Flores que informam as horas

Diariamente, as plantas usam um “relógio” interno. Todos os seres vivos, incluindo os humanos, têm relógios internos que coordenam vários processos biológicos. No caso das plantas, atividades como o fechamento dos estômatos à noite são baseadas em um ritmo circadiano (um ciclo diário – do latim circa dies, “cerca de um dia”).

Esse ciclo foi observado pelo botânico Carl Lineu, no século XVIII. Ele percebeu que as flores de algumas plantas se abriam e se fechavam em determinadas horas do dia. A maravilha (Mirabilis jalapa), por exemplo, abre suas flores todos os dias por volta das quatro da tarde.

A dormideira (Mimosa pudica) pode retrair-se com a velocidade de um raio em reação ao toque. Comum nos trópicos, ela tem folhas compostas, formadas por numerosos folíolos, que se fecham em questão de segundos à primeira “mordiscada” de um inseto.

Já que as plantas reagem a estímulos, será que também são capazes de se comunicar?

Primavera+Sorvete=delícia de combinação

Excelente fonte de cálcio, o sorvete apresenta uma quantidade considerável de proteína, assim como de vitamina A e riboflavina. Uma ótima escolha para fechar a refeição com uma sobremesa gelada são os sorvetes de fruta, que têm baixo teor de gordura.

Os frozen yogurts com pouca gordura também são bons substitutos para o sorvete; meia xícara com cobertura de frutas frescas e de germe de trigo torrado pode satisfazer o desejo de quem quer uma sobremesa gelada, e ainda funciona como um bom suplemento de cálcio, de vitaminas e de fibras.

Sirva seu sorvete predileto com o Pão tipo Sueco Pinheirense, que além de saboroso, é integral, livre de conservantes e produzido artesanalmente.

Primavera 2015: o poder das flores

Durante milhões de anos, as plantas reagiram e se adaptaram a incontáveis habitats, resultando na impressionante diversidade atual de espécies. As plantas exibem uma variedade surpreendente de poderes, da capacidade de absorver energia da luz solar a uma aptidão para explorar outras formas de vida.

As flores têm um objetivo: a reprodução. Elas são os órgãos sexuais das plantas, produzindo pólen (que contém células sexuais masculinas) e óvulos (células sexuais femininas). As sementes são a “prole”.

Embora a reprodução vegetativa seja bem-sucedida para muitas plantas, ela tem uma grande desvantagem: todas as plantas têm a mesma constituição genética. A reprodução sexuada permite que uma planta troque genes com outra da mesma espécie, levando à variação genética.

Por estarem enraizadas no solo, juntar as células sexuais femininas e masculinas é um problema, e AS FLORES SÃO A SOLUÇÃO. Durante milhões de anos, uma enorme diversidade de formas e cores de flores se desenvolveu com o objetivo de se aproveitarem de polinizadores específicos, como vento, insetos, pássaros, pequenos mamíferos ou lagartos.

Os polinizadores são como mensageiros, transferindo o pólen de uma flor para as partes femininas de outras. Em um jardim repleto de flores, a oferta é grande para os insetos, e cada planta precisa que suas flores sejam notadas- daí a enorme variedade de cores, formas e fragrâncias.

Entenda as medidas de Pressão Arterial

O sangue não corre no corpo em fluxos contínuos, mas em jatos. Portanto, a pressão arterial é apresentada em dois números, como, por exemplo, 120/80. O número mais alto indica a pressão sistólica, a força máxima em que o coração contrai e bombeia uma certa quantidade de sangue na circulação.

O número mais baixo, a leitura diastólica, mede a pressão nas artérias nos momentos em que o coração está relaxado entre os batimentos. As unidades de medida de pressão arterial são em milímetros de mercúrio; isso mede basicamente o quanto a pressão do sangue consegue empurrar uma coluna de mercúrio em um tubo vertical.

Em geral, o médico usa um estetoscópio e um esfigmomanômetro para medir a pressão arterial. O manguito envolve o braço e é insuflado até interromper o fluxo sanguíneo. À medida que se libera a pressão, o médico ouve o som que indica as pressões sistólica e diastólica.

