Salada no inverno: receitas nutritivas

Nos dias frios, muita gente dispensa a salada, alegando que esse prato só combina com os dias mais quentes. Mas além de saudáveis, há vários tipos de saladas que podem ser muito bem apreciadas durante o inverno. Selecionamos duas receitas deliciosas:

Salada de atum com feijão branco:

Ingredientes (serve 4 pessoas)

  • 1 cabeça de alho
  • 1/4 de xícara de azeite de oliva extravirgem
  • 2 colheres de sopa de queijo parmesão ralado
  • 1 e 1/2 colher de sopa de suco de limão
  • 4 filés de anchova em conserva (sem o óleo)
  • Pimenta-do-reino moída na hora a gosto
  • 1 lata de feijão branco cozido escorrido
  • 5 xícaras de alface romana picada
  • 5 fatias de tomate seco picadas
  • 2 colheres de sopa de cheiro verde picado
  • 1 lata de atum (sem o óleo)

Preparo

1. Preaqueça o forno a 200 graus, deixando uma grelha no meio. Enquanto isso, corte a cabeça do alho ao meio, na horizontal, e embrulhe cada metade em um pedaço de papel-manteiga. Leve ao forno e asse por 30 minutos, ou até ficar bem macio. Retire do forno com cuidado, descasque os dentes e bata em um processador até formar uma pasta (ou amasse com um garfo). Disponha para uma tigela e e acrescente o azeite, o parmesão, o suco de limão, as anchovas e 1/2 colher de chá de pimenta. Mexa bem até formar um molho cremoso.
2. Misture os feijões com a alface, 3 colheres de sopa do molho de alho, o cheiro verde e 1/2 colher de chá de pimenta. Divida em quatro pratos diferentes, cobrindo a salada com o atum. Coloque o restante do molho por cima e sirva em seguida.

Salada de Huevos Rancheros:

Ingredientes (serve 4 pessoas)

  • 1 lata de feijão preto cozido escorrido
  • 3 colheres de sopa de coentro picado grosseiramente
  • 2 e 1/2 colheres de sopa de suco de limão
  • 1 colher de sopa de pimenta chipotle (ou molho de pimenta vermelha)
  • 1/2 colher de chá de cominho
  • 1 dente de alho picado
  • 1 pitada de sal
  • 1 abacate maduro
  • 1 colher de sopa de azeite de oliva extravirgem
  • 4 ovos grandes
  • 1 xícara de rúcula
  • 1/2 xícara de salsa verde mexicana

Preparo

1. Com um garfo, amasse em uma tigela os feijões com um pouco de coentro, 1 e 1/2 colher de sopa de suco de limão, o chipotle, o cominho, o alho e 1/4 de colher de chá de sal. Corte o abacate ao meio, remova a semente e remova a polpa cuidadosamente com o auxílio de uma colher. Depois corte em fatias e coloque 1 colher de sopa de suco de limão e a pitada de sal.
2. Em uma panela antiaderente, aqueça um pouco de azeite em temperatura média. Quebre os ovos e frite-os até cozinhar a clara. O ideal é que a gema fique mole (se não gostar, pode fritar mais). Divida a mistura de feijão em quatro pratos, cubra com a rúcola, o abacate, a salsa verde e os ovos. Sirva com o Pão tipo Sueco.

APLV: alternativas para a fase de amamentação

A sigla APLV refere-se à alergia à proteína do leite de vaca. Assim como outras alergias alimentares, ela ocorre quando o sistema imunológico reage a proteínas presentes nos alimentos por considerá-las elementos estranhos. O organismo inicia a produção de células inflamatórias e/ou anticorpos específicos (IgE) para combater as moléculas invasoras, desencadeando um processo alérgico.

Entre os principais sinais desse tipo de alergia estão aqueles de ordem digestiva, a exemplo de falta de apetite, vômitos, diarreia e sangue nas fezes. Outros sintomas comuns são os cutâneos, que incluem urticária (placas vermelhas na pele), dermatite atópica, coceira e inchaço. Vale lembrar também dos problemas respiratórios que os pequenos alérgicos à proteína do leite de vaca costumam apresentar – entre eles estão chiado no peito, pneumonia e tosse.

