Por que caímos?

Ninguém esquece como andar. Porém, por volta dos 40 anos de idade, diversos fatores físicos nos deixam mais propensos às quedas. Com o passar do tempo, cresce a probabilidade de que isso aconteça. Fique atento com os seguintes itens:

Falta de exercício: A fraqueza das pernas é a maior causa das quedas, mais do que quadruplicando o risco de acidentes. Músculos fracos tornam a pessoa propensa a cair e diminuem a probabilidade de que interrompa a queda ou recupere o equilíbrio se começar a escorregar. Caso tenha tempo para somente uma atividade, caminhe ou faça um treino de força para as pernas.

Problemas de visão: Glaucoma, degeneração macular e catarata se tornam mais comuns com a idade. Em geral, como a visão se deteriora aos poucos, talvez não seja possível notar isso no início. É importante detectar tais doenças cedo. Não aceite as mudanças de visão como parte do envelhecimento – há tratamentos efetivos para preservar a visão de danos maiores. Vá ao oftalmologista com frequência.

Medicação: Antidepressivos, antiarrítmicos, digoxina e diuréticos aumentam de forma significativa o risco de queda. Além disso, se estiver tomando três ou mais tipos de medicação, a probabilidade de queda aumenta.

Perigos ambientais: Capachos, bagunça e salas superlotadas se tornam campos minados à medida que você envelhece. Até mesmo os carpetes representam um risco, pois pode-se tropeçar caso a sola do sapato agarrar nele. Outros problemas domésticos em potencial incluem baixa iluminação, a falta de corrimãos ou corrimões frouxos nas escadas e no chuveiro/banheira.

Artrite: Se você tem artrite, a probabilidade de sofrer uma queda é duas vezes maior. Não é a artrite em si que aumenta o risco, mas o fato de que, em geral, as pessoas com a doença param de se exercitar. Dessa forma, os músculos enfraquecem.

Depressão: A depressão duplica o risco de queda. Algumas razões possíveis incluem o fato de não se prestar atenção ao que está ao redor. Ingerir mais álcool e comer menos, ou os efeitos colaterais de medicamentos.

Quedas anteriores: Se você já sofreu alguma queda antes, a probabilidade de voltar a cair é três vezes maior do que a de uma pessoa que nunca caiu.

Panis et Circenses: atividades culturais gratuitas acontecem em diferentes regiões de São Paulo

Shows, apresentações de dança, teatro, circo, performances, instalações e oficinas continuam agitando espaços públicos de São Paulo nos dias 27, 28 e 29 de janeiro. As atividades, gratuitas, fazem parte do Cultura Livre SP, iniciativa da Secretaria de Estado da Cultura em parceria com a Secretaria de Estado do Meio Ambiente, que promove a ocupação cultural de parques e outros espaços públicos da capital durante o verão. O projeto é realizado pela APAA – Associação Paulista dos Amigos da Arte.

No sábado (28/1), os destaques da programação são as instalações Caminhos Efêmeros da Poesia, que gravam frases e poemas no asfalto e entre as raízes das árvores, e Poesia não tem hora, um relógio de sol com uma das árvores do parque Villa Lobos como ponteiro, tudo acompanhado por um sarau poético. As intervenções de Rita Alves e do artista e publicitário Lee Swain, serão feitas às 13h. Às 16h, o Villa Lobos também recebe o show DJ Tudo e Sua Gente de Todo Lugar, com um mix eletrônico com manifestações tradicionais como maracatu, afoxé, caboclinho, congado, embolada e baiana.

