Dicas de Saúde: benefícios das sementes

Sementes de Girassol:

Fontes de fibras, gordura de boa qualidade, magnésio, selênio e vitaminas A, D e E, o consumo diário dessas poderosas sementes traz muitos benefícios à saúde, como: bom funcionamento do intestino, redução de doenças cardiovasculares, ameniza os sintomas da menopausa, além de ser importante para o sistema imunológico e para a formação de ossos e dentes.

Sementes de Abóbora:

Fornecem uma grande variedade de nutrientes, são ricas em magnésio, manganês e fósforo, além de boas fontes de ferro, cobre, proteína e zinco.

Suas propriedades curativas têm sido estudadas em relação à artrite como antiinflamatório. O zinco encontrado nas sementes pode influenciar na função da próstata, mantendo-a saudável, além disso, serve também de proteção para os ossos.

Conheça os produtos Pinheirense:

Pão de Trigo Integral

Pão de Trigo Integral com Aveia

Pão de Trigo Integral com Linhaça

Pão com Sementes

Pão de Trigo Integral com Kümmel

Pão tipo Sueco

Pão tipo Sueco com Kümmel

Pão tipo Sueco com Alho

Pão tipo Sueco com Gergelim

Pão tipo Sueco com linhaça

Pão Sueco com Gergelim e Girassol

Pão tipo Sueco Tradicional Light

Pão tipo Sueco com Soja Light

Pão tipo Sueco com Aveia Light

Pão Sueco com Linhaça e Quinua

Pão Sueco com Centeio, Sarraceno e Castanhas

Pão de Nozes com Passas

Pão de Centeio com Sarraceno

Receita de Farofa Integral

Ingredientes:

1 xícara de Pão tipo Sueco Pinheirense (triturado);

1 xícara de farinha de linhaça;

1 xícara de farinha de mandioca;

1 colher de manteiga;

½ xícara de óleo de canola;

1 cebola picada.

Modo de preparo:

1 – Junte as farinhas e coloque sal a gosto;

2 – Doure a cebola na manteiga e óleo, e jogue as farinhas já misturadas;

3 – Mexer até ficar bem torradinha, usando fogo baixo para não queimar.

 

 

 

Pinheirense lança novos produtos: Pão de nozes com passas e Pão de centeio com sarraceno

A Pinheirense acaba de lançar dois novos produtos que chegam às prateleiras da conceituada Importadora Casa Santa Luzia, em São Paulo, nesta segunda-feira, 24 de outubro: Pão de nozes com passas e Pão de centeio com sarraceno.

Há mais de 70 anos, a Pinheirense mantém a produção artesanal, sem o uso de conservantes e produtos químicos, além de preservar a seleta receita que confere saborosos e saudáveis pães integrais de forma e tipo Sueco.

Todos os produtos fabricados pela empresa contêm combinações variadas de sementes e são ideais para quem busca uma alimentação saudável.

Confira os benefícios à saúde dos principais ingredientes presentes nos novos produtos da Pinheirense:

Nozes:

Geralmente consumidas em festas de fim de ano, as nozes, ricas em substâncias como magnésio e potássio, deveriam ser incluídas na dieta diária de todas as pessoas preocupadas com a saúde.

Fonte de vitaminas A, C, E, contêm muitas fibras, auxiliando no funcionamento intestinal. Se forem consumidas de maneira equilibrada, sem excessos, as nozes abastecem o corpo com gorduras benéficas: as ômegas 3 e 6, grandes protetores cardiovasculares. Além disso, também ajudam a regularizar o colesterol ruim (LDL) e a elevar o bom (HDL).

Passas:

Além de saborosa, a uva passa traz muitos benefícios à saúde. Rica em fibras, auxilia no bom funcionamento intestinal e na eliminação das toxinas do corpo. Fonte de antioxidantes, protege as células, ajudando a prolongar a juventude.

A uva passa contém uma maior quantidade de ferro e vitaminas do complexo B do que a uva fresca. Por também apresentar vitaminas C e A, ajuda a combater afecções hepáticas, pois auxilia na desintoxicação do fígado, aumentando a produção de bílis. Além disso, é uma aliada no equilíbrio da flora intestinal, atua como diurético e descongestionante, além de ser um bom eliminador de ácido úrico.

O consumo regular de uva passa é recomendado para quem sofre de artrites, obesidade, no combate de doenças cardíacas, e para esportistas, por ser uma grande fonte de energia.