Caso a sua pressão em repouso seja consistentemente 140/90 ou mais alta, você tem pressão alta. A pressão arterial normal dos adultos é 120/80 ou abaixo disso. A hipertensão é classificada da seguinte forma:

Sistólica                                      Diastólica

Normal:                                   Inferior a 120                                  Inferior a 80

Pré-hipertensão:                           120 a 139                                       80 a 89

Estágio 1 da hipertensão:           140 a 159                                      90 a 99

Estágio 2 da hipertensão:          Superior a 160                           Superior a 100

Você está estressado(a)?

Geralmente, o estresse é associado à tensão ou ao esgotamento emocional. Contudo, no meio médico, o estresse é definido como qualquer problema ou situação que exerça tensão indevida ao corpo.

O que representa um estresse insuportável para uma determinada pessoa, pode significar o inverso para outra. Mas, em ambos os casos, o fator desencadeante do estresse pode acionar o sistema automático de resposta do corpo. Assim, criam-se as condições de baixa de imunidade ou aumento da vulnerabilidade para doenças, desde resfriados comuns a infartos e câncer.

Como o estresse pode causar diferentes sintomas, tanto físicos quanto mentais, não costuma ser tarefa fácil determinar a verdadeira raiz de muitos problemas. A seguir, listamos as manifestações mais habituais do estresse. Fique alerta!

Sintomas físicos:  

Palpitação, falta de ar, dores no peito e outros sinais de doença cardíaca (que devem ser examinados);

Respiração acelerada e fora do comum, vertigem ou leve tontura;

Sensações de formigamento nas mãos e/ou pés;

Dores crônicas ou recorrentes nas costas ou no pescoço;

Frequentes dores de cabeça;

Diarreia ou prisão de ventre;

Azia e outros tipos de problemas digestivos.

Sintomas psicológicos:

Dificuldade de se concentrar e de tomar decisões;

Insônia;

Fadiga crônica, mesmo após descanso adequado;

Ansiedade prolongada;

Alteração de apetite e aumento de consumo de álcool, nicotina ou outras drogas;

Dificuldades de lidar com problemas, mesmo que pequenos;

Dificuldades em se divertir.

Eczema: amenize os sintomas

O eczema é uma erupção escamosa e pruriginosa habitualmente causada por sensibilidade a alimentos e a certas substâncias químicas, ou a condições ambientais como clima seco, por exemplo. Por isso, é bom evitar alimentos que desencadeiem ou agravem o eczema, além de causas externas como o atrito de roupas de algodão com a pele.

Nem sempre, a erupção é uma reação alérgica propriamente dita, mas uma reação do sistema imunológico a alguma substância geralmente inofensiva. Os sintomas variam e podem aparecer em qualquer parte do corpo em poucos minutos, ou mesmo horas, após a exposição ao alimento ou à substância desencadeante. O eczema pode ser genético, e pessoas com asma, febre do feno e urticária tendem a desenvolvê-lo.

Fique de olho na alimentação:

Certos alimentos como frutos do mar, nozes, ovos e derivados do leite desencadeiam o eczema. O ideal é submeter-se a exames que testem alergias a alimentos para evitar restrições alimentares desnecessárias.

Consuma mais antioxidantes: O clima seco também pode provocar eczemas ao desencadear a formação de radicais livres. Dessa forma, antioxidantes como o betacaroteno ajudam a combater o problema. Frutas e legumes que tenham cores fortes tais como o damasco, a abóbora, a manga, a cenoura e a batata-doce são boas alternativas.

Consuma alimentos ricos em ácidos graxos essenciais: alimentos como óleos vegetais, peixes com alto teor de gordura e linhaça podem diminuir os inchaços, ao ajudar a produzir hormônios chamados prostaglandinas, que reduzem as inflamações.

Vitamina B6: alguns pesquisadores acreditam que uma alimentação rica em vitamina B6 protege contra erupções sensíveis. Boas fontes dessa vitamina são o óleo vegetal, ovos, peixes gordos, legumes, arroz integral, germe de trigo e verduras de folhas verdes.