Como tomar medicamentos corretamente

Não é apenas a “letra de médico” que traz dúvidas e confusão às pessoas de todas as idades. Muitas vezes, ficamos sem saber ao certo como usar os medicamentos prescritos. Pode cortar drágeas e comprimidos ao meio? É melhor ingerir o (s) comprimido (s) com água, suco ou leite? Saiba a resposta para estas e outras perguntas comumente feitas pelos pacientes:

Posso cortar drágeas e comprimidos ao meio?

Melhor não, pois nada garante que as duas metades ficarão iguais. Isso só está liberado para aqueles comprimidos que possuem um sulco no meio. A prática, porém, deve ser orientada pelo médico.

E abrir cápsulas?

As cápsulas nunca devem ser abertas. A capinha serve para evitar que a droga seja atacada pelo suco gástrico. Se você tem dificuldades de deglutir, veja se não há outras apresentações do mesmo princípio ativo.

Com que líquido devo engolir?

Com água. Existem compostos que são sensíveis à acidez da laranjada ou do leite, por exemplo, e acabam se deteriorando prematuramente.

Posso engolir a seco, sem nenhum líquido?

Por mais que algumas pessoas tenham facilidade, não é muito indicado fazer isso. Há o risco de o comprimido grudar no esôfago e provocar uma grave irritação na parede desse tubo.

Beber álcool corta o efeito?

Álcool e remédios podem levar a uma sobrecarga do fígado quando consumidos em conjunto. Além disso, alguns fármacos têm seus efeitos potencializados ou neutralizados pelos drinques.

Devo tomar em jejum ou de barriga cheia?

A recomendação está escrita na bula. Certos medicamentos precisam do estômago vazio para funcionarem, enquanto outros causam até gastrite se não forem ingeridos juntamente com algum alimento.

E se eu tomar fora de hora?

O ideal é sempre respeitar o tempo prescrito. Se você esquecer, tome assim que lembrar. Caso tenham se passado muitas horas, comece a contar um novo intervalo a partir dali.

Hipoglicemia: sintomas e prevenção

A glicose, o açúcar do sangue, é a maior fonte de energia do corpo, além de ser a única forma de energia que o cérebro usa de forma eficaz. Durante a digestão e o metabolismo, o fígado converte todos os carboidratos e aproximadamente metade das proteínas de uma refeição em glicose, que é liberada no fluxo sanguíneo. Em resposta ao aumento dos níveis de glicose no sangue, o pâncreas secreta insulina adicional, que é o hormônio que capacita a célula a usar o açúcar para a produção de energia.

A hipoglicemia ( baixo nível de açúcar no sangue) ocorre quando a quantidade de insulina do sangue excede o que é necessário para o corpo metabolizar a glicose existente. Estes casos são comuns em diabéticos que tomam insulina demais, mas também ocorre em outras circunstâncias: excesso de consumo de álcool, ingestão exagerada de aspirina ou acetaminofena, betabloqueadores e algumas drogas antipsicóticas, ou então quando se desenvolvem tumores que secretam a insulina.

Dicas: 

-Consuma refeições pequenas que forneçam equilíbrio de proteína, de carboidrato e de gordura;

-controle refeições e petiscos que contenham somente carboidratos ( especialmente os açucarados);

-evite beber álcool sem comer;

-coma imediatamente um destes alimentos para elevar os níveis de glicose do sangue:

- 1/2 copo de qualquer suco de frutas;

- 1/2 copo de um refrigerante comum ( sem ser dietético);

- 1 copo de leite;

- 5 ou 6 balas;

- 1 ou 2 colheres de chá com açúcar ou mel.

DPCO e tabagismo

A doença pulmonar obstrutiva crônica, ou DPOC, é a obstrução da passagem do ar pelos pulmões provocada geralmente pela fumaça do cigarro ou de outros compostos nocivos, como a poluição e substâncias químicas. A doença se instala, depois que há um quadro persistente de bronquite ou enfisema pulmonar. O primeiro causa um estado permanente de inflamação nos pulmões, enquanto o segundo destrói os alvéolos, estruturas que promovem trocas gasosas no órgão.

O quadro é perigoso porque, além do potencial para interromper a respiração de vez, diminui a circulação de oxigênio no sangue e dispara substâncias inflamatórias pelo corpo todo. O risco de infarto e AVC dobra. Os portadores podem ainda sofrer com fraqueza muscular, raciocínio prejudicado e até ficarem mais sujeitos à depressão.

