Páscoa 2015: ovos decorados

Em festas e celebrações religiosas como o Ano Novo e a Páscoa utiliza-se o ovo como símbolo de criação ou renascimento. No México, por exemplo, o primeiro dia do ano é comemorado com ovos pintados, recheados de confetes.

Os ovos, no entanto, não são populares apenas pelo que representam. Decorá-los é um passatempo muito divertido. Ovos coloridos servem como enfeites de mesas ou transformam-se em “gotas” originais se usados num móbile. Quando recheados com gesso em pó formam pesa-papéis.

Eles também são uma excelente forma de manter viva a lembrança de uma ocasião especial, ou, então, de divertir as crianças, pintando os ovos com motivos engraçados ou o rosto de seu personagem favorito.

Preparação do ovo

Em geral, os ovos brancos têm superfície mais adequada, pois resultarão cores mais puras. Mas, para efeitos especiais e na pintura de rostos, os ovos caipiras proporcionam resultados mais satisfatórios. Os ovos escuros imitam bem o tom da pele.

Você pode decorá-los cozidos ou vazios. Os cozidos, mais fáceis de trabalhar, são os indicados para as crianças. O ovo cozido terá maior durabilidade se você o ferver em fogo brando por meia hora.

Como esvaziar o ovo

Coloque o ovo cru num cálice especial, com o lado menor para baixo. Pegue uma agulha de costura comprida e faça um furo no alto. Vire-o ao contrário e repita a operação, fazendo desta vez o furo ligeiramente maior. Mantenha o ovo sobre uma tigela e, usando um canudinho ou colocando a boca sobre o furo menor, sopre o conteúdo para dentro da tigela.

Caso não saia com facilidade, sacuda o ovo ou pegue uma agulha comprida e fure a gema. Quando tiver esvaziado, encha o ovo de água, sacudindo levemente para limpá-lo. Tampe os furos com vela derretida e lave-o bem por fora, antes de começar a decorá-lo.

Técnicas de decoração

Tingimento

Utilize corantes vegetais de alimentos ou corantes de tecidos. os últimos têm a vantagem de apresentar uma grande variedade de cores. Use o corante de acordo com as instruções da embalagem, mergulhando e rolando o ovo na tintura com uma colher. Assim, você obterá um tingimento uniforme.

Há uma grande variedade de técnicas de tingimento que proporcionam efeitos diferentes na superfície do ovo. Você conseguirá efeitos surpreendentes também com pingos de tinta a óleo numa vasilha com água: encha de água 3/4 de uma tigela e dissolva nela 10 g de gelatina sem sabor; pingue na água um ou mais tons de tinta a óleo. Mexa para misturar um pouco as cores. Passe pelos furos do ovo um arame fino de florista; com a ajuda do arame, role o ovo lentamente na superfície de água de modo que recolha a tinta. Banhe cada ovo apenas uma vez, e cada um deles ganhará um colorido diferente.

Pintura

É sempre útil, na pintura com pincel, colocar o ovo no cálice próprio, pintando primeiro uma das extremidades, depois a outra. Use tinta de escrever, guache, caneta hidrográfica, ou qualquer tinta de artesanato. Você conseguirá o efeito de pérola pintando o ovo com várias camadas de esmalte de unha, cintilante. Deixe secar a primeira camada, antes de passar a seguinte.

Prancha de secar

Há muitas maneiras de secar um ovo pintado, como por exemplo, um cálice especial, ou uma prateleira. Mas o melhor método é colocar o ovo suspenso num prego batido numa prancha.

Páscoa 2015: bolo tipo alemão Pinheirense

A Páscoa está chegando, e muitas pessoas correm em busca das “guloseimas pascoais”. Mas a preocupação com a saúde e a balança é uma constante para alguns, que optam por alimentos mais saudáveis e menos calóricos também durante a Páscoa.