No domingo (29/1), tem o teatro de rua Reis de Fumaça, da Cia do Feijão, às 15h, no Horto. Além de nomes como Toninho Ferraguti, que se apresenta às 12h, e o grupo Jogando no Quintal, às 16h, ambos no Parque da Juventude. O trio Jogando Tango se apresenta na sexta (27/1), às 12h30. A programação completa está no www.culturalivre.sp.gov.br

 

O projeto iniciado em outubro do ano passado segue até abril, sempre às sextas-feiras e aos finais de semana. Aos sábados, a programação é no Parque Villa Lobos (Zona Oeste). Aos domingos, as atividades são realizadas nos parques Ecológico do Tietê (Zona Leste), Ecológico do Guarapiranga e Zoológico (Zona Sul), da Juventude e Horto Florestal (Zona Norte). Às sextas-feiras, a praça da Esperança do Hospital de Clinicas (Zona Oeste) recebe apresentações de música instrumental.

Programação Cultura Livre SP

Sexta-feira (27/1)

Praça da Esperança do Hospital das Clínicas
12h30 – Jogando Tango (música Instrumental)

Sábado (28/1)

Parque Villa Lobos 
12h – Sorós Chorinho (música instrumental)
13h – Poesia não tem hora e Caminhos efêmeros da Poesia (intervenção, instalação, performance)
14h – Circo do Só Eu – Barracão Teatro (circo)
15h – Oficina Circense – Corpo Mágico (oficina)
16h – DJ Tudo e sua Gente de Todo Lugar (show)

Domingo (29/1)

Parque do Horto Florestal 
12h – Quinteto Café Tango (música instrumental)
14h – Oficina Circense – Corpo Mágico (oficina)
15h – Reis da Fumaça – Cia. do Feijão (teatro de rua)

Parque da Juventude 
12h – Toninho Ferraguti (música instrumental)
13h – Quer voar?– As Rutes (intervenção)
14h – Circo Nosotros (circo)
15h – Experiência Mágica – Célio Amino (oficina)
16h – Jogando no Quintal – Pocket (teatro)

Parque Ecológico do Tietê
12h – Quarteto Imperador (músico instrumental)
13h – Poesia não tem hora e Caminhos efêmeros da Poesia (intervenção/ instalação/ performance)
14h – MIX – Famílias Tradicionais (circo)
15h – Fios no Espaço (oficina de artes visuais)
16h – Forró é Melhor – Sopro Cia. de Dança (dança)

Parque Ecológico do Guarapiranga 
12h – Vitor Lopes e Chorando as Pitangas (música instrumental)
14h – Ver/Ter – Les Commediens Tropicales (intervenção)
15h – O Palhaço Sonhador e Sua Volta ao Mundo – Família Klenquen (circo)

Zoológico
11h – Om Com Tô? Quem Cô Sô? Prom Co Vô? (programação Infantil – circo)

Cultura Livre SP
Data: Quarta-feira (25/1) e sábados e domingos até março

Parque Villa Lobos (Zona Oeste)
Endereço: Avenida Professor Fonseca Rodrigues, 2001, Alto dos Pinheiros

Parque Ecológico do Tietê (Zona Leste)
Endereço: Rua Guirá Acangatara, 70, Cangaíba
Acessos: pelo km 17 da Rodovia Ayrton Senna sentido SP/RJ), Av. Dr. Assis Ribeiro (altura do número 3.000) e Via Parque (marginal direta da Rod. Ayrton Senna)

Praça da Esperança do Hospital das Clínicas (Zona Leste)
Endereço: Rua Dr. Enéas de Carvalho Aguiar, 255, Cerqueira César

Parque Ecológico de Guarapiranga (Zona Sul)
Endereço: Estrada da Riviera, 3286, Bairro da Riviera Paulista

Parque da Juventude (Zona Norte)
Endereço: Av. Zachi Narchi, 1309 – Santana

Parque do Horto Florestal (Zona Norte)
Endereço: Rua do Horto, 931. Bairro do Horto Florestal

Zoológico (Zona Sul)
Endereço: Avenida Miguel Stéfano, 4241, Água Funda

Site: www.culturalivresp.com.br

Dicas de saúde: linhaça, fonte de fibras

Por ser uma rica fonte de fibras solúveis, a linhaça auxilia na redução dos níveis de colesterol, combatendo doenças cardíacas. Além disso, já é comprovado que as fibras insolúveis dessa semente contribuem ainda para evitar a prisão de ventre.

