Filmes para celebrar o dia dos namorados

O Dia dos Namorados, comemorado oficialmente no dia 12 de junho, deveria, na verdade, ser lembrado todos os dias pelos casais apaixonados. Afinal, um relacionamento, para que seja sólido e baseado no respeito, companheirismo, na amizade e lealdade, precisa ser reconstruído diariamente.

No post de hoje, sugerimos algumas películas que tratam da temática AMOR – essencial na vida de todos nós.

As Pontes de Madison ( direção: Clint Eastwood): Robert Kincaid (Clint Eastwood) é um fotógrafo profissional contratado pela revista National Geographic para tirar fotos das belas pontes do condado de Madison, Iowa. Perdido, ele pede informações na fazenda dos Johnsons. Francesca Johnson (Meryl Streep – indicada ao Oscar em 1996 por sua atuação nesse filme) é uma dona de casa, casada há quinze anos e com dois filhos adolescentes. Duas vidas unidas pelas estradas do destino. Dois mundos completamente diferentes, tentando resistir a um inesperado romance. Robert e Francesca. Uma paixão que surge apenas uma vez na vida. Talvez, a única chance de viver um grande amor…

Um Homem, Uma Mulher ( direção: Claude Lelouch): O filme despertou os olhares do mundo para a obra do premiado diretor Claude Lelouch. Vencedor dos Oscar de Melhor Filme Estrangeiro e Melhor Roteiro Original, além da Palma de Ouro em Cannes, o longa faz uso de uma fotografia belíssima e da música dos talentosos Vinícius de Moraes e Baden Powell, para mostrar o despertar do amor entre um solitário convicto e uma mulher precocemente viúva. Ele, um piloto de corridas de automóveis (Jean-Louis Trintignant); ela, roteirista de cinema (Anouk Aimée), tentam conduzir um relacionamento sincero e bem humorado em meio às insistentes demandas familiares e profissionais. Uma linda história de amor à francesa que conquistou o mundo, mas que poderia muito bem acontecer com você.

Amour (direção: Michael Haneke): Georges (Jean-Louis Trintignant) e Anne (Emmanuelle Riva) são um casal de aposentados apaixonados por música. Eles têm uma filha musicista que vive em outro país. Certo dia Anne sofre um derrame e fica com um lado do corpo paralisado. O casal de idosos passa por graves obstáculos que colocarão o seu amor em teste. Um filme belíssimo, que consegue mostrar, de maneira singular, como o verdadeiro amor supera todas as dificuldades e obstáculos.

Saraband ( direção: Ingmar Bergman): a aclamada sequência do vencedor do Globo de Ouro de melhor filme estrangeiro “Cenas de um Casamento” é a última declaração de Ingmar Bergman em filme, – um poderoso e ferino rugido final de um grande velho homem do cinema – (Richard Corliss, Time). Trinta anos após o divórcio, Marianne (Liv Ullman, em uma reprise do seu papel premiado pela National Society of Film Critics) impulsivamente decide visitar Johan (Erland Josephson) no seu isolado retiro no interior. Além da sua chegada, ela testemunha o relacionamento atormentado entre seu amargo ex-marido, seu odioso filho Henrik (Börje Ahlstedt) e uma neta de 19 anos, Karin (Julia Dufvenius). Incapaz de lidar com a recente morte de sua esposa, Henrik expressa seu sofrimento através de uma nada saudável obsessão com sua filha adolescente. Ignorando os protestos de seu filho, Johan oferece mandar a garota para um prestigiado conservatório de música, forçando Karin a escolher entre seu futuro promissor como uma violoncelista ou ficar com seu atormentado pai.

Amantes Eternos ( direção: Jim Jarmusch): A história de amor entre dois vampiros eruditos, Eve (Tilda Swinton) e Adam (Tom Hiddleston), cansados da sociedade atual e profundamente incomodados com a evolução da humanidade. Há séculos eles vivem uma relação de cumplicidade e muito amor, que pode ser abalada pela aproximação da irresponsável irmã caçula da vampira, Ava (Mia Wasikowska).