O bolo tipo Alemão é uma ótima alternativa para aqueles que evitam consumir ovos de Páscoa

O Bolo tipo Alemão Kuchen da Pinheirense é uma alternativa para aqueles que não querem abrir mão de receitas doces saborosas, assim como de uma alimentação mais nutritiva e equilibrada.

Feito artesanalmente, o bolo tipo Alemão Pinheirense não possui conservantes e leva frutas secas e castanha do pará em sua receita. Seu paladar e sua saúde agradecem!

Como incluir mais frutas no dia a dia

Saborosas, fáceis de digerir, fontes de energia e ricas em vitaminas e minerais, as frutas são essenciais para todas a pessoas que buscam qualidade de vida. As cítricas, que apresentam altas quantidades de vitamina C e conseguem neutralizar os radicais livres, auxiliam, ainda, na produção de colágeno, mantendo a pele firme. As frutas vermelhas também ajudam a retardar o envelhecimento da pele, pois contêm antocianina e ácido elágico, substâncias que evitam a formação de rugas.

Apesar de todos os benefícios que as frutas proporcionam, muita pessoas ainda têm dificuldades de incluir esses alimentos em sua dieta diária. Confira dez formas de comer mais frutas:

1- No café da manhã, coma seu cereal com banana, kiwi e frutas silvestres fatiadas ou frutas secas como passas ou damascos, e beba um pequeno copo de suco.

2- Recheie um melão-cantalupo ou outro melão com queijo cottage desnatado.

3- Leve para o trabalho, como lanche, porções individuais de frutas sem açúcar.

4- Coloque na pasta, bolsa, mochila ou porta-luvas frutas fáceis de carregar, como maçãs, peras, bananas, tangerinas ou frutas secas.

5- Faça uma vitamina com iogurte, leite ou bebida à base de soja misturada com uma variedade de frutas silvestres frescas ou congeladas.

6- Misture um prato de iogurte desnatado com frutas.

7- Adicione uma xícara (250 ml) de frutas silvestres frescas ou congeladas à massa de panqueca. Recheie as panquecas com maçã cozida ou compota de ruibarbo.

8- Nos restaurantes, peça frutas como entrada ou sobremesa.

9- Não jogue fora bananas maduras demais. Descasque e congele e use para fazer pão de bana ou muffins.

10- Adicione fatias de frutas como maçãs, peras e tangerinas a saladas verdes.

 

É possível aproveitar as bananas bem maduras, para preparar pães, por exemplo.

 

Delícias do Outono: Mandala de frutas com aveia

Ingredientes: 

2 colheres (sopa) de Semente de Girassol;

1/4 de xícara (chá) de aveia em flocos;

1 colher (sopa) de mel;

1 manga (de preferência, tipo palmer) laminada;

1 caqui ( de preferência, tipo fuyu) laminado;

1 fatia de abacaxi;

8 morangos laminados ao meio;

2 colheres (sopa) de uvas passas;

2 colheres (sopa) de iogurte natural;

6 unidades de uva vermelha (tipo moscatel) sem caroço;

6 folhas de hortelã.

Modo de preparo:

Misture a aveia com a semente de girassol e o mel e espalhe em uma assadeira. Leve para assar em forno médio pré-aquecido (180º) por 10 minutos. Retire do forno e deixe esfriar.

Enquanto isso, disponha as lâminas de fruta em um prato, começando pela borda com o caqui, em seguida, a manga e a fatia de abacaxi, no centro.

Coloque as metades dos morangos e as uvas inteiras sobre as lâminas de fruta. Polvilhe a mistura da aveia e as passas sobre as frutas. Sirva frio com o iogurte natural ao centro. Decore com as folhas de hortelã.

Outono 2015

O outono começa nesta sexta, 20, e com ele, a tão aguardada queda de temperaturas e a safra de várias frutas que são excelentes fontes de vitamina C, betacaroteno e potássio, além de outras vitaminas e minerais. A maioria das frutas é pobre em calorias e rica em fibras e, por isso, é ideal para quem busca uma dieta saudável e nutritiva.

