Turismo Sustentável

Ao longo dos anos, a atividade turística tem provado que é altamente lucrativa e persuasiva. Com o desenvolvimento dos serviços de transporte, meios de comunicação, hospedagem, lazer e alimentação, principalmente, além da capacitação profissional do setor, o turismo alcançou seu ápice e, atualmente, tem como desafio transformar-se em uma indústria sustentável de fato.

Foto: Bruno Ponce

Desde o aparecimento da atividade turística, tal como a conhecemos, até os dias de hoje, muitas são as preocupações e questionamentos levantados pela sociedade mundial acerca dos seus impactos negativos nas regiões receptoras em níveis social, econômico, cultural e ambiental. O turismo sustentável surge como uma ferramenta de conservação dos recursos naturais, do crescimento econômico e da integridade sociocultural das áreas exploradas.

“Há um segmento da atividade turística que se confunde com a própria questão da sustentabilidade na medida em que proporciona a distribuição dos lucros, a preservação do meio ambiente e da cultura local, garantindo um bom legado às futuras gerações”, diz o empresário do setor hoteleiro, Nauro Grehs.

O empresário Nauro Grehs

Este segmento do turismo encontra-se em ascensão em todo o mundo, é a tendência atual e, nas regiões onde as ações sustentáveis já são colocadas em prática, nota-se uma grande evolução e a comprovação de que a atividade turística obtém muito mais vantagens, inclusive econômicas, quando em sintonia com a sustentabilidade. O Ecoturismo, segmento que cresce 7,5% ao ano, é considerado pelos especialistas como um grande aliado e propulsor do turismo sustentável, já que tem como princípio a conservação da biodiversidade e o uso dos recursos naturais, culturais e sociais de forma planejada e racional.

Para que a sustentabilidade do turismo seja possível, é preciso realizar um planejamento a longo prazo e fazer uso de indicadores de desempenho que possam monitorar a valorização econômica, ambiental e sócio-ambiental, além de investir em práticas e tecnologias que permitam minimizar impactos. A proteção do meio ambiente e o sucesso do desenvolvimento da atividade turística são inseparáveis.  

“O planejamento da atividade turística precisa desenvolver o controle da capacidade de carga de todas as áreas visitadas e com potencial turístico; deve-se educar tanto o turista, quanto a população local sobre a importância da preservação ambiental também para a manutenção de um turismo capaz de gerar benefícios econômicos e ambientais”, explica Nauro Grehs.

 

Poluição Sonora: perturbar o sossego alheio é contravenção penal

“Todos têm o direito de fazer ou não fazer, em sua casa, o que bem entender desde que não cause nenhuma intranquilidade ou dano ao seu vizinho”. Tal preceito é ratificado pelo artigo 42 do Decreto-Lei Nº 3.688/41, que almeja proteger a paz de espírito, a tranquilidade e o sossego dos cidadãos.

A poluição sonora constitui grave infração dos deveres de vizinhança. Perturbar o sossego alheio (mediante gritaria, algazarra, abuso de instrumentos musicais, sinais acústicos etc) é contravenção penal, passível de prisão simples, de quinze dias a três meses, ou multa.

O assunto costuma gerar muita polêmica e discussão, principalmente, porque a tolerância e limites de cada indivíduo são bem diferentes. Para alguns, o canto dos pássaros é uma melodia agradável aos ouvidos, enquanto que para outros, trata-se de um infortúnio. O latido de cães no meio da madrugada ou, ainda, durante o dia, pode incomodar a alguns e a outros, não. Aquele vizinho prodígio na bateria que tanto orgulha a família transforma-se em um verdadeiro transtorno àqueles que desejam o silêncio e necessitam concentrar-se em alguma tarefa. E aquele casal mais afoito, animado, que, com seus gritos e suspiros, acaba trazendo constrangimentos a uma família inteira, no meio de um jantar? Ah, há ainda aquela vizinha que não se cansa de ouvir, em alto e bom som, dia após dia, à trilha sonora da novela das nove… Os exemplos são infinitos, assim como as dúvidas perante o assunto.

Segundo André Luis Santos, Comandante da Guarda Municipal e Subsecretário da Secretaria Municipal de Ordem Urbana de Nova Friburgo, o bom senso é fundamental para se evitar transtornos com os vizinhos e maiores problemas com a Justiça.

