Antepasto de shitake servido com Pão Pinheirense

Está à procura de uma entrada rápida e saborosa para aquela refeição especial? O antepasto de shitake é saboroso, fácil de fazer, e fica ainda melhor quando servido com os Pães Pinheirense – integrais, artesanais e livres de conservantes.

Os benefícios do shitake para a saúde são muitos. Além de ajudar a emagrecer, reduz o colesterol, auxilia no combate ao câncer, combate os radicais livres, fortalece o sistema imunológico, controla a pressão arterial, protege o sistema cardiovascular e previne a trombose. Motivos para incluir esse alimento não faltam, certo? Selecionamos uma receita prática e deliciosa de antepasto de shitake:

Ingredientes: 1 cebola média, ½ pimentão, 1 tomate, 100g de shitake, azeitonas picadas, sal, azeite, salsinha, orégano, Pão Sueco  ou de forma Integral Pinheirense.

Preparo: 

Corte os ingredientes em tiras finas.

Refogue a cebola até dourar e acrescente o pimentão.

Adicione o shitake.

Tempere a gosto e deixe em fogo brando por aproximadamente 5 minutos.

Sirva com o Pão Sueco ou com o de forma integral da Pinheirense.

Rubor facial em excesso e sistema nervoso simpático

O rubor facial sempre foi relacionado à timidez, porém, em algumas pessoas, ele não tem como causa apenas fatores emocionais. O rubor facial em excesso, aquele que ocorre sem causa aparente, está relacionado a uma disfunção ao nível do nervo simpático, que ao emitir uma mensagem errada e exagerada ao sistema nervoso central, causa os sintomas – rubor, sensação de queimação e ardência em todo o rosto, taquicardia e, em alguns casos, sudorese.

Diagnostica-se que uma pessoa possui a disfunção do nervo simpático torácico quando apresenta o rubor facial em excesso com muita frequência e por qualquer motivo, sem que, para tal, precise estar constrangida, por exemplo. Além disso, quem tem essa doença, manifesta outros sintomas, como taquicardia, ansiedade excessiva e falta de ar.

“O rubor em excesso ocorre em pessoas que apresentam uma disfunção ao nível do nervo simpático, localizado no interior do tórax. Em razão disso, é lançada uma mensagem exagerada (errada) que provoca no organismo a liberação de adrenalina, dilatando as artérias da face e/ou pescoço e/ou tórax e/ou braços, gerando o rubor em excesso e uma sensação de ardência e/ou calor e/ou queimação nos locais (especialmente na face)”, explica o Dr. Antonio Malucelli, especialista em medicina do tórax. Aproximadamente 0,2% da população mundial sofre desse mal. Há uma maior incidência em indivíduos da mesma família e em descendentes de poloneses, alemães e outros povos de pele clara.

A simpatectomia torácica é realizada sob anestesia geral, através de 2 incisões (0,7 a 1 centímetro) no tórax. Coloca-se o toracoscópio adaptado a uma microcâmera – vídeo-cirurgia do tórax – cirurgia minimamente invasiva. Esse sistema visualiza a região interna do tórax, com aumento de 20 vezes, lançando a imagem para dois monitores de vídeo. A partir daí, procede-se à cirurgia, clipando (clip de titânio) um ou mais segmentos do nervo ou realizando a secção de um ou mais segmentos do nervo (com bisturi elétrico, tesoura, laser, ultracision, bisturi ultra-sônico ou harmônico, etc).

A simpatectomia torácica é realizada sob anestesia geral, através de 2 incisões (0,7 a 1 centímetro) no tórax.

O paciente já sai do centro cirúrgico, em aproximadamente 98% dos casos, sem a sensação de calor e/ou ardência e/ou queimação no rosto, ou seja, não sentirá mais os efeitos do rubor. Ocorre também a diminuição e/ou eliminação da intensidade (cor do vermelho) e da frequência do rubor, em aproximadamente 50 a 80% dos pacientes.