Prevenção

Pare de fumar: os cigarros são, sem dúvida, a principal causa da DPOC.

Siga a dieta mediterrânea: essa abordagem alimentar, com ênfase em frutas, hortaliças, óleos saudáveis, peixes e grãos integrais, pode reduzir em 25% as chances de você ter DPOC.

Resultado de imagem para dieta mediterranea

Mexa-se: a atividade física, em especial exercícios aeróbicos, como caminhar, pedalar e nadar, contribui para que os pulmões se tornem mais eficientes ao fornecer ao corpo o oxigênio necessário. Se você perde o fôlego com facilidade, está na hora de exercitar-se.

Respire de modo saudável: aprenda a respirar de forma mais profunda e menos frequente, usando principalmente o diafragma. Inspire pelo nariz, lenta e completamente. Grande parte do movimento deve vir do abdome; se apenas o tórax se mexer, a respiração está superficial demais. A expiração deve demorar o dobro do tempo da inspiração, e quanto mais você esvaziar os pulmões com expirações fortes, mais saudáveis e completas serão suas inspirações. A respiração profunda não só melhora o funcionamento do pulmão como também pode baixar a pressão arterial e promover o relaxamento, mesmo em tempos de estresse.

Insuficiência renal: causas e prevenção

A insuficiência renal pode ser uma reação temporária a um choque agudo ou ferimento, ou, ainda, um problema crônico, que requer tratamento imediato. Já a insuficiência renal aguda pode ter como causas infecções graves, queimaduras, diarreia ou vômito, envenenamento (incluindo efeitos colaterais de remédios ou suas interações), cirurgias ou danos e ferimentos nos rins.

A partir do momento em que o problema é resolvido, o funcionamento dos rins quase sempre se normaliza. A insuficiência renal crônica é uma consequência da hipertensão não tratada, diabetes mal controlado, ou da má-formação congênita. A insuficiência renal grave crônica ou em um estágio terminal requer diálise regular – tratamento no qual uma máquina retira as impurezas do sangue – ou sempre que possível um transplante de rim.

A relevância da alimentação na monitoração da insuficiência renal

As recomendações gerais envolvem a restrição de fósforo, potássio, proteínas e sal. A ingestão de líquidos precisa ser monitorada. Com pouco líquido, os eletrólitos acabam ficando desequilibrados; com líquido em excesso, a retenção provoca edema e problemas eletrolíticos, e contribui para a hipertensão, e até para a insuficiência cardíaca congestiva. As proteínas devem ser ajustadas conforme mudam a função renal, diálise ou níveis de estresse.

Estudos demonstram que se as proteínas são limitadas a aproximadamente 1 g por quilo de peso corporal por dia, o paciente em diálise receberá os aminoácidos essenciais, mas terá menor risco de danos futuros.

Como prevenir problemas na tireoide

Com forma bem parecida com a de uma borboleta, a glândula tireoide é localizada na parte anterior do pescoço, logo abaixo do Pomo de Adão. Reguladora da função de importantes órgãos como o coração, o cérebro, o fígado e os rins, ela produz os hormônios T3 (triiodotironina) e o T4 (tiroxina).

Quando a tireoide não funciona de maneira correta, pode liberar hormônios em quantidade insuficiente, causando o hipotireoidismo,  ou em excesso, ocasionando o hipertireoidismo. Nessas duas situações, o volume da glândula pode aumentar, o que é conhecido como bócio. 

Veja como prevenir problemas na tireoide:

Crie o hábito de comer peixe, principalmente de águas frias e profundas do oceano. Além de serem ricos em ácidos graxos ômega-3, são excelentes fontes de iodo, fundamental para o funcionamento da glândula tireoide, além de minerais como o selênio e o magnésio.

Minimize o consumo de açúcar e farináceos. Em se tratando de alimentação e tireoide, altos níveis de açúcar no sangue podem desregular o funcionamento da sua glândula tireoide.

Consuma alimentos ricos em iodo. Em pequenas quantidades, ele é necessário para a função da glândula tireoide, assim como o metabolismo das gorduras, produção de hormônios sexuais e uma série de processos bioquímicos. Cãibras musculares, dores de cabeça, depressão, pés frios, mãos geladas e ganho de peso podem ser sinal de deficiência dessa substância. Deficiências de iodo podem aumentar a suscetibilidade para doenças como o câncer de mama e a pólio.