“É impedido por lei perturbar o sossego de quem quer que seja. Quando a pessoa sente o seu sossego perturbado, em qualquer horário, pode recorrer ao auxílio legal. Ao contrário do que muita gente pensa, não se pode fazer o barulho que quiser até as 22h. E qual é o recurso de acesso legal? É o acionamento da Polícia Militar e a reclamação em juízo. Se existe uma contravenção penal em curso, seja dentro de um estabelecimento privado ou em vias públicas, o policial militar tem a obrigação de atender a ocorrência”, esclarece André Luis.

André Luis Santos, Comandante da Guarda Municipal, com o Coronel Hudson de Aguiar Miranda.

A advogada Denise Quintanilha explica que a preservação do sossego, da saúde e do trabalho tem que ser respeitada 24 horas.  O som não pode ultrapassar os decibéis que prejudicam a saúde e nem perturbar o trabalho de quem quer que seja.

“Os locais de eventos para festas, shows e outros precisam de autorização do Corpo de Bombeiros e vedação acústica para não vazar o som. Contudo, existem na Lei algumas exceções: sinos de igrejas ou templos, instrumentos litúrgicos utilizados no exercício de culto ou cerimônia religiosa, sirenes de bombeiros e ambulâncias, equipamentos de construções e demolições podem ser utilizados das 7h às 22h. O cidadão, ao ser incomodado com barulhos ocorridos dentro de condomínios, deve recorrer ao estatuto interno, o qual provavelmente dispõe sobre o assunto, ou seja, buscar o auxílio do síndico, para que as medidas cabíveis sejam tomadas. No caso dos ruídos, barulhos ocorridos na rua, é preciso observar se estes sons estão dentro das “permissões” estabelecidas na Lei e sendo após o horário permitido, o auxílio policial deve ser solicitado”, diz a advogada.

"A preservação do sossego, da saúde e do trabalho tem que ser respeitada 24 horas. O som não pode ultrapassar os decibéis que prejudicam a saúde e nem perturbar o trabalho de quem quer que seja", explica Denise.

Ao receber uma denúncia de perturbação do trabalho ou sossego alheio, a Polícia Militar deve comparecer ao local com uma guarnição, para verificação da denúncia. Sendo constatado o fato, é necessário o preenchimento de um formulário próprio. No caso de um local de eventos, como casa de festa e shows, por exemplo, havendo reincidência de desrespeito à Lei, a autoridade policial pode efetuar apreensão ou realizar a interdição da fonte produtora do ruído.

“Quando há a solicitação do auxílio da autoridade policial e esta se nega a agir, pode-se informar o evento à Corregedoria Geral da Polícia Unificada do Estado do Rio de Janeiro, pela internet, e-mail, ou ainda através de denúncia direta no batalhão”, esclarece Denise. O telefone 190 foi criado para servir a toda a comunidade em situações de emergência.

 

Produtos Pinheirense são destaque de vendas em grandes supermercados de São Paulo

Produtos Pinheirense têm sido destaque de vendas em tradicionais e conceituados supermercados de São Paulo.

Entre os dez itens mais vendidos, nos últimos meses, na padaria do Pão de Açúcar Praça Panamericana, em São Paulo, o Pão tipo Sueco tradicional ocupa o primeiro lugar; o Pão de Trigo Integral é o terceiro mais vendido; e o Pão com Sementes ficou na oitava posição.

Pão tipo Sueco Tradicional, o campeão de vendas

Já na Importadora Casa Santa Luzia, melhor supermercado do país, o Pão tipo Sueco Tradicional está em segundo lugar entre os produtos mais vendidos de toda a linha de pães.

“Os produtos Pinheirense se destacam por serem saborosos e saudáveis. Temos muito cuidado na produção de todos os pães, e procuramos sempre satisfazer o cliente. Quem conhece a Pinheirense, sabe que o sabor de seus pães é inconfundível. Nossos consumidores são fiéis e valorizam a qualidade e a tradição de uma empresa que, desde 1937, mantém a receita original, produção artesanal, e não utiliza conservantes e outros produtos químicos”, diz Elisete Muto, gerente de vendas da Pinheirense.

"Quem conhece a Pinheirense, sabe que o sabor de seus pães é inconfundível", diz Elisete Muto, gerente de vendas da Pinheirense.

 

A Pinheirense agradece aos clientes e consumidores pela preferência!