De Olhos bem Fechados ( direção: Stanley Kubrick): Bill Harford (Tom Cruise) é casado com a curadora de arte Alice (Nicole Kidman). Ambos vivem o casamento perfeito até que, logo após uma festa, Alice confessa que sentiu atração por outro homem no passado e que teria sido capaz de largar Bill e sua filha pelo desconhecido. A confissão desnorteia o sujeito, que sai pelas ruas de Nova York assombrado com a imagem da mulher nos braços de outro. Ele acaba em meio a uma reunião secreta em uma mansão afastada. Último filme do cultuado diretor Stanley Kubrick.

Pra que serve o amor? ( direção: Louis Clichy): A história de amor (e loucura) de dois jovens, contada a partir da música A Quoi Ça Sert L’amour?, de Edith Piaf e Théo Sarapo. O curta é, na verdade, um videoclipe animado para a música da Edith Piaf, feito pelo diretor e ilustrador francês Louis Clichy. Maravilhoso!!!

Caminhada contra o estresse e a depressão

O título deste post ficou ambíguo, mas não por acaso. A caminhada contra o estresse e a depressão é árdua e requer muito esforço, força de vontade e disciplina. Não basta colocar na cabeça que se quer levar uma vida mais saudável, é necessário transformar a ideia em hábito, colocá-la em prática.

Hoje, nos detemos a falar sobre o quanto a caminhada contribui para a redução e controle do estresse e da depressão.

Uma vez irritado (a) ou deprimido (a), os sentimentos negativos ativam uma enxurrada de compostos químicos projetados para você correr. O coração bate mais rápido e com mais força, os pulmões absorvem mais oxigênio, o fígado libera mais glicose para dar energia aos músculos e o sistema imune se prepara para possíveis lesões.

Ao ficar sentado, toda a energia fisiológica fica retida, sem ter para onde ir, o que causa danos a sistemas corporais importantes, prejudicando o sistema imune, contribuindo para a perda óssea, o enfraquecimento dos músculos e a arteriosclerose e, ainda, aumentar o nível de insulina, o que pode elevar o nível de gordura abdominal.

Mexa-se! Apenas 20 minutos de corrida ou step aliviam mais a ansiedade, a depressão e o estresse, do que ficar sentado em um lugar silencioso durante o mesmo período de tempo.

A atividade física não somente reduz a ansiedade e ajuda a controlar a depressão. Ter um bom condicionamento atua como proteção contra os efeitos danosos do estresse, como a pressão alta.

Motivos para incluir o sorvete em seu cardápio neste verão

 

Excelente fonte de cálcio, o sorvete apresenta uma quantidade considerável de proteína, assim como de vitamina A e riboflavina. Uma ótima escolha para fechar a refeição com uma sobremesa gelada são os sorvetes de fruta, que têm baixo teor de gordura.

Os frozen yogurts com pouca gordura também são bons substitutos para o sorvete; meia xícara com cobertura de frutas frescas e de germe de trigo torrado pode satisfazer o desejo de quem quer uma sobremesa gelada, e ainda funciona como um bom suplemento de cálcio, de vitaminas e de fibras.

Sirva seu sorvete predileto com o Pão tipo Sueco Pinheirense, que além de saboroso, é integral, livre de conservantes e produzido artesanalmente. Delícia de combinação!

Papai Noel: a verdade sobre o mito

Papai Noel, um dos personagens mais conhecidos em todo o mundo, foi inspirado em São Nicolau Taumaturgo, arcebispo de Mira, no século IV.

Foi na Alemanha que Nicolau se transformou em símbolo natalino, após já ter sido declarado santo, devido a milagres ocorridos e associados a ele, que tinha o hábito de, anonimamente, ajudar pessoas com dificuldades financeiras. Costumava colocar um saco com moedas de ouro nas chaminés das casas.

Porém, foi Clemente Clark Moore, professor de literatura grega de Nova York, quem impulsionou a lenda do Papai Noel, que viria a influenciar diferentes culturas.

Clemente escreveu o poema “Uma visita de São Nicolau”, em 1822, no qual divulgava a versão de que Papai Noel viajava em um trenó puxado por renas. Além disso, ele ajudou a difundir a história de que o personagem entrava nas casas pela chaminé.

Inclusive, a verdadeira explicação para a chaminé veio da Finlândia. Clemente descobriu que os antigos lapões moravam em pequenas tendas, semelhantes a iglus, que eram cobertas com pele de rena. A entrada para essa “casa” era um buraco no telhado.