Os inúmeros tratamentos que têm sido realizados por mais de 40 anos no mundo inteiro não surtem bons resultados e, quando geram alguma melhora, esta é temporária. O uso de medicamentos é um exemplo – o tratamento clínico é realizado com o uso de medicamentos orais tais como calmantes, antidepressivos, ansiolíticos que tratam a depressão e a ansiedade. Contudo, não tratam a causa do rubor facial que é uma disfunção no sistema simpático e não no sistema nervoso central.

“O rubor em excesso é devido a uma disfunção do nervo simpático, e pode ser desencadeado (só em quem possui essa disfunção) tanto quando a pessoa fica nervosa, ansiosa, em situações constrangedoras, quanto na ocorrência de situações normais (conversando com amigos, realizando sozinha qualquer atividade, etc).

O rubor facial também não pode ser confundido com a rosácea, que é uma doença da pele.

Chá de tangerina: previne de resfriados a tumores

Além de ser fonte de vitamina C (uma fruta de tamanho médio fornece cerca de 60% da Ingestão Diária Recomendada- IDR – para um adulto), as tangerinas são mais ricas em vitamina A (na forma de betacaroteno) do que qualquer outra fruta cítrica.

A casca da tangerina, que costumamos jogar no lixo, também traz diversos benefícios para nosso organismo. Ela é capaz de baixar o colesterol, tem antioxidantes e é usada para o combate ao câncer, para auxiliar na digestão, acalmar o estômago, equilibrar o nível do açúcar no sangue, desintoxicar o fígado e aliviar o estresse. Como se não bastasse, é diurética e, por isso, ajuda no emagrecimento.

Chá de tangerina

A casca da tangerina possui concentrações elevadas de vitaminas A, C, cálcio e fósforo, podendo ser usada no preparo de doces, geleias e chás. Na medicina tradicional chinesa, a casca de tangerina é utilizada para auxiliar no processo de digestão, acalmando o estômago, além de equilibrar a taxa de açúcar no sangue, desintoxicar o fígado e aliviar o estresse.

O chá de tangerina ajuda a manter a temperatura do corpo, e acompanhado por gengibre e alfazema, é um ótimo aliado para as épocas em que gripes e constipações são males comuns.

Primeiramente, é necessário desidratar as cascas. Para isso, basta colocá-las em uma forma e deixar ao sol por alguns dias. Em seguida, guarde as cascas lacradas dentro da geladeira, onde podem ser conservadas por até dois ou três meses. Para preparar o chá, adicione as cascas em água fervente e deixe em infusão durante 3 minutos. Após esse período, é só coar. Não use açúcar, mel, nem adoçante.

Presunto Parisiense com Pão Sueco

O pão tipo sueco é um alimento versátil, usado no preparo de diferentes pratos. No post de hoje, compartilhamos uma receita super fácil e que cai bem naquela reunião com os amigos, em uma vérnissage, em festinhas, como lanche rápido e prático, etc.

Receita de Presunto Parisiense com Pão Sueco: 

Você vai precisar de:

-90 g de manteiga

-1 colher de chá de mostarda Dijon

-200 g de presunto defumado

-20 pepinos em conserva, para decoração

Preparo:

Misture a mostarda com a manteiga e faça a base do Pão Sueco. Corte o presunto em meia lua e o adicione no topo da manteiga, decorando com o pepino.

Muito fácil, né? E saboroso. De quebra, você ainda consome o pão tipo sueco da Pinheirense – artesanal, integral e sem conservantes!

Salmão defumado com raiz forte e pão sueco

Experimente o pão tipo sueco Pinheirense com o salmão defumado e raiz forte. Uma delícia! E ainda cai bem em diferentes ocasiões. Foto: Alessandra Pimentel

O pão tipo sueco é um alimento versátil, que proporciona o preparo de diversos pratos, para diferentes ocasiões. A Pinheirense fabrica artesanalmente, desde a década de 30, deliciosos pães suecos integrais e sem conservantes.

No post de hoje, compartilhamos uma receita de salmão defumado com raiz forte, que cai super bem com nossos pães tipo sueco – tradicionais, de gergelim, linhaça, kümmel, light tradicional e light de aveia. Todos deliciosos e saudáveis!