Não há um medicamento específico que trate a APLV. A principal forma de aliviar os sintomas é seguir uma dieta livre dos itens que provocam a alergia. A boa notícia é que a maior parte dos casos tende a desaparecer até os 5 anos de idade.

Além de conhecer os derivados do leite, pais e mães de pequenos com essa alergia devem estar atentos a substâncias com nomes muitas vezes complicados e que contêm a proteína do leite de vaca. De acordo com a SBP, algumas das principais são: alfacaseína, betacaseína, caseinato, alfalactoalbumina, betalactoglobulina, alfalactoglobulina, aroma de queijo, lactulose e lactose presente em medicamentos.

Alternativas às mães que amamentam:

No blog de Katia Ouang (minhasdikas.com), a Nutricionista Mariana Del Bosco escreveu sobre  a Alergia a Proteína do Leite de Vaca. Dentre outras informações, a profissional em questão apresenta alternativas às mães que amamentam, oferecendo dicas importantes a respeito dos cuidados em relação à alimentação, para não prejudicar o bebê.

“É bem difícil seguir a dieta isenta de alimentos que contêm as proteínas do leite. O leite está amplamente distribuído em preparações culinárias e nos alimentos industrializados, sendo assim, além de cortar o leite e seus derivados da dieta é preciso cozinhar de forma segura e checar a rotulagem de todos os alimentos industrializados.

O sanduíche vai ser bem diferente do habitual.  A começar pelo pão. Não há garantias que o pão da padaria não tenha sido contaminado com algum produto com leite. Já houve caso de padaria que usa leite em pó na receita para que o pão fique mais macio. Pães industrializados, por serem processados em equipamentos que tem contato com lácteos, podem conter traços de leite. Cheque nos SACs das empresas, quais pães são seguros para consumo. Na wickbold, o pão australiano está liberado, assim como toda a linha Pinheirense. Sugiro adquirir a máquina de pão para fazer receitas absolutamente seguras, saudáveis e deliciosas.”

Por não serem industrializados, os pães PInheirense são indicados em casos de APLV.

Leia a matéria completa em: http://www.minhasdikas.com/2013/03/coluna-da-mari-aplv.html

Conheça benefícios da cúrcuma ( açafrão-da-terra)

A cúrcuma, também conhecida como açafrão-da-terra, açafroa, cúrcuma longa, gengibre amarelo, raiz de sol e turmerico, é uma planta herbácea da família do gengibre, originária da Ásia. Por possuir compostos com propriedades medicinais, oferece diversos benefícios à saúde. A curcumina é o ingrediente ativo principal da cúrcuma, que tem efeitos anti-inflamatórios, além de ser um antioxidante muito forte.

Por ser um poderoso anti-inflamatório, é muito efetiva para o tratamento de doenças inflamatórias como artrites, tendinites e machucados em geral. A planta também é um excelente purificador do sangue, ajudando a controlar o colesterol. Os chineses a usam nos seus tratamentos medicinais há mais de quatro mil anos e seu consumo é bastante seguro.

A maioria dos estudos sobre o açafrão mostra que seus benefícios à saúde ocorrem quando se consome uma dosagem superior a um grama por dia intercalado com as refeições. No entanto, é muito difícil chegar a este nível de consumo usando-o apenas como tempero dos alimentos.

Para obter seus efeitos completos, é preciso tomar um extrato que contenha quantidades significativas de curcumina. Já a absorção da mesma nos intestinos é potencializada ao ser consumida com pimenta do reino, gengibre ou azeite.

Pesquisas mostraram que o consumo diário de duas a três gramas de cúrcuma por um período de dois meses curou úlceras estomacais em até 75 por cento dos pacientes tratados.

Entre os principais benefícios da cúrcuma à saúde destacam-se:

- É um composto anti-inflamatório natural;

- aumenta drasticamente a capacidade antioxidante do organismo;

- reduz o risco de doença cardíaca;

- diminui os níveis de colesterol no organismo;

- melhora a função cerebral e diminui o risco de mal de Alzheimer;

- ajuda a prevenir e até mesmo a tratar alguns tipos de câncer;

- pacientes com artrite respondem muito bem à suplementação com curcumina;

- age na prevenção ao diabetes.

