bordo
  • Bolos
  • Comidas rápidas e pré-cozidas
  • Molhos industrializados
Exame de rotina: quando cistos são detectados, é recomendável fazer o devido acompanhamento médico, realizando, ao menos uma vez por ano, o exame de ultrassonografia das mamas. Em alguns casos, a punção, para a retirada do (s) cisto (s) será indicada.

Como tomar medicamentos corretamente

Não é apenas a “letra de médico” que traz dúvidas e confusão às pessoas de todas as idades. Muitas vezes, ficamos sem saber ao certo como usar os medicamentos prescritos. Pode cortar drágeas e comprimidos ao meio? É melhor ingerir o (s) comprimido (s) com água, suco ou leite? Saiba a resposta para estas e outras perguntas comumente feitas pelos pacientes:

Posso cortar drágeas e comprimidos ao meio?

Melhor não, pois nada garante que as duas metades ficarão iguais. Isso só está liberado para aqueles comprimidos que possuem um sulco no meio. A prática, porém, deve ser orientada pelo médico.

E abrir cápsulas?

As cápsulas nunca devem ser abertas. A capinha serve para evitar que a droga seja atacada pelo suco gástrico. Se você tem dificuldades de deglutir, veja se não há outras apresentações do mesmo princípio ativo.

Com que líquido devo engolir?

Com água. Existem compostos que são sensíveis à acidez da laranjada ou do leite, por exemplo, e acabam se deteriorando prematuramente.

Posso engolir a seco, sem nenhum líquido?

Por mais que algumas pessoas tenham facilidade, não é muito indicado fazer isso. Há o risco de o comprimido grudar no esôfago e provocar uma grave irritação na parede desse tubo.

Beber álcool corta o efeito?

Álcool e remédios podem levar a uma sobrecarga do fígado quando consumidos em conjunto. Além disso, alguns fármacos têm seus efeitos potencializados ou neutralizados pelos drinques.

Devo tomar em jejum ou de barriga cheia?

A recomendação está escrita na bula. Certos medicamentos precisam do estômago vazio para funcionarem, enquanto outros causam até gastrite se não forem ingeridos juntamente com algum alimento.

E se eu tomar fora de hora?

O ideal é sempre respeitar o tempo prescrito. Se você esquecer, tome assim que lembrar. Caso tenham se passado muitas horas, comece a contar um novo intervalo a partir dali.