Sarraceno:

Rico em proteínas e minerais, o trigo sarraceno não produz colesterol, por ter poucas calorias. Devido às fibras, ajuda a regularizar o funcionamento intestinal.

Por não conter glúten, é a opção certa para pessoas sensíveis a essa proteína, ou com alguma doença celíaca. Fonte de flavonóides, fitonutrientes protetores contra vários tipos de doenças, alargam a ação da vitamina C, agindo como antioxidantes; estes compostos não só ajudam a manter o fluxo sanguíneo, como atuam ainda na prevenção do aumento dos níveis de LDL (colesterol ruim) ao agirem como fatores antioxidantes, protegendo o organismo dos danos causados pelos radicais livres. Todas essas ações contribuem para a proteção contra as doenças cardiovasculares.

Dicas de Saúde: o poder das fibras

Hábitos alimentares saudáveis, que incluem o consumo adequado de alimentos ricos em fibras, aliados a um estilo de vida saudável, passam a ser fator importante para a diminuição de riscos de doenças, melhorando a qualidade de vida.

Alguns benefícios das fibras: regulam o funcionamento do intestino, atuam na absorção dos carboidratos, aumentam a saciedade, ajudando no emagrecimento, agem na manutenção dos níveis de colesterol.

Exemplos de boas fontes de fibras: castanha-do-pará, nozes, uva-passa, farinha de aveia, farinha de centeio, farinha de trigo, farelo de trigo, farelo de aveia, pão de aveia, pão de centeio e outros pães integrais.

Todos os produtos fabricados pela Pinheirense contêm combinações variadas de sementes e são ideais para quem busca uma alimentação saudável:

  • Pão de Trigo Integral
  • Pão de Trigo Integral com Aveia
  • Pão de Trigo Integral com Linhaça
  • Pão com Sementes
  • Pão de Trigo Integral com Kümmel
  • Pão tipo Sueco
  • Pão tipo Sueco com Kümmel
  • Pão tipo Sueco com Alho
  • Pão tipo Sueco com Gergelim
  • Pão tipo Sueco com linhaça
  • Pão Sueco com Gergelim e Girassol
  • Pão tipo Sueco Tradicional Light
  • Pão tipo Sueco com Soja Light
  • Pão tipo Sueco com Aveia Light
  • Pão Sueco com Linhaça e Quinua
  • Pão Sueco com Centeio, Sarraceno e Castanhas

Dia Mundial da Alimentação: “Preço dos Alimentos – da crise à estabilidade”

Neste domingo, 16 de outubro, é comemorado o Dia Mundial da Alimentação. A data, celebrada desde 1981, também faz menção à Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação (FAO- Food and Agriculture Organization), criada em 1945, com o objetivo de aumentar os níveis de nutrição e de desenvolvimento rural em todo o mundo.

A desnutrição é um grave problema de saúde pública, e a fome faz milhões de vítimas em todo o mundo. Segundo o Banco Mundial, devido ao aumento dos preços de alimentos, entre 2010 e 2011 cerca de 70 milhões de pessoas passaram a viver na pobreza extrema. Não por acaso, o tema deste ano é “Preço dos Alimentos – da crise à estabilidade”.

O objetivo é sensibilizar tanto a sociedade quanto os governos para a promoção da cooperação e da solidariedade na luta contra a fome, a desnutrição e a pobreza no mundo. A segurança alimentar e nutricional, principalmente nos países pobres e em desenvolvimento, é ameaçada devido ao aumento abusivo dos preços dos alimentos.

Não apenas a desnutrição por escassez ou falta de alimentos, mas também as doenças oriundas do consumo de alimentos que contêm produtos tóxicos e agrotóxicos são fatores que apontam para a insegurança alimentar e nutricional. Além disso, as altas taxas de sobrepeso e obesidade só aumentam. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), a obesidade é um dos maiores problemas de saúde pública do mundo, atingindo um bilhão e meio de pessoas. No Brasil, aproximadamente 40% da população adulta está acima do peso.

A alimentação é um assunto sério e que deveria ser levado como tal por todas as pessoas. Os contrastes e desequilíbrios alimentares experimentados em todo o mundo não são recentes. É crucial a adoção de medidas conscientes e hábitos alimentares saudáveis. Aproveite o Dia Mundial da Alimentação para fazer uma reflexão sobre o assunto e a triste realidade de milhares de indivíduos ao redor do mundo.