Fonte de ácido alfa-linoléico (ALA) – um ácido graxo essencial considerado como uma gordura “boa para o coração”-, ajuda a afinar o sangue para que o coração não tenha que fazer tanto esforço para transportá-lo pelos vasos sanguíneos. Os ácidos graxos ômega-3 não são produzidos pelo organismo, precisam ser adquiridos por meio de alimentos, como a linhaça.  Eles reduzem a tendência das plaquetas de se agruparem, formando coágulos.

As lignanas, que compõem a semente de linhaça, convertem-se em compostos similares ao estrogênio do próprio organismo, mas com menor atividade. Possuem a capacidade de ocupar os receptores de estrogênio nas células e bloquear os efeitos de estrógenos mais fortes. Devido a esse fator, diversas pesquisas estudam o papel da linhaça na prevenção de alguns tipos de câncer vinculados a hormônios, como o câncer de mama e de cólon.

A semente de linhaça, também conhecida como semente de linho, não possui glúten.

Fabricamos os seguintes produtos que possuem linhaça em sua composição: Pão de Trigo Integral com Linhaça; Pão tipo Sueco com linhaça; Pão Sueco com Linhaça e Quinoa.

A Pinheirense não utiliza conservantes e produtos químicos na fabricação dos produtos. A produção é artesanal.

Pão tipo Sueco com linhaça

Sinais da idade

Com o passar dos anos, surgem as mudanças relacionadas à idade, os sinais de envelhecimento. Cada década apresenta transformações específicas, compartilhadas por todos os seres humanos. Confira:

20 anos:

Os primeiros sinais da idade aparecem em sua pele quando as fibras de colágeno que mantêm a pele esticada começam a enfraquecer.

30 anos:

Você pode encontrar seu primeiro cabelo branco. Os homens podem perceber que o cabelo está perdendo a cor e, ou desaparecendo;

Você passou do meio do caminho em termos de força óssea. A regeneração óssea já não é tão rápida;

Quando você fizer 39 anos, provavelmente terá mais dificuldade em manter seu peso com os mesmos hábitos alimentares e de exercícios que seguia no início da década. Seu metabolismo está desacelerando – hora de aumentar a intensidade da atividade física;

Essa é a hora em que a fertilidade das mulheres começa a diminuir. Pode demorar mais para engravidar e ser necessário a ajuda de um especialista;

40 anos:

Isso é uma ruga? Sim, este é o momento da vida em que o sol que você tanto idolatrou se volta contra você;

No meio dessa década, você tem mais probabilidade de morrer de câncer do que de acidentes;

No fim da década, você pode perceber que os dias de rock’n roll deixaram os sons um pouco abafados. Mesmo que você tenha sido aficionado por música clássica, os tímpanos perderam elasticidade, afetando a audição;

Não se esqueça dos óculos de leitura. A questão não é “se” você desenvolverá presbiopia (vista cansada), mas “quando”. Ela ocorre porque os cristalinos nos olhos endurecem com a idade, tornando o foco mais difícil;

50 anos:

Um dia, você olha para as suas mãos, mas vê as mãos de sua avó. Todas aquelas manchas marrons e veias saltadas são resultado de anos de exposição solar e da incapacidade cada vez maior de sua pele livrar-se de um resíduo chamado lipofuscina – produzida quando radicais livres se acumulam na pele;

É a época da menopausa. A idade média da menopausa, na maioria dos países, é 52 anos.