Ingredientes: 125 ml de coalhada; 1 colher de sopa de raiz forte; 150 g de salmão defumado; pimenta do reino a gosto; azeitona e endro para decoração.

Como fazer: Misture a coalhada e a raiz forte, e coloque a misture no topo de cada Pão Sueco da Pinheirense. A seguir, ponha os pedaços de salmão no topo, e decore com as azeitonas cortadas ao meio e com endro.

Esofagite: dieta é fundamental para tratar inflamação

O esôfago é um órgão condutor muscular, localizado entre o extremo inferior da laringo-faringe e o superior do estômago. Faz parte do aparelho digestório, unindo a faringe ao estômago. Sua principal função é conduzir os alimentos até o estômago.

A esofagite é a inflamação da mucosa do esôfago, e que causa sintomas como: azia ou queimação que começa no estômago e pode ir até a garganta; regurgitação; gosto amargo na boca; mau hálito; tosse seca; rouquidão; dor de garganta, pigarro e enjoo.

Essa inflamação ocorre quando o ácido do estômago, fundamental para a digestão dos alimentos, invade o esôfago. As principais causas que predispõem ao refluxo do conteúdo gástrico para o esôfago são: hérnia de hiato; incontinência do esfíncter (anel) inferior do esôfago; defeito no clareamento do esôfago (movimentos peristálticos).

Quando uma pessoa é diagnosticada com esofagite, muitas vezes precisa tomar medicamentos, como antifúngicos e antiácidos. Somente o médico poderá dar o diagnóstico e o tratamento adequado. Contudo, muitos pacientes só investem nos medicamentos, que sempre trazem efeitos colaterais, e esquecem de fazer uma reeducação alimentar, que é fundamental para desintoxicar o organismo, tirar a acidez do mesmo, eliminando fungos, bactérias, e bloqueando os efeitos do refluxo gastroesofágico.

Para começar, doces, frituras, café, chá preto, mate, leite, farinha branca, pimenta, bebidas alcoólicas e alimentos gordurosos deverão ser cortados. Aumente o consumo de frutas e legumes, prefira carnes magras e produtos integrais. É fundamental beber muita água. Existe um tratamento feito à base do limão (https://www.docelimao.com.br/site/limao/pratica/333-refluxo-esofagico-depoimento.html) que é incrível e surte resultados muito positivos.

Há vários relatos de pessoas que substituíram os medicamentos, como antiácidos, por essa fruta, que ajuda a alcalinizar o organismo. Abaixo, daremos dicas de como melhorar a alimentação e viver sem os sintomas da esofagite.

Mamão: Rico em enzimas proteolíticas, quimopapaína e papaína, um fitoquímico que também auxilia na digestão de proteínas e acaba diminuindo o refluxo.

Batata doce: Devido à ausência de gordura e açúcar, alimentos como legumes e verduras são eficazes na redução da quantidade de ácido gástrico produzido no estômago. Quase todas as cores e variedades são benéficas, mas batata-doce, folhas para saladas, cenoura, abóbora, feijão-verde e erva-doce são especialmente boas, por acalmarem o estômago e diminuírem seus níveis de acidez.

Aveia: Além de ser um alimento bastante nutritivo, acaba neutralizando o excesso de acidez no estômago, o que ajuda a reduzir os sintomas de refluxo. Também é uma excelente fonte de fibra, que deixa a digestão funcionando melhor e diminui as chances do problema aparecer.

Gengibre: Além de anti-inflamatório, também melhora o funcionamento intestinal e, por isso, é um grande fitoterápico digestivo. Acredita-se ainda que tem um efeito positivo sobre as enzimas que quebram gorduras e proteínas, facilitando o processo de digestão e diminuindo o refluxo.

Cominho: Amplamente utilizado para temperar alimentos, também possui propriedades antioxidantes e antimicrobianas. O timol, um fitoquímico presente no cominho, estimula a secreção de enzimas, ácidos e bílis para promover uma boa digestão. Além disso, óleos essenciais, sódio e magnésio presentes no tempero ajudam a deixar o refluxo bem longe.