Alguns alimentos ricos em iodo são: frutos do mar, sal não refinado, algas marinhas, caldo de peixe caseiro, manteiga (não margarina), abacaxi, alcachofra, aspargos e uma série de verduras de coloração mais escura. Para que possa ser utilizado pelo organismo, o iodo requer níveis adequados de vitamina A, que são obtidos através da ingestão de manteiga e gorduras de origem animal em moderação (de animais criados soltos, e não em cativeiro ou à base de ração).

Benefícios da massagem ayurvédica

Criada há mais de cinco mil anos, a massagem ayurvédica é conhecida como a mais completa e mais antiga técnica de massagem natural. Ao aliar métodos de Yoga e Ayurveda, desintoxica o organismo, reduz sintomas depressivos ou bloqueios emocionais, realinha a postura e previne doenças respiratórias, além de ser uma ótima fonte de rejuvenescimento e emagrecimento.

A massagem ayurvédica atua de modo profundo e abrangente na circulação em geral, seja sanguínea, linfática ou energética. Assim, promove o aumento da circulação periférica nos vasos capilares, o que reduz a pressão arterial e aumenta a oxigenação nos tecidos.

Esta técnica faz uso de óleos vegetais medicamentosos, que, geralmente, têm como base o óleo de gergelim. Este, após aquecido em um recipiente, é aplicado em temperatura morna na pele. A massagem é feita por meio de toques profundos e vigorosos, aumentando em até seis vezesa circulação linfática.

Importantes enzimas que compõem a linfa, como a histaminase, e neurotransmissores, como a serotonina, fundamentais para o relaxamento muscular e nervoso, são liberadas em profusão durante a massagem. A abhyanga nutre os sete dhatus – tecidos -, reequilibra os doshas – Vata, Pitta e Kapha  , fortalece o sistema imunológico, ajudando o indivíduo a criar resistência e flexibilidade internas para se defender e se adaptar às mudanças e intempéries.

Azia: controle e prevenção

A maioria das pessoas como rápido demais e, ao fazer isso, absorve muito ar juntamente com o alimento, o que contribui para distender o estômago e gerar arrotos – que também forçam o estômago a jogar o conteúdo para cima.

Experimente comer bem devagar. Você irá ingerir menos calorias, pois o corpo terá mais tempo para se sentir satisfeito, mesmo que tenha ingerido menos comida. Embora o conselho tradicional seja cortar da dieta certos alimentos, como tomate, comidas picantes, frituras e álcool, não é o que costuma acontecer de fato. Sendo assim, aprenda quais alimentos contribuem para a sua azia. Pegue um caderno e, ao longo de uma semana, liste os alimentos consumidos a cada refeição. Depois, anote se houve azia e quanto tempo depois de comer ela começou.

Caminhe em vez de se deitar após as refeições; levante a cabeceira da cama com travesseiros para evitar o refluxo do ácido gástrico, e pense até em comer de pé se isso facilitar.

Quanto mais perto você estiver do peso saudável, menos de azia e DRGE (doença de refluxo gastroesofágico) apresentará. O peso extra aumenta a pressão no abdome. Pessoas acima do peso também são mais propensas a desenvolver hérnia de hiato, que ocorre quando a parte superior do estômago se projeta para cima, atravessando o diafragma e indo para a cavidade torácica, aumentando o refluxo. 

Descobriu-se que as bebidas gaseificadas e os benzodiazepínicos, prescritos para ansiedade e ou insônia, podem causar azia à noite, interrompendo o sono.

Experimente a acupuntura: estímulos leves no punho reduzem o relaxamento na porção inferior do esôfago.

Consulte um especialista do sono: o tratamento se chama pressão positiva contínua nas vias respiratórias. O paciente dorme com uma máscara sobre o nariz, conectada a uma máquina que libera ar pressurizado, para manter as vias respiratórias abertas. Funciona por meio do aumento de pressão na parte de trás da garganta, evitando que o conteúdo do estômago suba em direção ao esôfago. Visto que, em geral, a DRGE e a apneia obstrutiva do sono ocorrem juntas, uma ida a um especialista do sono pode valer a pena.