60 anos:

Embora não veja, você provavelmente tem pequenas bolsas ao longo de seus intestinos chamadas divertículos. Elas não vão incomodá-lo, contanto que pedaços de comida digerida não fiquem presos nelas. Se isso acontecer, elas inflamam e infeccionam. Para evitar que isso aconteça, como muitas fibras;

Homens podem começar a apresentar problemas urinários decorrentes do aumento da próstata;

O risco de desenvolver catarata aumenta. O oftalmologista pode detectá-la no exame de rotina, e ela é facilmente eliminada com cirurgia.

70 e 80 anos:

Como se sentirá aos 70 e 80 anos depende de como você passou as últimas seis décadas. Se nunca praticou exercícios, fumou, bebeu muito e considerava assistir TV uma atividade intelectual, você pode se encontrar fragilizado por diabetes e doença cardíaca, e enfrentando as dores da artrite, além de começar a esquecer de coisas simples.

Dicas de saúde: benefícios da aveia

A aveia é uma fonte saborosa, acessível, versátil e econômica de nutrientes e de fitoquímicos. Apresenta efeitos benéficos sobre o colesterol, pressão arterial, níveis de açúcar no sangue, saciedade e saúde gastrointestinal.

Excelente fonte de fibra solúvel, cálcio, ferro, manganês, folacina, vitamina E, tiamina, niacina, riboflavina e outras vitaminas do grupo B, ajuda na redução tanto do nível de açúcar no sangue quanto dos níveis de insulina, um fator importante no controle do diabetes.

O farelo de aveia é rico em betaglucano, o que ajuda a reduzir os níveis de colesterol, podendo diminuir os riscos de infartos. Alguns estudos demonstram que a aveia não apenas diminui o colesterol LDL, mas também aumenta os níveis do bom colesterol, o HDL.

Por possuir um valor elevado de saciedade, o que significa que leva um longo tempo para ser digerida, a sensação de fastio é mais duradoura. Acredita-se que tanto a proteína como as fibras de aveia contribuem para esse efeito.

Entre os produtos fabricados pela Pinheirense estão o Pão de Trigo Integral com Aveia e o Pão Tipo Sueco com Aveia Light. Experimente!

Todos os produtos fabricados pela empresa contêm combinações variadas de sementes e são ideais para quem busca uma alimentação saudável.

Rubor facial: conheça as causas e o tratamento

O rubor facial sempre foi relacionado à timidez, afinal, quem nunca presenciou alguém ficando ruborizado diante de uma situação constrangedora? Porém, em algumas pessoas, o rubor não tem como causa apenas fatores emocionais.

Há alguns anos, médicos de todo o mundo realizam um procedimento cirúrgico chamado simpatectomia torácica para solucionar o problema que, em alguns indivíduos, é provocado por causa de uma disfunção no nervo simpático torácico, que ao emitir uma mensagem errada, exagerada ao sistema nervoso central, causa os sintomas – rubor e a sensação de queimação e ardência em todo o rosto.

Diagnostica-se que uma pessoa possui a disfunção do nervo simpático torácico quando apresenta o rubor facial em excesso com muita frequência e por qualquer motivo, sem que, para tal, precise estar constrangida, por exemplo. Além disso, quem tem essa doença, manifesta outros sintomas, como taquicardia, ansiedade excessiva e falta de ar.

“O rubor em excesso ocorre em pessoas que apresentam uma disfunção ao nível do nervo simpático, localizado no interior do tórax. Em razão disso, é lançada uma mensagem exagerada (errada) que provoca no organismo a liberação de adrenalina, dilatando as artérias da face e/ou pescoço e/ou tórax e/ou braços, gerando o rubor em excesso e uma sensação de ardência e/ou calor e/ou queimação nos locais (especialmente na face)”, explica o Dr. Antonio Malucelli, especialista em medicina do tórax. Aproximadamente 0,2% da população mundial sofre desse mal. Há uma maior incidência em indivíduos da mesma família e em descendentes de poloneses, alemães e outros povos de pele clara.