Chá de boldo: As folhas contêm lactona, substância que possui gosto amargo, mas é muito eficaz na digestão de gorduras. Também têm diversos fitoquímicos, incluindo boldina, cânfora, limoneno, beta-pineno e cumarina, que são compostos antioxidantes. Só não exagere e tome uma xícara por dia, no máximo. Quando usado por longos períodos, pode causar irritação gástrica.

Por que consumir água de coco

Você já deve saber que a água de coco traz inúmeros benefícios à saúde, mas, talvez, não conheça, de fato, o quão poderosa ela seja, já que apresenta propriedades antivirais, antibacterianas, anti-inflamatórias e antioxidantes, ajudando a prevenir e a combater diferentes tipos de doenças.

Beneficia o funcionamento cerebral e do sistema nervoso

Além de ser uma importante fonte de magnésio, a água de coco também tem uma quantidade relevante de potássio, que é uma das mais importantes substâncias para o sistema nervoso, assim como o cérebro, funcionarem bem. Consumindo água de coco com regularidade, é possível suprir mais de 13% da necessidade diária, com apenas um copo.

Diminui o cansaço e o estresse

Quando estamos com sede é sinal de que já estamos desidratados. Esse estado provoca uma lentidão nas funções do organismo, nas atividades cerebrais, levando ao cansaço mental e na diminuição das funções musculares, promovendo a fadiga. Os minerais presentes na água de coco (magnésio e potássio) auxiliam na redução do cansaço e do estresse. Por reidratar o corpo, a bebida também diminui a fadiga e o mal-estar.

Rejuvenesce e previne contra o câncer

A água de coco contém citocininas, que protegem as células do envelhecimento e previnem contra o câncer. As citocininas são hormônios vegetais responsáveis pela divisão celular, por isso atuam na renovação das células, garantindo uma pele jovem e saudável. Além disso, diminui a possibilidade de surgirem células cancerígenas, devido à rápida divisão celular (quando a célula se divide e dá origem a duas células idênticas, conhecido, também, como mitose). A divisão celular é o processo responsável pela reposição de células mortas, regeneração dos tecidos saudáveis do corpo e pelo crescimento do indivíduo.

Melhora a digestão

A água de coco atua como um tônico digestivo que se usa para tratar doenças tropicais, incluindo a gripe estomacal, disenteria, prisão de ventre e parasitas. O consumo ajuda a melhorar a digestão graças às suas enzimas bioativas.

Controle do colesterol

A água de coco auxilia no controle do colesterol alto. O seu consumo regular contribui para a diminuição das placas de ateroma nas artérias, baixando o colesterol e melhorando o funcionamento do coração.

Combate a ressaca

Ao ingerir bebida alcoólica, estimulamos a eliminação de água através da urina. Os efeitos dessa desidratação causam os famosos sintomas da ressaca: dor de cabeça, fadiga, mal-estar, sede, tontura e náuseas. Beber água de coco (cerca de 500 ml a 1000 ml) horas depois ou no dia seguinte a bebedeira promoverá a reposição dos líquidos e eletrólitos perdidos, amenizando os desconfortos. A quantidade exata dependerá de cada organismo e do tanto de álcool consumido.

Fortalece o sistema imunológico

A água de coco é rica em vitamina C, que aumenta a produção de glóbulos brancos, células que fazem parte do sistema imunológico e que têm a função de combater microorganismo e estruturas estranhas ao corpo. O nutriente aumenta os níveis de anticorpos no organismo.

Coração e rins saudáveis

O potássio encontrado na água de coco é um nutriente extremamente importante para manter em equilíbrio a quantidade de sal e água que os rins excretam. Sem o potássio, os rins não conseguem eliminar sódio com eficiência. E o excesso de sódio no organismo, por sua vez, retém água e aumenta a pressão arterial, também conhecido como hipertensão.

Perda de peso

A água de coco auxilia na perda de peso por possuir baixa densidade calórica e fornecer vitaminas e minerais importantes para os processos metabólicos de geração de energia. Por se tratar de uma bebida natural – não contém corantes nem conservantes- e ser fonte de nutrientes, ela pode ser inserida em dietas que objetivam perda ou manutenção de peso e reeducação alimentar. Deve-se ressaltar, no entanto, que ingeri-la isoladamente não é suficiente para emagrecer, é necessário adotar hábitos de vida saudáveis, reduzir o consumo de alimentos industrializados altamente calóricos e fazer atividades físicas.