Pinheirense: há 74 anos, fidelizando clientes

Ao longo dos anos em que se dedica a fabricar produtos saborosos e de altíssima qualidade, a Pinheirense conquistou a admiração e confiança de clientes fiéis, que não trocam a marca por nenhuma outra.

O competente jornalista Romolo Ciuffo, natural de São Paulo, é um dos clientes de ouro da empresa. “Há dez anos, mantenho-me fiel à Pinheirense. Sou filho de imigrantes – mãe polonesa e pai italiano- e aprendi, desde cedo, a apreciar alimentos naturais, feitos artesanalmente, e com ingredientes integrais. Por um bom tempo, tive o privilégio de contar com as saborosas massas preparadas em casa por minha mãe. Depois, precisei ir em busca de produtos que se aproximassem dos que eu estava acostumado a consumir. Não foi uma tarefa muito fácil, até conhecer a Pinheirense. É um verdadeiro privilégio consumir alimentos como esses. Gosto de todos, não me limito a apenas um tipo, já que costumo variar o sabor. Valorizo os produtos fabricados pela Pinheirense, pois além de serem muito saborosos, trazem benefícios à saúde, devido aos seus ingredientes e o modo como são produzidos. Com o tempo, aprendemos a comer o que realmente precisamos e nos faz bem”, conta Romolo.

 

Romolo Ciuffo, jornalista responsável e editor da Publicação Guia Do Turista, é cliente Pinheirense há uma década.

 

Participe, e nos diga por que também é um cliente Pinheirense!

Pinheirense mantém parceria há mais de meio século com Grupo Pão de Açúcar e Casa Santa Luzia

Há mais de meio século, a Pinheirense é parceira das conceituadas empresas Grupo Pão de Açúcar e Casa Santa Luzia. Tais parcerias confirmam o sucesso dos produtos Pinheirense e o reconhecimento da qualidade preservada ao longo de seus 74 anos de história.

Fundado em 1948, o Grupo Pão de Açúcar foi pioneiro no setor varejista de alimentos no Brasil. Hoje, é a maior empresa de distribuição do país. A parceria com a Pinheirense teve início já na inauguração da primeira loja, há mais de 60 anos.

A paulista Casa Santa Luzia iniciou sua história em 1926, na esquina das ruas Augusta com Oscar Freire, época em que Sr. Henrich já cultivava uma amizade com os Senhores Jorge e Álvaro, então proprietários do estabelecimento. Em 1981, a Santa Luzia mudou-se para a Alameda Lorena, onde conta com uma equipe de 450 funcionários. Trabalhando com os conceitos de qualidade e variedade, a Santa Luzia oferece os melhores produtos produzidos no Brasil e no mundo.

Para a Pinheirense, é uma grande satisfação fazer parte da história dessas duas empresas.

O tempo passou, mas a marca permanece fiel às suas raízes e, sobretudo, à qualidade. E a clientela, também! Ao longo de seus 74 anos, a Pinheirense se tornou um desses raros exemplos em que a tradição do antigo se renova no frescor de cada fornada.

Pães Pinheirense: dicas de consumo e conservação

A Pinheirense fabrica deliciosos pães integrais de forma e Tipo Sueco. Por não utilizar produtos químicos e conservantes, a validade de seus produtos é menor se comparada a dos industrializados.

Os pães são feitos artesanalmente e não contêm conservantes. São ideais para aqueles que buscam uma alimentação saudável!

Os pães tipo Sueco, por exemplo, podem ser consumidos com iogurte, sorvete, mel, manteiga, geléia etc. São muitas as opções! É só usar a criatividade e deliciar-se.

A seguir, disponibilizamos algumas dicas de consumo e conservação dos Pães Pinheirense:

Dicas de conservação:

Pão tipo Sueco:

Para conservá-lo sempre fresco, guardá-lo em vasilha de vidro devidamente fechada.

Pão Integral:

Até quatro dias: guardá-lo em lugar fresco;

A partir do quinto dia: guardar na geladeira por até 10 dias;

Após esse período, conservá-lo no congelador.

Dicas de consumo/ Pão tipo Sueco:

Quebradinho com iogurte e/ou sorvete;

No café da manhã, com creme de ricota, requeijão, manteiga, geléia etc.

No acompanhamento de sopas e caldos;

Com queijo e salame acompanhando o vinho.