A simpatectomia torácica é realizada sob anestesia geral, através de 2 incisões (0,7 a 1 centímetro) no tórax. Coloca-se o toracoscópio adaptado a uma microcâmera – vídeo-cirurgia do tórax – cirurgia minimamente invasiva. Esse sistema visualiza a região interna do tórax, com aumento de 20 vezes, lançando a imagem para dois monitores de vídeo. A partir daí, procede-se à cirurgia, clipando (clip de titânio) um ou mais segmentos do nervo ou realizando a secção de um ou mais segmentos do nervo (com bisturi elétrico, tesoura, laser, ultracision, bisturi ultra-sônico ou harmônico, etc).

A simpatectomia torácica é realizada sob anestesia geral, através de 2 incisões (0,7 a 1 centímetro) no tórax.

O paciente já sai do centro cirúrgico, em aproximadamente 98% dos casos, sem a sensação de calor e/ou ardência e/ou queimação no rosto, ou seja, não sentirá mais os efeitos do rubor. Ocorre também a diminuição e/ou eliminação da intensidade (cor do vermelho) e da frequência do rubor, em aproximadamente 50 a 80% dos pacientes.

Os inúmeros tratamentos que têm sido realizados por mais de 40 anos no mundo inteiro não surtem bons resultados e, quando geram alguma melhora, esta é temporária. O uso de medicamentos é um exemplo – o tratamento clínico é realizado com o uso de medicamentos orais tais como calmantes, antidepressivos, ansiolíticos que tratam a depressão e a ansiedade. Contudo, não tratam a causa do rubor facial que é uma disfunção no sistema simpático e não no sistema nervoso central.

“O rubor em excesso é devido a uma disfunção do nervo simpático, e pode ser desencadeado (só em quem possui essa disfunção) tanto quando a pessoa fica nervosa, ansiosa, em situações constrangedoras, quanto na ocorrência de situações normais (conversando com amigos, realizando sozinha qualquer atividade, etc).

O rubor facial também não pode ser confundido com a rosácea, que é uma doença da pele.

Dicas de saúde: coma feijão

Presente na alimentação diária de milhões de brasileiros, o feijão contém ácido fólico, vitaminas A e C, e os maduros (na casca) são ricos em proteínas e em ferro. A população brasileira conta com uma grande variedade de opções a serem cultivadas e consumidas.

Os tipos mais conhecidos são o feijão-preto, o feijão-fradinho, o feijão-branco, o feijão-carioca, o feijão-rosinha, o feijão-roxinho, o feijão-mulatinho, entre outros. O brasileiro consome em média 12,7 kg de feijão por ano.

Feijões-verdes (que também podem ser amarelos ou roxos) são colhidos ainda não maduros. Tanto a vagem macia como as sementes suaves são comestíveis. Às vezes, são chamados de feijão-branco. Nas variedades com casca, apenas as sementes são comestíveis. Alguns, como a vagem, são colhidos ainda verdes, já outros amadurecem no pé.

Valor nutricional

Feijão-de-lima e fava são boas fontes de proteína, fornecendo cerca de 7 g por cada meia xícara. A mesma porção de feijão baby ou de feijão-de-lima contém 2 mg de ferro, mais que o dobro das favas e quatro vezes a quantia em ½ xícara de feijão-verde.

Todas as variedades contêm ácido fólico, vitaminas A e C. Feijão na casca tem mais tiamina, vitamina B6, potássio e magnésio. A fibra solúvel em feijão com casca pode reduzir o colesterol, mas a presença de carboidratos como rafinose pode provocar gases.

Receita: Arroz de forno

Tempo de Preparo: 20m;

Cozimento: 30m;

Acompanhamento: vinho tinto

Ingredientes:

Para 4 pessoas

250 g de arroz;

3 cravos-da-índia;

1 cebola grande;

100 g de presunto;

200 g de lingüiça de fumada;

2 cenouras grandes;

1 aipo;

2 alhos-porós;

1 ramo de salsinha;

4 colheres de sopa de azeite;

1 colher de sopa de coentro picado;

Sal, pimenta

Preparo:

1 – Lave o arroz e cozinhe por 15 min. Em 1 litro de água fervente temperada com sal e os cravos-da-índia. Descasque e pique a cebola. Corte o presunto em fatias finas e a lingüiça em rodelas.