Selecionamos algumas frutas típicas dessa estação do ano e seus respectivos benefícios para a saúde:

Abacate:

Rico em óleo monoinsaturado, a mesma gordura “amiga” do coração encontrada no azeite de oliva, possui mais fibras solúveis do que qualquer outra fruta;

- O abacate é repleto de um fitosterol chamado betasitosterol, que previne a absorção do colesterol pelo intestino;

- Essa fruta tem mais proteínas do que qualquer outra – aproximadamente 2 g em uma porção de 115 g;

- A metade de um abacate médio, cerca de 115 g, fornece 500 mg de potássio e mais de 26% da Ingestão Diária Recomendada (IDR) de ácido fólico. Também apresenta quase 6% da IDR de ferro, vitaminas C, E e B6.

Banana:

- Uma banana média contém aproximadamente 500 mg de potássio, mineral que auxilia na diminuição da pressão arterial;

- A banana contém o aminoácido triptofano, que estimula a produção de serotonina, um neurotransmissor que produz um efeito calmante no corpo;

- É uma fonte rica de vitamina B6. Uma banana média supre 45% da Ingestão Diária Recomendada (IDR). Apresenta 2 g de fibras, algumas das quais são solúveis, ajudando na redução dos níveis de colesterol no sangue;

- Rica em ácido fólico e fibras.

Coco:

- boa fonte de ferro e de fibras;

- Rico em ácidos graxos fáceis de digerir;

- O coco está presente em diversos produtos alimentícios e não-alimentícios. O óleo é usado na gordura vegetal, em cremes que não são à base de leite, em algumas margarinas e em diversos produtos industrializados. É também matéria-prima presente na fabricação de xampus, hidratantes, sabonetes e diversos outros cosméticos;

- A água de coco é rica em vitaminas, minerais, aminoácidos, carboidratos, antioxidantes, enzimas e outros fitonutrientes que ajudam o corpo a funcionar com mais eficiência. Seu conteúdo eletrolítico (mineral iônico) é um excelente reidratante oral.

Pera:

- Boa fonte de fibras;

- Contém vitamina C e ácido fólico;

- Uma pera média possui cerca de 100 calorias e fornece 5 g de fibras. Tais fibras são a pectina, fibra solúvel que ajuda no controle dos níveis de colesterol do sangue, e a celulose, fibra insolúvel que promove o bom funcionamento do intestino;

- Essa fruta ainda apresenta quantidades úteis de vitamina C, ácido fólico e potássio;

- A pera pode ser um lanche ou uma sobremesa ideal, e ainda é usada como acompanhamento doce ou picante de um prato. É saborosa tanto fresca quanto cozida, escaldada ou sautée.

Tálus: proteja esse osso

Ossos, como tantas coisas na vida, costumam se tornar conhecidos pelos motivos errados. Afinal de contas, numa cultura remediatista como a brasileira, determinados assuntos só entram em pauta quando algo não vai bem.

Claro que existe um outro extremo para este tipo de comportamento, igualmente prejudicial, que é a hipocondria. No entanto, entre um e outro limite há de existir um ponto de equilíbrio no qual a prevenção consciente conviva pacificamente com sabor de viver, tornando toda esta experiência existencial algo um tanto mais sustentável. Estudar os riscos para evitá-los, sem deixar de se aventurar.

Dentro deste espírito, uma dica importante é conhecer melhor a estrutura e as peculiaridades deste pequeno osso, de formato cúbico e escondido no tornozelo, chamado tálus. Suas características, tanto anatômicas quanto de regeneração, o tornam muito mais importante e estratégico do que sugere seu pequeno tamanho.