Antigamente, Papai Noel usava roupas que tendiam mais para o tom marrom, além de uma coroa de azevinhos na cabeça. Contudo, não havia um padrão estabelecido.

A adoção da roupa vermelha e branca pelo bom velhinho foi obra do cartunista Thomas Nast, que publicou a imagem do Papai Noel tal como a conhecemos hoje, em 1886, na revista Harper`s Weeklys.

O Mito

Muito tem se falado, inclusive em cursos de publicidade e propaganda, que a Coca-Cola seria a responsável pelo visual vermelho e branco do Papai Noel. Todavia, já é comprovado historicamente, que o cartunista norte-americano Thomas Nast foi o autor da ideia da adoção, pelo personagem, da roupagem tradicional.

Ilustração de Thomas Nast

A confusão aconteceu porque, até então, Papai Noel era geralmente representado com roupas de inverno na cor verde. Em 1931, a Coca-Cola realizou uma grande campanha de Natal, em que o personagem aparecia da maneira como Nast havia criado, em 1886, para que combinasse com as cores do rótulo da marca.

Tal campanha fez grande sucesso e a nova imagem de Papai Noel espalhou-se rapidamente pelo mundo, devido à onipresença da corporação da Coca-Cola, responsável por ajudar a difundir o mito tal qual ele é, mas, de forma alguma, por criar a figura tão conhecida de Papai-Noel.

Afinal, casamento engorda?

Determinadas perguntas, pelo simples fato de serem feitas com enorme frequência, acabam trazendo em si próprias as respostas que as satisfazem. É certamente o caso do questionamento que dá título a este post. Afinal, se tantas pessoas questionam-se a este respeito, então é sinal de que sim, existe alguma relação entre o matrimônio e o ponteiro da balança.

Mas como sempre é bom respaldar o óbvio com a devida comprovação científica, várias pesquisas foram, sim, levadas a cabo com esta finalidade. E ainda que haja exceções pontuais, os resultados estatísticos gerais sempre apontam na mesma direção: recém-casados têm ao menos o dobro de chance de engordar, quando comparados a pessoas solteiras de mesma idade.

As razões para isso são as mais óbvias, ainda que possam variar de casal para casal. Por exemplo: casais que ainda não sabem cozinhar tendem a comer muito na rua. E aí, em meio a tantas opções, nem sempre as escolhas mais saudáveis acabam prevalecendo. Por sua vez, cônjuges que sabem cozinhar geralmente tentam agradar um ao outro através dos dotes culinários, e os abusos tornam a acontecer. Um problema que, não raramente, é passado também para os filhos.

O principal fator, no entanto, tem origens menos nobres, e é difícil de ser capturado em estatísticas. Simplesmente, para a maioria das pessoas que se casa, o ganho de peso nada mais é que uma consequência da própria segurança conjugal. Tanto assim que estas mesmas pessoas, quando eventualmente se separam e mais uma vez sentem a necessidade de estarem atraentes, na maioria das vezes conseguem perder peso rapidamente.

Mal comparando, é uma situação parecida com a que gera um enorme aumento na frequência das academias às vésperas do verão. Para este grande contingente de “atletas da primavera”, o cuidado com a saúde e a estética não são exatamente a manifestação de uma filosofia de vida, mas uma série de sacrifícios a serem feitos em nome de uma motivação maior e temporária. Da mesma forma, tantas pessoas competentes o bastante para serem aprovadas em difíceis concursos seletivos, muitas vezes acabam perdendo a motivação no trabalho justamente em função da estabilidade que tanto perseguiram.

O grande desafio, portanto, passa a ser o de encontrar estímulo em meio à segurança. Cuidar da saúde e do corpo, sim, primeiro porque não há nada melhor a se fazer. E depois porque, dentro da lógica conjugal, cuidar de si mesmo é também cuidar do outro.

Claro que investir numa alimentação saudável, leve e natural ajuda muito nesse processo. Optar por alimentos integrais e sem conservantes, de qualidade conhecida, tanto quanto desenvolver o hábito de fazer exercícios a dois, é passo importante na construção de uma rotina saudável e sustentável, fundamental para um relacionamento longo e para o bom desenvolvimento dos filhos. Além, é claro, de serem formas muito mais concretas e úteis de se demonstrar o verdadeiro amor.