Ajuda a combater a candidíase

Como o coco tem função fungicida, a ingestão da água de coco ajuda no tratamento para equilibrar a flora vaginal e controlar a candidíase. O óleo de coco aplicado topicamente também pode ajudar no tratamento.

Benefícios dos pães com aveia

O Pão de Trigo Integral com Aveia faz parte da linha de produtos artesanais e sem conservantes produzidos pela Pinheirense. Além de saborosos, os nossos pães possuem combinações variadas de sementes, que trazem inúmeros benefícios à saúde.

Benefícios da aveia:

A aveia apresenta efeitos benéficos sobre o colesterol, pressão arterial, níveis de açúcar no sangue, saciedade e saúde gastrointestinal. Excelente fonte de fibra solúvel, cálcio, ferro, manganês, folacina, vitamina E, tiamina, niacina, riboflavina e outras vitaminas do grupo B, ajuda na redução tanto do nível de açúcar no sangue quanto dos níveis de insulina, um fator importante no controle do diabetes.

O farelo de aveia é rico em betaglucano, o que ajuda a reduzir os níveis de colesterol, diminuindo os riscos de infartos. Alguns estudos demonstram que a aveia não apenas diminui o colesterol LDL, mas também aumenta os níveis do bom colesterol – o HDL.

Por possuir um valor elevado de saciedade, o que significa que leva um longo tempo para ser digerida, a sensação de fastio é mais duradoura. Acredita-se que tanto a proteína como as fibras de aveia contribuem para esse efeito.

Coração de bananeira: conheça os benefícios à saúde

O coração de bananeira, também conhecido como umbigo ou flor de bananeira, é aquela parte onde nascem os cachos de banana. Tem esse nome devido ao formato e coloração iguais ao de um coração. Contudo, a parte consumida é a interna, que possui coloração branca e formato de pião.

Rica em carboidratos e nutrientes que ajudam a saciar a fome, essa planta possui flavonóides, antioxidantes e ácidos que neutralizam os radicais livres e eliminam os danos oxidativos causadores do câncer.

Outros benefícios indicados pelos pesquisadores são as fibras, proteínas e minerais que esta planta possui, o que dá saciedade, ajuda a melhorar o humor e diminui a ansiedade ( graças ao magnésio presente na sua composição).

Esse alimento ainda é indicado no tratamento das seguintes patologias: úlceras, anemias, prisão de ventre, redução da pressão arterial e doenças respiratórias.

Existem diferentes receitas culinárias que usam o umbigo da banana, como saladas e pastas, por exemplo. Para prepará-lo, é preciso cortá-lo e conservá-lo em água e limão, para não escurecer, e depois ferver por duas a três vezes, para tirar o gosto cortante e amargo de banana verde- original do ingrediente. Em seguida, basta acrescentar o ingrediente de sua escolha ou simplesmente refogar com um pouco de cebola e alho.

Veja como preparar um delicioso antepasto de flor de bananeira:

Ingredientes:

4 corações de bananeira; ½ xicara de chá azeitonas pretas fatiadas; ½ xicara de chá de pimentão vermelho e amarelo em tirinhas finas; ½ xícara de chá de cebola cortada em tirinhas finas; ½ xicara de chá de azeite extra virgem; limão; orégano; sal a gosto.

Preparo: Em um pirex, coloque água, limão e uma pitada de bicarbonato. Pique o coração de bananeira em fatias e deixe-o de molho nessa água por 20 minutos. Após escorrer e jogar em água fervendo com bicarbonato e limão, escorrer e repetir novamente esse procedimento em água fervendo, por somente 5 minutos. Reserve. Numa frigideira com azeite, refogue rapidamente os pimentões, a cebola, o orégano e, quando desligar, acrescente a azeitona, o azeite e o limão. Misture tudo ao umbigo da bananeira. Sirva com os pães Pinheirense.