Localização

Posicionado abaixo da tíbia, à frente da fíbula e acima do calcâneo, o tálus tem a responsabilidade de garantir a maior parte dos movimentos do pé, ao mesmo tempo em que suporta o peso corporal e ainda absorve os impactos provenientes da locomoção. Uma combinação que, por si só, já o tornaria especial, ao concentrar tanta importância e tanto risco num único ponto do esqueleto.

Formato e peculiaridades

Dado seu formato cúbico, e seu posicionamento numa zona essencialmente móvel e sujeita a pesados estresses, o tálus é especialmente pobre no que toca a vascularização. A rigor, ele é irrigado por apenas uma artéria principal, tornando sua consolidação muito mais lenta e arriscada, em caso de fratura. Não são raros os casos em que ocorre necrose avascular, que numa tradução leiga poderia ser explicada como a morte do osso por falta de sangue.

Num artigo intitulado “Análise do resultado clínico-funcional e das complicações da fratura do colo do tálus”, assinado pelos doutores Leonardo Ribeiro Bastos; Ricardo Cardenuto Ferreira; e Marcelo Tomanik Mercadante, a conclusão resumida foi de que “A fratura do colo do tálus leva a alta incidência de complicações clínico-funcionais e radiográficas”. Outros documentos citam que, no caso de uma fratura tipo III neste mesmo osso, são necessários 36 meses para a completa substituição do corpo ósseo. Exatos três anos!

Cuidados necessários

Felizmente, a natureza cuidou de proteger este osso tão importante, revestindo boa parte de sua superfície com cartilagem, de forma a absorver impactos. Ainda assim, fraturas de tálus são bastante comuns em acidentes rodoviários, não apenas em motociclistas, mas também em motoristas e passageiros. Atletas profissionais ou amadores também devem tomar cuidados especiais, assim como pessoas de idade mais avançada. Especialmente mulheres, por sofrerem de forma mais intensa os sintomas da osteoporose.

O aparato de locomoção corporal depende bastante deste pequeno osso. Conhecer suas fragilidades, portanto, é a um só tempo importante e conveniente, na busca por uma vida mais saudável, livre, e em alguma medida independente.

Caviar de berinjela servido com Pão tipo Sueco Pinheirense

Foto: Alessandra Pimentel

Rende 20 porções

Ingredientes:

2 berinjelas;

1 dente de alho picadinho;

limão siciliano (somente o suco);

2 colheres de azeite;

1 colher de sopa de iogurte Grego;

Sal e pimenta cayenne;

20 folhas de menta;

1 colher de chá de páprica;

Pão Sueco Pinheirense

Preparo: Com um garfo, fure várias vezes as berinjelas e coloque-as no forno, até que seu interior fique macio. Espere esfriar e, em seguida, retire sua polpa. Tente tirar o máximo de líquido, espremendo com as mãos; coloque a berinjela, o alho, limão, azeite e o iogurte no processador, até que se obtenha um patê. Adicione sal e pimenta a gosto. Decore com a menta e a páprica e sirva com o Pão tipo Sueco Pinheirense.

Alimentos integrais: por que consumi-los?

Uma alimentação saudável e equilibrada faz toda a diferença para a saúde, e isso inclui o consumo de alimentos integrais, que por serem ricos em fibras, trazem diversos benefícios: ajudam a diminuir os níveis de colesterol e glicose, promovem sensação de satisfação, ajudam a prevenir constipação intestinal, auxiliam no controle de peso, dentre outros.

Algumas das fibras solúveis – pectina, farelo de aveia e outras – podem reduzir os níveis de colesterol no sangue. Por sua vez, isso reduz o risco de doenças das artérias coronárias e infartos decorrentes de aterosclerose – a formação de placas de gordura nas artérias.

As fibras são divididas em duas grandes categorias: solúveis e insolúveis. A maioria das plantas contém as duas fibras, embora alguns alimentos sejam mais ricos em uma do que na outra.

As fibras solúveis se dissolvem na água e se tornam viscosas. São encontradas na lentilha, leguminosas, farelo de aveia, aveia, linhaça, psílio, cevada e em frutas ricas em pectina como maçãs, morangos e frutas cítricas.