Afinal, quem ama de verdade, não apenas cuida do outro, mas também de si mesmo.

Consciência ambiental: você tem?

A degradação ambiental está colocando em risco a nossa saúde e a saúde do planeta, por isso, nenhuma tecnologia fará sentido e funcionará enquanto não houver uma real conscientização da população. As pessoas precisam urgentemente entender que o ser e o meio estão interligados e um tem influência nas atitudes do outro. É uma reação em cadeia, o que fazemos tem um reflexo no ambiente e também nas ações das pessoas que nos cercam.

Reduza, reutilize e recicle:

A preferência por produtos que precisam de pouca ou nenhuma embalagem é um modo fácil de reduzir o que entra em sua casa e o que acaba no aterro sanitário. Reutilizar em vez de jogar fora é econômico – além de ser divertido inventar maneiras criativas para reaproveitar artigos domésticos. E tudo o que você encaminhar para a reciclagem, retornará em outros produtos.

Dicas para reduzir o lixo:

-Experimente usar sacos de papel, em vez de plástico, para embalar frutas e legumes no mercado.

-Leve sacolas reutilizáveis com você quando fizer compras.

- Prefira produtos que venham com o mínimo de embalagem, que usem embalagens recicláveis ou que venham em recipientes recarregáveis e/ou retornáveis. Algumas lojas de produtos naturais até incentivam os clientes a levarem seus próprios recipientes.

-Prefira produtos que podem ser reutilizados, como baterias recarregáveis, em vez das opções descartáveis.

Lista de reciclagem

Podem ser reciclados:

-garrafas e potes de vidro: remova as tampas;

- Papéis: jornais, revistas, catálogos de telefone, envelopes, embalagens, papelão, caixas de pizza;

-Latas de aço;

-Latas de aço de aerossol;

-Tampas de aço de potes de geleia;

-Tampas de metal de garrafas;

-Latas de alumínio;

-Embalagens de leite e suco;

- Garrafas PET;

-Lixo de jardinagem ( primeiro, use como adubo).

Dicas para evitar a ressaca

A quantidade de álcool necessária para provocar uma ressaca não é igual para todas as pessoas e também depende do tipo de bebida ingerida. As destiladas, como uísque e gim, têm um impacto mais imediato do que vinhos e cervejas, e o álcool é absorvido mais rapidamente quando misturado com bebidas gasosas.

Uma vez na corrente sanguínea, o álcool chega ao cérebro em minutos. No início, age como um estimulante, provocando euforia, que logo dá lugar à depressão do sistema nervoso e a uma sensação de torpor, levando, finalmente, ao sono ou à inconsciência.

O fígado necessita de um tempo para conseguir metabolizar o álcool, mas em muitos casos as pessoas ultrapassam os limites, bebendo mais do que o órgão consegue metabolizar. Uma dica é não beber com o estômago vazio, pois o álcool vai muito mais rápido na circulação sanguínea.

Quando a bebida é ingerida após a pessoa ter se alimentado, o fígado consegue metabolizar aos poucos o álcool, evitando, assim, que o órgão fique sobrecarregado. Castanhas, nozes e outras sementes oleaginosas são indicadas.

Um costume que pode evitar a indesejável ressaca é o de beber muita água, que dilui e ameniza os efeitos do álcool no organismo. A desidratação dificulta o trabalho do fígado e dos rins, porque o sangue fica mais espesso. Beber água ajuda a limpar o organismo.

Outra regra que deve ser respeitada é não misturar bebidas destiladas, como vodca, cachaça e uísque, com as fermentadas, como cerveja e chope.

A gravidade de uma ressaca é parcialmente influenciada pelos congêneres, subprodutos do processo de fermentação que contribuem para o sabor e aroma das bebidas alcoólicas. O brandy é a bebida com o maior número de congêneres, seguido por vinho tinto, rum, uísque, vinho branco, gim e vodca.