 

 

 

 

Conservantes: uma faca de dois gumes a serviço da alimentação

Antes mesmo de dominar a agricultura, o homem primitivo já conhecia os problemas relacionados à (pouca) durabilidade dos alimentos. Frutas estragavam logo depois de serem colhidas ou de terem caído do pé, animais caçados apodreciam pouco depois de terem sido abatidos. Estocar era quase impossível e, por isso mesmo, as populações eram nômades, sempre migrando em busca de locais onde caça e coleta fossem mais abundantes.

Com o domínio da agricultura, no entanto, pela primeira vez passou a existir um excedente de produção e, desde então, a humanidade vem explorando novos meios de aumentar a durabilidade de tais alimentos. Os benefícios alcançados, no entanto, muitas vezes se viram atrelados a malefícios contundentes à saúde, tornando este um assunto complexo e multifacetado.

Visando esclarecer algumas dúvidas e explicar um pouco das vantagens e desvantagens relacionadas ao emprego de conservantes alimentares, o blog da Pinheirense convidou o nutricionista Renato Sippli de Moraes, responsável pela alimentação diária de mais de 300 pessoas, a falar sobre o assunto.

Pinheirense: Renato, fale um pouco, por favor, sobre a evolução das práticas de conservação de alimentos.

Renato Sippli: A conservação de alimentos é praticamente indispensável desde o domínio da agricultura, pois certos alimentos são produzidos em curtos períodos do ano, e se quisermos consumi-los em outras épocas, não há outra forma de preservá-los senão usando técnicas de conservação.

Através da observação, percebeu-se que os alimentos tendiam a durar mais quando em baixas temperaturas, e também quando desidratados. Com o domínio do fogo o homem aprendeu a defumar, enquanto populações litorâneas descobriram a salga ao enterrarem seus alimentos na areia das praias. No oriente, cerca de 2000 anos antes de Cristo, os chineses já conservavam peixes no gelo e no sal.

Na era das navegações um dos grandes problemas enfrentados foi em relação à conservação de alimentos, com diversos relatos de tripulações sofrendo por conta de intoxicações alimentares. Um problema enfrentado também pelas pessoas em terra firme, principalmente a partir do século XIX, quando boa parte da população passou a se concentrar nos grandes centros, muitas vezes distantes das áreas produtoras de alimentos.

A invenção das conservas, no fim do século XIX, antecipou empiricamente o processo de pasteurização, e ampliou bastante a lista de alimentos disponíveis. Por fim, os conservantes industrializados se tornaram importantíssimos na indústria de alimentos nas últimas décadas, pois aumentaram drasticamente o tempo de “vida útil” do alimento, comercialmente conhecido como tempo de prateleira.

Pinheirense: A necessidade do uso de conservantes cresce, portanto, conforme aumenta o distanciamento entre a produção e o consumo do alimento…

Renato Sippli: Sim, a principal função da conservação de alimentos é evitar possíveis danos à saúde devido à ação de agentes químicos (oxidação), físicos (temperatura, luz) ou biológicos (microrganismos). Portanto os conservantes são usados principalmente para produzir alimentos mais seguros para os consumidores, impedindo a ação de agentes biológicos, principalmente bactérias e fungos.

Pinheirense: No entanto, sabe-se atualmente que a utilização de conservantes gera também impactos negativos sobre a saúde do consumidor. Que tipo de problema o consumo de conservantes pode gerar à saúde?

Renato Sippli: Desde a antiguidade há processos para a conservação de alimentos que se revelaram prejudiciais à saúde. Antes do uso de freezers e refrigeradores, por exemplo, a prática de armazenar carne mergulhada em gordura de porco era muito comum, o que levava esses consumidores a ingerirem quantidades enormes de gordura.

Atualmente, os perigos são outros. O uso de corantes, aromatizantes, conservantes, antioxidantes, estabilizantes e acidulantes são comprovadamente prejudiciais a saúde. Além dos casos óbvios de alergia e intolerância alimentar, outras doenças mais graves podem ser causadas pelo efeito cumulativo dos conservantes no corpo humano. Alguns deles se ligam ao DNA, provocam mutações e geram alterações celulares, que levam ao desencadeamento do câncer, principalmente no fígado, rins, intestino e estômago. Outros estudos mostram que o sistema nervoso central também é afetado pelo uso contínuo de aditivos alimentares.