As fibras insolúveis não se dissolvem nem com a mastigação, passando através do trato digestivo praticamente inalteradas. São encontradas no farelo de trigo, nos produtos à base de trigo integral, no arroz integral, nas cascas de frutas e nos legumes/verduras como cenoura, brócolis e ervilhas.

Por fornecerem a sensação de saciedade e possuírem poucas calorias, ajudam a perder ou controlar o peso. A sensação de saciedade tende a desaparecer rapidamente quando as fibras passam pelo sistema digestivo.

A melhor maneira de usar a fibra para perder peso é consumir uma alimentação balanceada que também inclua pequenas quantidades de proteína e de gordura em cada refeição. Como o corpo metaboliza a proteína e a gordura mais lentamente do que as fibras, a pessoa não sentirá fome tão cedo.

Indivíduos adultos devem consumir diariamente cerca de 25 g de fibras. Os pães integrais, além de fornecerem energia como os demais, são ricos em fibras e fornecem nutrientes importantes para o organismo.

Através do consumo de alimentos integrais, é possível, desde a infância, prevenir-se de doenças como a diabetes tipo 2, obesidade, doenças cardiovasculares, constipação intestinal etc.

Todos os produtos fabricados pela Pinheirense contêm combinações variadas de sementes, além de serem integrais, artesanais e isentos de conservantes. São ideais para quem busca uma alimentação saudável.

Batata yacon ajuda a controlar a diabetes

A batata yacon, que pode ser encontrada nas feiras e supermercados de todo o Brasil, apresenta diversos benefícios para a saúde. E um deles é contribuir no controle da diabetes. Mas como isso acontece?

O tubérculo é rico em um carboidrato chamado frutooligossacárico, que funciona em nosso organismo de forma parecida com as fibras. Em suma, as moléculas desse carboidrato não são “quebradas” com facilidade pelo nosso organismo. Sendo assim, sua absorção é mais lenta, o que resulta na liberação do açúcar no sangue em baixas quantidades, equilibrando, dessa forma, as taxas de glicose do organismo.

Selecionamos algumas receitas, que irão ajudá-lo (a) a incluir a batata yacon em sua dieta diária:

Batata de Yacon Sauté

Ingredientes: 1 batata yacon; 1 a 2 dentes de alho amassados ou picados; Fio de azeite.

Modo de Preparo:

Descasque as batatas yacon e, em seguida, corte em cubos médios; deixe tudo mergulhado na água. Esquente a frigideira e adicione fios de azeite. Coloque as batatas e o alho e deixe dourar. Polvilhe uma pitada de gersal por cima e sirva com azeite de hortelã ou outro de sua preferência.

Salada de batata yacon

Ingredientes: 400 gramas de Yacon; 300 gramas de alface americana cortada; 2 unidades de pepino japonês; 300 gramas de agrião; 12 unidades de tomate uva ou sweet grape; 10 unidades de azeitona preta sem caroço (opcional).

Modo de Preparo:

Higienize o yacon, os pepinos, a alface, os tomates e o agrião. Descasque o yacon e corte-o em quadrados pequenos. Reserve. Descasque os pepinos, fatie, reserve. Separe as folhas da alface americana e corte-as, reserve. Separe as folhas dos caules do agrião e reserve. Mantenha a salada na geladeira até a hora de servir.

Suco com batata yacon

Ingredientes: 1 batata yacon pequena ( 100 g) sem casca; 1 kiwi; suco de 2 laranjas.

Modo de preparo: 
Retire a casca da yacon somente na hora de preparar o suco, pois ela escurece rapidamente. No liquidificador, bata a batata com os demais ingredientes. Coe (se preferir) e beba em seguida.