Use o computador sem prejudicar a saúde

Sentar-se de frente para uma tela por longos períodos coloca o corpo e a mente sob estresse. Mas é fácil ajustar o ambiente de modo que o uso do computador se torne um prazer e não um sofrimento. Confira algumas dicas importantes para aumentar a produtividade e o conforto:

- Retire as mãos do mouse quando não o estiver utilizando, para reduzir o trabalho muscular estático;

- Use o braço, não apenas o punho, para movimentar o mouse se achar que assim é mais confortável;

- Posicione o teclado de forma que, ao digitar, seus antebraços estejam quase na horizontal e os punhos em linha reta;

- Mantenha itens que costumam ser usados, tais como o teclado e o telefone, a uma distância satisfatória.

- Modifique com frequência sua postura para reduzir a fadiga, porém, evite girar o corpo;

- Ajuste a altura do assento para que os cotovelos estejam no mesmo nível da mesa e a parte inferior das costas se encontre apoiada no encosto da cadeira;

- Disponha a tela de forma que você possa focalizá-la sem ter de se inclinar para a frente. A parte superior da tela deve se posicionar logo abaixo dos olhos;

- Se seus pés não alcançam o chão, use um apoio para pés;

- Reduza o brilho da tela para um nível agradável;

- Elimine a luz forte vinda das janelas: mude o ângulo da tela ou instale persianas adequadas.

Infecções pulmonares: reduza a gravidade do problema

Uma alimentação nutritiva e bem balanceada contribui para a prevenção e redução da gravidade de problemas respiratórios como a bronquite, pneumonia e outras infecções pulmonares. Isso porque indivíduos saudáveis conseguem superar as causas dessas doenças.

Líquidos: A ingestão adequada de líquidos é de suma importância, já que ajuda a afinar o catarro e facilita a respiração. Não somente os líquidos frios e não-alcoólicos, mas também a canja de galinha e outros líquidos quentes são recomendados.

Antioxidantes: Ajudam a proteger o tecido pulmonar dos danos causados às células pelos radicais livres- moléculas instáveis que são liberadas quando o corpo utiliza o oxigênio. Os antioxidantes mais indicados são a vitamina A, C e o betacaroteno, que o corpo humano converte em vitamina A.

Zinco: Por aumentar a imunidade, especialmente contra infecções das vias aéreas respiratórias, o zinco é encontrado em muitos alimentos: carnes magras, ostras, iogurte e produtos integrais. Porém, não se deve consumir mais de 40 mg por dia, pois prejudica o sistema imunológico.

Propriedades medicinais do gengibre

Há muito tempo (desde a antiguidade no Oriente), o gengibre é um ingrediente relevante na medicina popular, e sua notoriedade é justificada pelos seus benefícios para a saúde.

Vegetal nativo da Ásia, é uma raiz tuberosa usada tanto na culinária quanto na medicina. A planta assume diversos benefícios terapêuticos: tem ação bactericida, é desintoxicante e ainda melhora o desempenho do sistema digestivo, respiratório e circulatório. O gengibre também é um reconhecido alimento termogênico, capaz de acelerar o metabolismo e favorecer a queima de gordura corporal.

Contra o enjoo: Gengibre cristalizado ou bebidas à base de gengibre com um sabor mais acentuado aliviam os enjoos da gravidez, a náusea decorrente da intoxicação alimentar, de gastroenterite ou da quimioterapia contra o câncer. O gengibre pode ser encontrado em cápsulas para quem acha o gosto muito forte ou sente irritação na mucosa bucal.

Contra a dor: Como bloqueia a ação da prostaglandina (uma substância química parecida com hormônio que causa infecção), o gengibre também pode ajudar as pessoas que sofrem de enxaquecas e com o problema da artrite.

Cure o resfriado com chá de gengibre: Uma boa maneira para aliviar os calafrios e a congestão decorrentes do resfriado é preparar um chá de gengibre da seguinte maneira: deixe ferver um ou dois pedaços de raiz de gengibre por dez minutos. Acrescente uma pitada de canela para aumentar o sabor.

Para espantar o frio: o gengibre possui um alto potencial calorífico, tanto se usado externamente quanto internamente. É recomendado principalmente para as pessoas que sentem muito frio e para as estações mais frias. Em épocas de calor, lembre-se que o consumo pode aumentar a transpiração.

Perdendo peso: esta propriedade calorífica também promove a aceleração do metabolismo, muito útil para quem quer emagrecer.

Previne as doenças cardiovasculares e favorece a circulação: no entanto, se você está tomando medicação pode interferir em sua ação, por isso, procure um médico antes de consumir