Pinheirense: Apesar do distanciamento realmente grande entre centros produtores e consumidores, atualmente as possibilidades de transporte e armazenamento tornaram muito menos crítica a viagem dos alimentos até a mesa do consumidor. Em muitos casos seria possível produzir alimentos sem a adição de conservantes, desde é claro, que os produtores estivessem dispostos a sacrificar o tempo de prateleira e o alcance territorial de seus produtos. Qual sua opinião a respeito deste tipo de alimento, oferecido nos grandes centros, e produzido sem a adição de conservantes?

Renato Sippli: Não resta qualquer dúvida de que, quando preparados e armazenados com total controle higiênico, os alimentos mais seguros são aqueles produzidos sem uso de conservantes e aditivos químicos. Consumir alimentos frescos, sem a necessidade de conservantes industriais, continua sendo a forma mais saudável de se alimentar.

Envelhecer sim, mas com saúde!

O envelhecimento populacional é uma realidade em todo o mundo, inclusive, no Brasil. Com o tempo, a expectativa de vida da população aumentou e, juntamente com esse fato, surgiram novas questões relacionadas à saúde.

É mais do que comum encontrar homens e mulheres acima dos 50 anos de idade que continuam a atuar profissionalmente e com qualidade de vida. Contudo, muitos ainda desconsideram a importância de se manter atividades físicas regulares e hábitos de vida saudáveis.

Aproximadamente 70% dos brasileiros com mais de 50 anos são sedentários. A população desta faixa etária também é a que apresenta a maior incidência de doenças cardiovasculares, assim como lesões ortopédicas que dificultam ou incapacitam a prática de atividades físicas. A maioria das pessoas tem dúvidas sobre como, quando e quanto praticá-las para preservar a saúde sem correr riscos.

O processo natural de envelhecimento motiva a perda de pelo menos 30% das fibras musculares, além disso, já é comprovado que exercícios com resistência ajudam os 70% restantes a garantirem estabilidade e conforto. Os benefícios cardiorrespiratórios proporcionados através da atividade física são inquestionáveis, principalmente, nessa fase da vida. Entretanto, muitos se veem diante de um dilema: o exercício físico melhora o coração, mas também pode comprometer a parte óssea, muscular e ósseo-articular, visto que o aparelho locomotor também envelhece, e não adianta ter o coração funcionando bem se o joelho inchado prejudica a locomoção.

Vale lembrar que para as pessoas idosas, um programa de atividade física sem a devida precaução tem levado a uma maior incidência de patologias, como a morte súbita. Assim, a primeira providência é consultar um cardiologista para medir a pressão arterial, fazer eletrocardiograma, verificar quais são as condições orgânicas e demarcar os próprios limites.

O cardiologista irá dizer se serão necessários exames mais detalhados e específicos, o que não costuma acontecer entre 90% e 95% dos casos. Em seguida, a pessoa poderá iniciar progressivamente uma atividade física aeróbica, como caminhadas e natação. Simultaneamente, ela deve manter algum tipo de exercício de força que inclua resistência e desenvolva a coordenação.

Em suma, são inúmeros os benefícios da atividade física regular quando feita sob supervisão e respeitando a capacidade de reservas do organismo de cada indivíduo. Com mais idade, embora capaz de fazer praticamente as mesmas coisas, a pessoa conta com menos reservas. Vale lembrar que, antes de tudo, a vida saudável depende do equilíbrio.

Lua de Mel em cotas

Nos últimos anos, as cotas de lua de mel estão em alta. Casais que já vivem juntos ou estão com a casa montada optam por uma viagem de lua de mel, ao invés de elaborar a tradicional lista de presentes.

O primeiro passo é escolher uma agência de turismo, onde será selecionado um pacote de viagem que esteja de acordo com as expectativas dos noivos. São duas as opções oferecidas no sistema de cotas: na primeira, o casal faz o pagamento da viagem (parcelado ou à vista) para garantir a reserva do destino e do hotel.  Em um segundo momento contratam o serviço de lua-de-mel em cotas, no qual os convidados farão depósito do valor equivalente à(s) cota(s) escolhida (s) na conta indicada pelo casal. Já na segunda opção, os noivos aguardam a contribuição dos convidados na conta da agência de turismo para apenas depois reservar e definir detalhes de sua viagem.

O valor das cotas costuma variar entre R$ 50,00 a R$ 1.000,00, de forma que todos possam contribuir.