O nascimento do carnaval carioca

A maior e mais animada festa do Brasil foi trazida pelos portugueses por volta dos séculos XVII e XVIII. Os lusitanos comemoravam a colheita jogando água, farinha e ovos uns nos outros, no meio das ruas. Quando chegaram ao país tropical, a celebração ganhou ânimo e estilo próprios; os ingredientes acima foram trocados por serpentinas e confetes e, assim, nascia o Carnaval brasileiro.

No século XIX, os clubes começaram a oferecer bailes para a corte e elite brasileiras. Os ritmos que embalavam essas festas eram variados: tinha maxixe, valsa e quadrilha. Foi em 1889, que surgiram as músicas destinadas exclusivamente ao carnaval. E uma delas é famosa até hoje: “Abre Alas”, de Chiquinha Gonzaga.

A próxima novidade da festa popular seria o corso, o desfile de foliões fantasiados dentro de carros conversíveis – essa foi a grande inspiração para os carros alegóricos. No início do século passado, o carnaval já havia se estabelecido na cidade do Rio, a população mais carente brincava em bailes e rodas separadas, e começaram a ser vistos como marginais.

Para derrotar o preconceito, os primeiros a se organizar foram os foliões da Praça Onze. Em 1928, foi criado o bloco “Deixa Falar”, de Ismael Silva e companheiros. Os integrantes do bloco se encontravam perto de uma escola regular do Rio, e assim nascia o termo “Escola de Samba”, usado por Ismael para se referir ao grupo.

Nos anos seguintes, o bloco “Deixa Falar” começou a escolher temas de samba e as fantasias de cada ano, surge a primeira escola de samba do Brasil, Estácio de Sá. Em 1935, os blocos foram oficializados e passaram a ser reconhecidos como agremiações recreativas. Dessa forma, cada comunidade foi se reunindo e o samba caiu no gosto de todas as classes, não só cariocas, mas brasileiras.

Hoje, os desfiles mais vistos são os das escolas do Rio de Janeiro e de São Paulo. O espetáculo tem dia e hora marcados, grande plateia, famosos como integrantes e fantasias luxuosas. As escolas se preparam o ano inteiro para fazer bonito na avenida e ganhar o título de campeã do Carnaval.

Entretanto, todo lugar do país tem seu jeito próprio de aproveitar a folia. O carnaval de rua do nordeste, por exemplo, com os trios elétricos e micaretas, também é muito requisitado pelos turistas. Essa festa verde e amarela é admirada pelo mundo inteiro e a cada ano ganha mais foliões.

Para valer-se do clima de alegria é só escolher o lugar, vestir uma fantasia divertida e sair dançando conforme a música. O carnaval está aí, aproveite!

Estação das chuvas: dicas para quem vai viajar

Verão combina com férias, que por sua vez combinam com pegar a estrada. No entanto, as altas temperaturas coincidem também com a estação das chuvas, tornando este um período potencialmente perigoso para quem gosta de viajar. Vale, portanto, anotar algumas dicas para que seu veículo esteja em perfeito equilíbrio dinâmico na hora de sair com a família.

Começando pelos pneus, é crucial que eles estejam em bom estado, com as ranhuras profundas e bem definidas, além, é claro, de estarem sempre calibrados conforme a especificação do fabricante. O mesmo vale para o estepe. As rodas também devem estar alinhadas e balanceadas, para que o veículo aproveite ao máximo – e sem vibrações – o potencial de aderência dos pneus.

Observados estes procedimentos, é hora de verificar a cambagem e o caster de cada uma das rodas.

Camber é o ângulo vertical da roda quando o carro é observado pela frente ou por trás. Se a base das rodas estiver projetada para fora, o carro terá mais aderência para percorrer curvas e menos aderência para acelerar ou frear em linha reta. Se, por outro lado, os pneus estiverem perfeitamente perpendiculares ao piso, então o carro terá muita aderência para acelerações e frenagens, mas deverá se mostrar escorregadio em curvas. Aqui, mais uma vez o ideal é seguir a recomendação do fabricante, que para a maioria dos carros gira em torno de 1º de inclinação externa.