Sugestões de consumo: 

– Adicione cúrcuma ao ovo cozido da salada para dar-lhe uma cor amarela mais apetitosa;

– Misture o arroz integral com passas e castanha de caju e tempere com açafrão, cominho e coentro;

– Adicione a especiaria diretamente à couve-flor cozida no vapor, ou ainda faça um molho cremoso para acompanha-la adicionando açafrão e cebola seca a um pouco maionese, sal e pimenta.

– Cúrcuma é um ótimo tempero para incrementar as receitas que levam lentilhas.

– Dê aos molhos para salada um tom amarelo-alaranjado, adicionando um pouco de pó de açafrão a eles.

Patê de damasco combina com pães Pinheirense

Alimento versátil, o pão possibilita o preparo de diferentes receitas- de canapés a sanduíches, tortas, lasanhas, torradas, etc-, além de ser um ótimo acompanhamento para muitas outras. Integral, artesanal e isento de conservantes, os pães Pinheirense são saborosos, saudáveis e a combinação perfeita para diferentes pratos. Com o patê de damasco, tanto o Pão Sueco quanto o de forma Integral caem super bem. Confira a receita:

Ingredientes:

-1 xícara de chá de açúcar para a calda;

-500 gramas de damasco para a cada;

-2 colheres de sopa de conhaque para a calda;

-500 gramas de queijo tipo ricota;

-creme de leite;

-sal.

Preparo: Para a calda, derreta o açúcar em fogo brando. Depois adicione água e mexa até diluir o açúcar. Coloque o damasco e o conhaque. Deixe ferver até engrossar. Depois que a calda esfriar, bata com a ricota em um processador ou liquidificador até ficar uma pasta. Deixe que fique com alguns pedacinhos da fruta. Acrescente o creme de leite e o sal. Se ficar grosso, adicione mais creme de leite. Antes de servir, leve à geladeira por meia hora.

Melatonina e qualidade do sono

Diversas pessoas sofrem com a insônia e suas consequências. Em meio a tantos medicamentos e técnicas que prometem resolver o problema, encontramos os suplementos de melatonina. Uma das funções deste hormônio, produzido naturalmente por diversos animais e plantas, é a indução ao sono. Sua ação e eficácia fizeram com que indústrias farmacêuticas lançassem sua versão sintética, amplamente vendida como suplemento em outros países, como Estados Unidos e Europa.

Mas você deve estar se perguntando: “Se meu corpo produz naturalmente este hormônio, por que preciso me preocupar com isso?” Bem, devido a fatores como a idade avançada, o estresse, a ansiedade, dentre outros, algumas pessoas têm a produção da melatonina comprometida.

As doses indicadas de melatonina variam de 1 mg a 3 mg por dia, mas somente o médico estará apto, para indicar corretamente a dose necessária para cada caso. Por se tratar de um hormônio natural, a melatonina não induz à dependência e nem perde o efeito após uso prolongado.

O uso excessivo ou irregular do medicamento causa dor de cabeça, náuseas e mal estar, sendo que é melhor respeitar a dose correta do que desenvolver outros sintomas que não devem existir com a medicação correta.

É normal, entretanto, algum desconforto inicial nos primeiros dias, que não devem persistir durante o uso prolongado, e precisam ser comunicados ao médico em casos de efeitos colaterais indesejados.

Além do benefício em casos de insônias e problemas de sono, sua ação antioxidante ajuda na recuperação de neurônios que foram afetados com a Doença de Alzheimer e acidentes vasculares cerebrais. A melatonina também auxilia o sistema imunológico, prevenindo doenças, como o câncer, e evitando a perda de memória.

Luzes acesas diminuem o efeito da melatonina – tanto  a natural, como  a consumida através de suplemento. Assim, deve-se ingerir as cápsulas de melatonina e apagar as luzes, de forma que seu organismo possa relaxar e aproveitar ao máximo os efeitos desse hormônio. O mesmo vale para luzes de computadores, celular , televisões, etc.