Os cartõezinhos com o número de telefone para informar aos convidados onde se encontra a lista de cotas são disponibilizados pela própria agência de turismo. Porém, se o casal preferir, pode anexar os cartõezinhos aos convites.

Caberá à agência manter os noivos informados quanto aos créditos e, no final, emitir um relatório completo com todas as contribuições.

 

Receita de Pudim de Pão integral

Ingredientes:

Pão Integral Pinheirense;

1 ovo;

1 xícara de açúcar;

1 colher (sopa) de manteiga;

Cravo e canela a gosto.

Modo de preparo:

1- Deixar o pão integral Pinheirense no leite por 3 horas para amolecer;

2- Bata o pão no liquidificador juntamente com 1 ovo, 1 xícara de açúcar e 1 colher(sopa) de manteiga;

3- Retire do liquidificador e misture cravo e canela a gosto;

4- Coloque a mistura numa forma de pudim caramelizada e leve ao forno por, aproximadamente, 30 minutos, ou até que o pudim esteja consistente.

Bom apetite!

Educação e Novas Tecnologias

Quando se fala em educação, muita gente a associa, ainda nos dias de hoje, com aquele padrão de ensino convencional em que o aluno é um mero receptor de informações e conceitos, repetindo fórmulas prontas e deixando as discussões e conclusões para o professor.

Contudo, de uns tempos pra cá, tal modelo ou “fórmula” de ensino-aprendizagem vem sofrendo transformações cruciais, em parte devido à ascensão e onipresença das novas tecnologias, que promovem, quando bem utilizadas, uma maior interação entre os educadores e estudantes, além de novas possibilidades de ensino ao professorado.

As Novas Tecnologias, por sua vez, já fazem parte da vida de muitas pessoas, independentemente da classe social, e mesmo que indiretamente, ao permear todos os setores da vida moderna. Mesmo naquelas escolas em que tais tecnologias ainda não se fazem presentes, tanto os alunos quanto os professores estão cientes da sua importância e influência na contemporaneidade. E, inclusive, tal convicção e consciência de que as NTICs (novas tecnologias de informação e comunicação) já são uma realidade e estão inseridas no cotidiano de muitos indivíduos, geram novos questionamentos e inquietações por parte de todos os atores sociais envolvidos no cenário da educação.

Além disso, muitos alunos e docentes fazem uso das novas tecnologias, principalmente da Internet, fora do perímetro escolar, ou seja, transferem o conteúdo educacional para além das fronteiras escolares e o utilizam mediante as NTICs.

As novas tecnologias têm contribuído para mudar os meios de ensino não somente dentro da sala de aula, através de ferramentas como o retroprojetor, datas-show, DVDs, ou do próprio computador, entre outros, mas, também, está alterando a própria sala de aula, a partir do momento em que é colocado em prática o ensino a distância.

Inicialmente, o ensino em domicílio, aquele por correspondência, era incentivado pelos correios tradicionais; em seguida, foi a vez do rádio. Os discos de vinil, assim como as fitas “K-7” também tiveram seu espaço, até o surgimento dos CDs, juntamente com a televisão e o vídeo, o que facilitou ainda mais essa forma de ensino. Hoje, é a vez da Internet, que graças a sua característica multimídia, aparece com uma variedade quase infinita de possibilidades.

Para Allan Breder, publicitário e professor universitário, é muito positiva a participação da Internet como ferramenta de acessibilidade. “A tecnologia, quando bem utilizada, encurta as distâncias e dinamiza os processos educacionais. O maior desafio é encontrar um meio termo entre o imediatismo provocado pelas novas NTICs e um aproveitamento, além do aprofundamento dos conteúdos. Através da Internet, sinto que todos sabem um pouco sobre muitas coisas e raramente possuem um conhecimento mais profundo sobre algo. É uma superficialidade que às vezes me preocupa”, comenta o docente.

Pesquisas comprovam que os jovens passam muitas horas em frente ao computador, porém, a dedicação ao estudo, à pesquisa, ao conhecimento, é mínima. A maior parte do tempo é dedicada às relações, mais precisamente aos sites de relacionamento. A grande maioria dos jovens lida melhor com relações a distância do que numa conversa onde o interlocutor esteja ao alcance dos olhos e das mãos.

Em relação aos pais e a maioria dos profissionais de educação, acontece uma adaptação à linguagem. É uma realidade geracional mais facilmente adaptável aos nativos digitais do que aos imigrantes tecnológicos. Os jovens de hoje já nasceram regidos por esta tecnologia.