Já o caster se mede pela inclinação para frente ou para trás da linha central do pivô de sustentação da roda. Sua aferição rotineira é importante, porque ao subir em calçadas ou colher buracos em estradas, as rodas – principalmente as dianteiras – podem sofrer pequenos recuos, alterando negativamente o comportamento do carro. Se uma roda estiver mais recuada que a outra, a direção do veículo irá puxar para o lado mais recuado. E mesmo que as duas rodas estejam igualmente recuadas, ainda assim o carro irá perder estabilidade e sensibilidade.

Com estas questões resolvidas, vale observar também a distribuição de peso dentro do automóvel. Se possível, distribua os passageiros de maneira que um lado do carro não fique muito mais pesado que o outro. A distribuição da bagagem também pode ajudar nessa tarefa, e é sempre conveniente que as malas mais pesadas sejam colocadas ao fundo do porta-malas, próximas ao banco traseiro. Assim garante-se um comportamento mais neutro por parte do veículo quando percorrendo curvas acentuadas.

Por fim, tenha a certeza de que seu carro está freando de forma similar em todas as quatro rodas (experimente frear levemente numa linha reta e sem inclinações, para ver se ele guina ou puxa para algum dos lados), e jamais dirija próximo a outros veículos. Esteja atento a manchas de óleo ou à presença de lama na pista, avisando sempre a quem vem no sentido contrário, e às autoridades competentes sobre os riscos encontrados.

Seguindo estas medidas simples, e observando o estado de molas e amortecedores, você estará no caminho certo para curtir com a família as maravilhas deste e de muitos outros verões.

Netiqueta: educação sem fronteiras

Com certeza, você já ouviu falar em regras de etiqueta – conjunto de normas convencionadas pela sociedade para ajudar o relacionamento entre os indivíduos. A internet, que hoje já possui 2 bilhões de usuários em todo o mundo, apresenta inúmeras vantagens e permeia diferentes níveis de comunicação.  Neste contexto surge a “netiqueta”.

A partir do momento em que o ciberespaço começou a ser compartilhado, o internauta sentiu a necessidade de adequar ao ambiente virtual as famosas regras de etiqueta estabelecidas pela sociedade ao longo dos anos.

De acordo com Julio Stutz, professor universitário, “a netiqueta vem sendo elaborada – uma vez que ela não é um conjunto fechado de sugestões – pelos internautas, para que suas interações sejam mais civilizadas ou educadas”.

Quando a relação homem-máquina-internet se torna mais habitual e complexa, torna-se oportuno criar e propagar normas de condutas, para intermediar as relações estabelecidas através de um novo meio de comunicação e informação, que se encontra em permanente transformação.

Basicamente, as regras de etiqueta para a Internet são similares às normas de educação “de praxe”, estabelecidas pela cultura ocidental.

“Ninguém gosta de pessoas falando de boca cheia, ou que interrompem as conversas dos outros. Então, muitas das regras da netiqueta são adaptações ou interpretações da etiqueta que usamos no dia a dia. Na etiqueta temos regras de como devemos interagir durante uma conversa ou em um evento social, e na Netiqueta temos regras para saber usar o e-mail de forma elegante…”, explica Julio.

O professor lembra que a Internet possui diferentes formatos de interação e que cada um deles segue regras de etiqueta distintas. Além disso, alguns, por serem muito recentes, ainda não apresentam normas específicas ou um consenso por parte de seus usuários.

Separamos algumas dicas úteis e indispensáveis para o ciberespaço:

•Trate os outros como gostaria de ser tratado;

•Lembre-se de que há uma pessoa do outro lado da sua mensagem;

•Saiba onde está e use o bom comportamento apropriado;

•Desculpe os erros de outras pessoas, especialmente os novatos;

•Mantenha sempre a calma, especialmente se alguém o insultar (ou se você achar que foi esse o caso);

•Evite usar TEXTO EM MAIÚSCULAS para ênfase – alguns usuários encaram isso como uma maneira de “gritar”;

•Não use linguagem inadequada ou ofensiva;

•Nunca envie ou encaminhe mensagens indesejadas (normalmente chamadas de spam);

•Evite discussões constantes e inflamadas ou “flame wars”;

•Verifique sua ortografia, seja conciso e envie mensagens curtas;

•Siga as mesmas regras de bom comportamento que seguiria fora da Internet;

•Use emoticons para ajudar a comunicar humor e sarcasmo e aprenda os acrônimos comuns online.