O pão nosso

A história do pão é praticamente tão antiga quanto a história em si, conforme academicamente a concebemos. Afinal, quando os primeiros pães começaram a ser consumidos, há cerca de 6.000 anos, a própria Revolução Neolítica ainda estava em curso dentro da realidade de diversas povoações espalhadas pelos quatro cantos da superfície terrestre.

O domínio da agricultura e do fogo, bem como a domesticação de animais e o surgimento dos primeiros esboços de uma comunicação padronizada, tanto em desenhos quanto em fonemas, eram ainda experiências tão recentes quanto raras entre a totalidade dos habitantes da Terra. E, desde estes tempos remotos para a humanidade, o pão já alimentava parcela significativa de populações, como os egípcios, servindo também como forma de pagamento por trabalhos realizados.

As inúmeras serventias do alimento, no entanto, representam apenas a ponta visível de um iceberg muito maior. Afinal, a própria elaboração da receita, desde a obtenção da farinha e do sal até o cozimento em água e a fermentação, representa um verdadeiro marco evolutivo na trajetória da humanidade. O homem, agora estabelecido num ambiente fixo, começava a dialogar com o ambiente à sua volta, adaptando-o às suas necessidades, e não apenas fazendo o caminho inverso.

A bricolagem envolvida na aplicação de objetos naturais como ferramentas improvisadas começava a dar lugar a artefatos projetados e elaborados com finalidades específicas. O homem experimentava pela primeira vez a magia e a potência da criatividade, e materializava na complexidade do pão – um alimento composto, elaborado, e inexistente enquanto tal na natureza – o triunfo sobre o problema eterno da busca por nutrientes.

De forma bastante concreta, era pela primeira vez a mente alimentando o corpo. Uma constatação forte o bastante para tornar válida a discussão acerca do que terá de fato ocorrido: o pão nascido como filho primogênito do homem criativo; ou o próprio homem criativo ter vivido seu primeiro momento através do pão.

Distanciando-se dos instintos, o homem começava a sintetizar e produzir conhecimento. Experimentava, alterava, criava. E o pão – desde a noite dos tempos, testemunha o marco desta caminhada – não apenas dava materialidade a esta vocação criativa, como também era capaz de adaptar-se aos mais diferentes contextos, sempre conservando seu papel fundamental na alimentação de todas as gerações desde então.

Símbolo maior e mais antigo da cooperação entre o divino e o humano, o pão ganha contornos de profunda sacralidade aos olhos de boa parte da população mundial, através da vida e da mensagem pregada por Jesus Cristo, 2.000 anos atrás. Intitulando-se “o Pão da Vida”, Jesus eternizou o alimento ao citá-lo no Pai Nosso, e ao instruir que através da renovação de sua santa e derradeira ceia fosse celebrada sua memória. Além disso, foi também através da multiplicação de pães que Jesus, conforme o relato bíblico, alimentou ao menos por duas vezes grandes multidões que o seguiam.

Presente e ativo ao longo de toda a história registrada do homem sobre a Terra, o pão sobreviveu a todas as evoluções tecnológicas sem jamais ver questionada sua importância – tanto na nutrição quanto na composição da própria identidade cultural de uma espécie.

Ao longo dos milênios, inúmeras civilizações fizeram suas próprias interpretações daquela receita tão simples e perfeita, gerando uma infinidade de variações deste que é o alimento humano por excelência. Todas elas, igualmente herdeiras desta parceria que não apenas serve de suporte à história humana, mas que também, sob vários aspectos, chegou mesmo a defini-la.

E esta história continua a ser escrita a cada fornada preparada, dia após dia, desde as primeiras horas da madrugada. Não existe nada de banal, portanto, no ato de levar um pedaço de pão à boca, quando este mesmo ato talvez represente a ligação mais próxima e atual com os hábitos e rituais dos primeiros ancestrais criativos, nas bases mais profundas da civilização, e de tudo aquilo que ainda significa ser humano.

Vale a pena lembrar disso durante o próximo café da manhã.