2 – Raspe e pique as cenouras e o aipo. Retire as raízes e as pontas do alho-poró, depois lave e corte em rodelas. Lave a salsinha. Aqueça o forno a 210 °C.

3 – Numa panela, doure a cebola em 2 colheres de azeite. Acrescente o presunto e a lingüiça. Adicione os legumes, o arroz com a água em que ele foi cozido e a salsinha.

4 – Misture. Deixe ferver, tempere com sal e pimenta. Transfira o conteúdo da panela para uma assadeira e leve ao forno para gratinar com azeite e coentro picado.

Estação das chuvas: dicas para quem vai viajar

Verão combina com férias, que por sua vez combinam com pegar a estrada. No entanto, as altas temperaturas coincidem também com a estação das chuvas, tornando este um período potencialmente perigoso para quem gosta de viajar. Vale, portanto, anotar algumas dicas para que seu veículo esteja em perfeito equilíbrio dinâmico na hora de sair com a família.

Começando pelos pneus, é crucial que eles estejam em bom estado, com as ranhuras profundas e bem definidas, além, é claro, de estarem sempre calibrados conforme a especificação do fabricante. O mesmo vale para o estepe. As rodas também devem estar alinhadas e balanceadas, para que o veículo aproveite ao máximo – e sem vibrações – o potencial de aderência dos pneus.

Observados estes procedimentos, é hora de verificar a cambagem e o caster de cada uma das rodas.

Camber é o ângulo vertical da roda quando o carro é observado pela frente ou por trás. Se a base das rodas estiver projetada para fora o carro terá mais aderência para percorrer curvas e menos aderência para acelerar ou frear em linha reta. Se, por outro lado, os pneus estiverem perfeitamente perpendiculares ao piso, então o carro terá muita aderência para acelerações e frenagens, mas deverá se mostrar escorregadioem curvas. Aqui, mais uma vez o ideal é seguir a recomendação do fabricante, que para a maioria dos carros gira em torno de 1º de inclinação externa.

Já o caster se mede pela inclinação para frente ou para trás da linha central do pivô de sustentação da roda. Sua aferição rotineira é importante, porque ao subir em calçadas ou colher buracos em estradas, as rodas – principalmente as dianteiras – podem sofrer pequenos recuos, alterando negativamente o comportamento do carro. Se uma roda estiver mais recuada que a outra, a direção do veículo irá puxar para o lado mais recuado. E mesmo que as duas rodas estejam igualmente recuadas, ainda assim o carro irá perder estabilidade e sensibilidade.

Com estas questões resolvidas, vale observar também a distribuição de peso dentro do automóvel. Se possível, distribua os passageiros de maneira que um lado do carro não fique muito mais pesado que o outro. A distribuição da bagagem também pode ajudar nessa tarefa, e é sempre conveniente que as malas mais pesadas sejam colocadas ao fundo do porta-malas, próximas ao banco traseiro. Assim garante-se um comportamento mais neutro por parte do veículo quando percorrendo curvas acentuadas.

Por fim, tenha a certeza de que seu carro está freando de forma similar em todas as quatro rodas (experimente frear levemente numa linha reta e sem inclinações, para ver se ele guina ou puxa para algum dos lados), e jamais dirija próximo a outros veículos. Esteja atento a manchas de óleo ou à presença de lama na pista, avisando sempre a quem vem no sentido contrário, e às autoridades competentes sobre os riscos encontrados.

Seguindo estas medidas simples, e observando o estado de molas e amortecedores, você estará no caminho certo para curtir com a família as maravilhas deste e de muitos outros verões.