Óleo de coco fortalece o sistema imunológico

Considerado um superalimento, o óleo de coco (extra-virgem) é uma gordura do bem, que, por apresentar a combinação do ácido láurico e do ácido cáprico, fortalece o sistema imunológico, combatendo bactérias, vírus e fungos. Você pode consumir, diariamente, de duas a três colheres de sopa do óleo. Confira os demais benefícios desse alimento:

Aumenta o colesterol bom

O óleo de coco é eficaz para aumentar os níveis de colesterol HDL, que é conhecido como o colesterol “bom”. Pesquisas feitas com mulheres com obesidade abdominal mostraram que a HDL aumentou para aquelas que consumiram o óleo de coco. Em contraste, as mulheres que consomem óleo de soja apresentaram uma diminuição no colesterol HDL.

Diminui a sensação de fome:

O óleo de coco pode ser um alimento funcional para alguns praticantes de musculação: em primeiro lugar, pelos fatores termogênicos apresentados do alimento. Elevando a temperatura corpórea, consegue-se, portanto, acelerar o metabolismo. Além disso, para indivíduos com dietas restritas em carboidratos, ele pode ser uma boa opção para o pré-treino, pois servirá rapidamente de energia ao corpo.

Faz bem para a pele:

Manter a pele hidratada faz parte de um dos benefícios do óleo de coco. Muitas mulheres já descobriram que ele é um hidratante maravilhoso para as pernas, braços e cotovelos. Você pode usá-lo em seu rosto também; embora isso não seja recomendado para pessoas com pele muito oleosa.

Ele também pode ajudar a reparar calcanhares rachados. Basta aplicar uma camada fina nos calcanhares na hora de dormir e calçar meias.

Combate infecções

O óleo de coco virgem tem fortes propriedades antibacterianas, que podem ajudar a combater infecções. Isso porque auxilia no retardo do crescimento da bactéria intestinal Clostridium difficile, que é a responsável por causar diarreia grave. Suas propriedades também são ótimas para combater várias outras bactérias e leveduras.

Cicatrização de feridas

Estudos feitos em ratos, cujas feridas foram tratadas com óleo de coco, mostraram uma redução dos marcadores inflamatórios, e o aumento da produção de colágeno, um componente importante da pele. Como resultado, as feridas foram curadas muito mais rápido.

Para acelerar a cicatrização de pequenos cortes ou arranhões, aplique um pouco de óleo de coco diretamente na ferida e cubra com uma bandagem.

Combate a candidíase

A Cândida albicans é um fungo responsável por infecções, que normalmente ocorrem em áreas quentes e úmidas do corpo, como a boca ou a vagina. O óleo de coco é um aliado ao combate da candidíase.

Melhora a saúde do fígado

A gordura saturada do óleo de coco protege o fígado de danos causados pelo álcool ou por toxinas. Em uma pesquisa, foi observada a diminuição nos marcadores inflamatórios do fígado e um aumento da atividade das enzimas hepáticas benéficas. Por isso, tenha sempre ele por perto. 

Melhora a função cerebral

Os triglicerídeos de cadeia média (TCM) se transformam em cetonas, que podem atuar como uma fonte alternativa de energia para o seu cérebro. Vários estudos têm encontrado benefícios impressionantes desse óleo para distúrbios cerebrais, incluindo epilepsia e doença de Alzheimer.

Protege o cabelo

Um estudo comparou os efeitos do óleo de coco, óleo mineral e óleo de girassol no cabelo. O óleo de coco pode ajudar a reduzir a perda de proteína do cabelo, quando aplicado antes ou após a lavagem. Este resultado ocorreu com os cabelos danificados e também saudáveis. Isso porque o ácido láurico, o ácido gordo principal do óleo de coco, consegue penetrar a haste do cabelo de modo que a maioria das outras gorduras não consegue.

Como consumir o óleo de coco

O óleo de coco pode acompanhar tanto pratos doces quanto salgados e, o melhor, pode ser aquecido, afinal, estamos falando de lipídios já saturados. 

É possível preparar omeletes, shakes, sucos, bolos, tortas, entre outros pratos, usando o óleo de coco. Também cai super bem com frutas, iogurte e mingau de aveia.